Microsoft finge ser uma empresa FOSS para manter contratos do governo! Confira!

Pois é, a grande novidade que já está circulando nas redes é a comprovação de que a empresa Microsoft vem fingindo ser uma empresa FOSS, pois bem, para quem não sabe o que é FOSS, em resumo, FOSS seria um Software de código livre e aberto, ou seja, free and open source software. 
Microsoft finge ser uma empresa FOSS para manter contratos do governo! Confira!
Com isso, a empresa entra em um jogo muito inteligente, pois a maioria dos governos desde 2014 vem alterando algumas leis que dão preferência ao Software Livre, e com isso temos uma empresa astuciosa e que sabe ser uma verdadeiro camaleão a ponto de confundir as ideologias e assim conseguir os contratos milionários.
Quando um Software é FOSS ele é livremente licenciado para conceder a usuários o direito de uso, cópia, estudo, mudança e melhoria em seu design através da disponibilidade de seu código fonte. FOSS é um termo inclusivo que cobre tanto o software livre como o software de código aberto, o qual apesar de descrever modelos de desenvolvimento similares, possuem diferentes culturas e filosofias. O software livre foca na liberdade fundamental que ele dá a seus usuários, enquanto que o software de código aberto foca nos pontos fortes percebidos de seu modelo de desenvolvimento ponto-a-ponto.FOSS é um termo que pode ser usado sem viés particular para qualquer abordagem política.
Ao redor do mundo, confiram o que anda sendo dito por aí:

“É uma boa maneira de distrair o público e suprimir a crítica com algumas imagens foleiras de corações vermelhos.”


“O problema com o artigo de Wallen é que ele é baseado em uma falsa suposição de que a Microsoft se preocupa com FOSS.”

“Este é o protecionismo por engano da Microsoft e aqueles que jogam junto com a campanha de relações públicas (ou lobbying) estão ferindo o genuína/legítima FOSS.”

Um novo artigo de Jack Wallen observa que “a receita de licenciamento de consumo da Microsoft diminuiu em 34 por cento “e vai com o título” é hora da Microsoft com o código aberto do Windows “. O problema com o artigo de Wallen é que ele é baseado em uma falsa suposição de que a Microsoft se preocupa com FOSS. Além disso, não iria funcionar. Eles transformaram o Windows em spyware. Licenciamento FOSS iria remover tudo isso. Se é FOSS, as pessoas iriam remover estas características indesejáveis ​​e redistribuir sem elas (true FOSS significa que eles podem fazer exatamente isso). E claro, a Microsoft não vai dar o luxo de deixar que isso aconteça pelo mundo inteiro.
Tudo indica que nos próximos anos, a Microsoft deve mudar o licenciamento de seu sistema popular e investir em outros tipos de aplicativos, afim de mostrar o quanto ela é boazinha e generosa, e que se preocupa de alguma forma com a famosa “sustentabilidade tecnológica”, existem também aqueles que dizem que nada vai mudar, que será liberado apenas parte de alguns itens do Windows para desenvolvimento, e claro, parte da sua famosa suíte de escritório, o Microsoft Office.
No ano de 2015, especificamente no segundo semestre, correu o boato de que a Microsoft iria liberar o código do Windows 98, pois é surgiu até um sistema que diziam que já era oriundo desta liberação, mas não era bem assim.
Conspiração ou não, a camuflagem já começou, toda semana algo é liberado pela Microsoft, claro, com algumas restrições. E aí você pensa! Que legal! Então, legal para estudo, mas nocivo para as liberdades que acreditamos, em especial aquela de falar a verdade, como nossos pais nos ensinaram. Microsoft, não vamos cair nessa, não precisa parecer FOSS, tente outra coisa, crie um licença nova, talvez assim funcione melhor, um dos sites mais confiáveis para tratar do assunto é o techrights e lá foi publicado também essa palhaçada. Vamos ficar de olho nos próximos dias se algum dos países que migraram para o mundo GNU/Linux ou SL retornaram os contratos a M$, tudo indica que inicialmente os alvos serão a União Européia e a Índia, vamos ver, qualquer novidade voltamos a postar.
[ads-post]

você pode gostar também Mais do autor

Comentários