Notícias sobre Ubuntu, Debian, Fedora, Linux, Android, Tecnologia, LibreOffice e muito mais!

A influência do Debian na comunidade GNU/Linux!

Você já parou para pensar que sempre que acontece alguma coisa na Comunidade Debian, parece que choca todas as outras comunidades? Pois é, e isso não é proposital ou venda de notícias, é fato. Agradeço ao Gabriel Cánepa pela ideia.
1 – Debian foi a primeira distribuição onde as portas para o desenvolvimento entre comunidade e desenvolvedores começaram a ser abertas, foi quando deu início às colaborações e assim firmando o verdadeiro sentido comunitário. Tudo isso deu-se por volta de 1993 quando o saudoso Ian Murdock anunciou a criação do Debian. Mas o sucesso do Debian também devesse ao apoio da Free Software Foundation. Só que a organização do estilo comunitário durou 1 ano e, em 1994, ele conseguiu ajustar um fluxo para que os desenvolvedores pudessem contribuir. Em Março de 1995, foi lançado o Debian 0.93R5 e a partir daí, cada programador começou a manter seu próprio pacote.

2 – Debian é gerenciado por uma constituição, contrato social e documentos onde constam as normas, as políticas internas. Apesar de não ser uma empresa, foi necessária a criação de todos esses documentos, que servem para orientar os colaboradores afim de que formassem grupos para atingir os objetivos do projeto, deixando de ser algo individual. Tudo isso foi e é necessário para que todos tenham um norte, afinal, nenhum projeto sobrevive tantos anos sem algo sólido, neste caso, o improviso não iria funcionar. Se você ficou curioso vamos disponibilizar no final do artigo os 3 documentos para que você possa ler com calma e entender como funciona o Debian. Uma coisa importante, mesmo o Debian tendo os seus repositórios proprietários, lembre-se que ele sempre será distribuído somente com software livre e isso está registrado no Free Software Guidelines que é uma parte do contrato social. Existe um outro porém, a comunidade Debian é uma das poucas que partilha as correções que são feitas com as demais comunidades, e não são só as correções, as melhorias também.
3 – Debian garante estabilidade após upgrades. Pois é, não se espante, isso é uma garantia que de certa forma não é novidade, afinal de contas quando se fala em Debian, lembramos logo de estabilidade. E nem é preciso cruzar dedo e acender velas após o upgrade do sistema, quem nunca usou alguma distribuição que após atualizar tudo e reiniciar o sistema não inicia mais, pois bem, a comunidade garante que se você fizer o upgrade com todas as recomendações nada disso vai acontecer com você, por conta disso é muito importante seguir as documentações oficiais.
4 – Debian é a distribuição pai de milhares de outras distribuições. Todos os pacotes .deb são reutilizados ou reconstruídos a partir dos pacotes disponibilizados pelo Debian. Isso mesmo! Ninguém sai criando pacotes por aí, tudo sai do Debian, claro que existem alguns pacotes que são exclusivos da distribuição derivada, mas é irrelevante esse número quando observamos o número de pacotes que saem das mãos do Debian.
5 – Debian possui suporte para várias arquiteturas. Inicialmente, tudo começou com o x86, depois foi evoluindo passando pelo ARM, PowerPC e inclusive no Sun UltraSPARC, tem muitas outras arquiteturas, mas estas são somente alguns exemplos. Inclusive, o Debian pode ser usado em computadores antigos, por exemplo, você pode usar o servidor web com apache com um Intel Celeron 566MHZ e 256 MB de RAM.

6 – Bom, antes o diretor do Debian era o Ian Murdock que foi substituído pelo Bruce Perens. Foi ele quem decidiu que cada versão estável do Debian teria o nome de uma personagem do Toy Story. Na época, Bruce estava trabalhando para Pixar, isso explica o motivo dos codinomes. Acho difícil alguém assistir o filme e não se lembrar das versões do Debian, em especial o coitado do Sid que é torturado por brinquedos, o Sid é a versão instável, por esse motivo o nome nunca muda, mas logo que passa para a versão de testes um novo batismo já é feito.

Estas são algumas razões pelas quais o Debian influência diretamente as comunidades em geral. Acho muito interessante está frase que ouço sempre que converso com colegas da comunidade Debian: No Debian “Manda quem faz”.

Comentários