Notícias sobre Ubuntu, Debian, Fedora, Linux, Android, Tecnologia, LibreOffice e muito mais!

Você já ouviu falar no Goobuntu? Ou melhor, Google + Ubuntu? Então, descubra!

Você já ouviu falar no Goobuntu? Ou melhor, Google + Ubuntu? Então, descubra!
A maioria das pessoas que usam Linux sabe que o Google usa Linux em seus desktops, bem como em seus servidores. Alguns sabem que o Ubuntu é a distro escolhida pelo Google onde foi chamado de Goobuntu. Mas quase ninguém de fora do Google sabia exatamente o que estava acontecendo ou que papéis o Ubuntu Linux desempenha no campus do Google, até então. 
Em 29 de agosto de 2012, Thomas Bushnell, o líder técnico do grupo que gerencia e distribuição Linux para desktop corporativos do Google, resolve dizer o que é Goobuntu do Google, foi dito na LinuxCon no mesmo ano, o evento é uma realização da Linux Foundation, uma espécie de conferência anual Norte-americana técnica, primeiro de tudo, será você pode baixar Goobuntu para executá-lo? A resposta é sim e não.
  
Bushnell explicou que “Goobuntu é simplesmente uma pele clara sobre o padrão do Ubuntu.” Em particular, o Google usa o suporte mais recente de longo prazo (LTS) do Ubuntu. Isso significa que, se você baixar uma cópia da versão mais recente do Ubuntu, 16.04.X , será, para fins práticos, estar executando Goobuntu.
O Google usa as versões LTS por conta do fluxo entre os lançamentos, é muito mais viável do que a cada ciclo de 9 meses, que são os lançamentos comuns do Ubuntu. Além disso, o Google também tenta atualizar e substituir o seu hardware a cada ano.
  
Por que o Ubuntu, ao invés de Macs ou porque não dizer Windows? Bushnell disse, “Googlers [funcionários do Google] são convidados a usar as ferramentas que trabalham para eles. Se o Gmail não quer trabalhar para eles, eles podem usar o cliente de e-mail pine. As pessoas não são obrigadas a usar o Ubuntu. “Mas, o uso Goobuntu é incentivado” “Todas as nossas ferramentas de desenvolvimento são para o Ubuntu.”
Os Googlers evitam pedir para usar o Windows porque “Windows é mais difícil, porque tem” especiais “problemas de segurança,  requer alto nível de permissão antes que alguém possa usá-lo.” Além disso, “as ferramentas do Windows tendem a ser pesadas e inflexíveis.”
  
Dito isso, Bushnell foi perguntado por que o Ubuntu ao invés do Fedora ou openSUSE? Ele respondeu: “Nós escolhemos o Debian porque os pacotes e o APT estão anos luz à frente do RPM. “E, porque o Ubuntu ao invés das outras distribuições baseadas no Debian GNU/Linux? “Porque possuem um fluxo de lançamento incrível e a Canonical oferece um bom suporte. “
  
Sim, é isso mesmo. O Google não quer apenas usar o  Ubuntu e contribuir para o seu desenvolvimento, o Google é um cliente  que paga pelo programa Ubuntu da Canonical Advantage. Chris Kenyon, que é vice-presidente da Canonical de Vendas e Desenvolvimento de Negócios, estava presente para falar com Bushnell e acrescentou que “Google não é o maior cliente de desktop empresarial.” 
Então, o que dizer da própria área de trabalho? Todo mundo está obrigado a usar Unity, o desktop do Ubuntu popular, ou não é bem assim? A resposta é “não”.
  
Quando perguntado sobre o uso de Unity, Bushnell disse, “Unity? Haters, ódio. Nossos usuários de desktop estão por todo o mapa, quando se trata de suas interfaces alguns usam GNOME, alguns KDE, alguns usam o X-Window e X-Term. Alguns querem Unity porque faz lembra-los do MAC. Vemos amantes do Mac que se deslocam para o Unity. “Não existe um padrão de interface do Goobuntu. 
O que existe são na verdade “dezenas-de-milhares de usuários Goobuntu. Isso inclui designers gráficos, engenheiros, gerentes e vendedores. É uma comunidade muito diversificada. Alguns, como Ken Thompson, ajudou a criar Unix e alguns não sabem de nada sobre computadores, exceto como usar a sua aplicação.“ 
Para gerenciar todos esses desktops Goobuntu, o Google usa apt e Puppet ferramentas de administração do desktop. Isso dá a equipe do Google gerenciamento de desktop o poder de controlar rapidamente e gerenciar seus computadores. Isso é importante porque, “Uma única reinicialização pode nos custar um milhão de dólares por exemplo.” 
Dito isso, os problemas de desktop, mesmo no Linux, vai acontecer. Como Bushnell disse “Esperança não é uma estratégia. A maioria das pessoas esperam que as coisas não vão falhar. Esperar que os computadores não vão falhar é ruim. Você vai morrer um dia. O seu PC irá travar um dia. Você tem que se projetar para o fracasso. “
  
Este é o lugar onde Goobuntu de “modo especial” aparece. Em desktops do Google, “monitoramento ativo é absolutamente crítico. No Google, temos um desafio por demandas, estamos sempre levando estações de trabalho para os seus limites, e nós trabalhamos com movimentos rápidos e ciclos de desenvolvimento.”
Dito isto, o Google tem requisitos de segurança muito rígidos. Como observa Bushnell, “Google é um alvo e todo mundo quer ir contra nós.” Então, alguns programas que fazem parte da distribuição Ubuntu são proibidos porque são considerados como potenciais riscos de segurança. Assim, o Google utiliza as suas próprias in-house de autenticação de usuário de rede do PC por exemplo.
Junte tudo: a necessidade de top-of-the-line de segurança, alta performance do PC, e a flexibilidade para atender a área de trabalho e a precisão que os desenvolvedores precisa. Não é de admirar que o Google usa Ubuntu como o seu sistema operacional de desktop. 
O Bushnell ainda afirmou: 

“Você seria  tolo em usar qualquer coisa, mesmo sendo o Linux.”

Em 29 de Fevereiro de 2016, no site do Google Abour Chris Kenyon uma especialista do Google, escreveu um novo texto falando sobre as questões que comentamos acima, e esclarecendo que o Gobuntu não é a mesma coisa do Goobuntu. 
O Gobuntu era um “sabor” oficial anterior do Ubuntu que visava a incluir apenas conteúdo totalmente gratuito e abertos ​ uma interpretação estrita da licença de distribuição GNU. Esta versão do Ubuntu não tem nada a ver com o Google, embora o nome é semelhante.
[ads-post]
Comentários