Como criar um agrupamento de disco com LVM no Linux!

Crie de forma fácil, um agrupamento de disco em sua distro Linux!

Hoje vamos desmistificar um recurso que pode salvar sua vida em situações onde o armazenamento de dados ficará escasso, e com certeza, você precisará expandir com o mínimo de downtime. Servidores de e-mail são usuários típicos desse tipo de recurso. E neste artigo, aprenda como criar um agrupamento de disco com LVM no Linux!

Trata-se do LVM – Logical Volume Management.

basic-lvm-volume

Este recurso cria agrupamentos virtuais de discos, tornando transparente a interação entre vários Hd’s e assim fazendo com que o usuário opere a mídia de armazenamento como se fosse apenas um dispositivo. Imagine um hd de 1 tb, particionado com lvm. Quando este dispositivo ficar cheio, basta que eu adicione mais um hd, de qualquer tamanho que se tenha disponível, ao agrupamento virtual e voilá!

Você primeiramente deve ter o pacote lvm2 instalado. É um pacote padrão em muitas distros, verifique como fazer a instalação na sua.

Vamos criar nossa estrutura lvm. Ela é composta de três partes básicas:

  • PV – Volume físico, onde o sistema lvm conhece os dispositivos físicos com que vai trabalhar;
  • VG – Grupo de Volumes, onde o lvm faz o agrupamento dos dispositivos físicos de acordo com o que o sysadmin implementa;
  • LV – Volume lógico, que é o resultado final do Lvm, que é o dispositivo lógico consequente do agrupamento dos dispositivos físicos;

Como criar um agrupamento de disco com LVM no Linux!

Primeiro criamos um PV – Physical Volume. Com isso, literalmente reservamos um dispositivo físico e o tornamos disponível para o LVM. O comando deve ser executado como ROOT:

pvcreate /dev/sdx
Considere que “sdx” deve ser substituído pelo dispositivo que você quer utilizar.

Em seguida criamos o agrupamento com o comando:

vgcreate MeuGrupoDeDiscos /dev/sdx
Finalmente criamos o volume lógico com o comando
lvcreate -L 500GB -n MeuVolumeLogico MeuGrupoDeDiscos
Repare que criei um volume lógico com 500GB, colocando o nome dele após o parâmetro “-n” e em seguida inserindo-o no grupo de volumes que havia criado.
Agora só falta particionar o volume lógico para começar a utilizá-lo.
mkfs.ext4 /dev/MeuGrupoDeDiscos/MeuVolumeLogico
Agora você pode montar normalmente seu volume lógico como se ele fosse um Hd normal.

Comentários