O Wannacry serve de alerta pra sua empresa mudar para o Linux de vez

O WannaCry atingiu em um único dia mais de 57 mil usuários em todo o mundo, exigindo uma bagatela entre US$300 e US$ 600 em Bitcoin. E a negociação é simples: não pague e dê adeus aos seus arquivos.

Antes de qualquer coisa, tome o WannaCry como um alerta: faça backup dos seus dados o quanto antes. Fim de papo.

Com uma cópia consistente dos seus dados, caso você tenha problemas com ransomwares ou de outra natureza, você só precisa reinstalar o sistema operacional, restaurar os dados e voltar ao trabalho.

Agora, se houve algum tempo para o Linux brilhar no desktop, esse momento é agora. Sim, eu sei. Você deve estar arregalando os olhos e pensando: Isso de novo? Toda a internet fala disso.

Veja bem: esse ransomware em particular é desagradável. Considere isto:

  • Possui a capacidade de se espalhar;
  • Explorar uma vulnerabilidade conhecida do Windows;
  • Usa o protocolo SMB, que não é frequentemente filtrado dentro de redes corporativas;
  • As ferramentas por trás do WannaCry (Eternal Blue e DoublePulsar) se originaram dentro da NSA;
  • Computadores em 150 países foram afetados (empresas de logística, montadores de carro, empresas de telefonia, hospitais pela Europa).

Todos os fatos acima (e mais alguns) você pode comprovar pesquisando as notícias relacionadas (e a história da pessoa que parou o ataque). O problema é que o WannaCry não é o primeiro do seu tipo. Na verdade, os ransomwares tem explorado vulnerabilidades do Windows por muito tempo. O primeiro ataque de ransomware conhecido foi chamado de “Trojan de Aids”, que infectou as máquinas Windows em 1989. Este ataque particular de ransomware mudou o arquivo autoexec.bat. Este novo arquivo contou a quantidade de vezes que uma máquina tinha sido inicializada: quando a máquina atingiu a contagem de 90, todos os nomes de arquivo na unidade C foram criptografados.

O Windows, é claro, não é a única plataforma a ser atingida por ransomware. Na verdade, em 2015, o ransomware LinuxEncoder foi descoberto. Esse bit de código mal-intencionado, no entanto, só afetou os servidores que executavam a solução de comércio eletrônico Magento.

A questão importante aqui é esta: os desktops Linux tem sido o alvo de ataques de ransomware? A resposta é não.

Tendo isso em mente, é muito fácil tirar a conclusão de que agora seria o melhor momento para começar a implantar o Linux no seu desktop.

Linux…

Já posso ouvir os seus argumentos, e eles são meio cansativos. O principal problema: o software. Vou contrariar seu argumento dizendo isso: A maioria dos softwares migrou para um modelo chamado Software como Serviço (SaaS) ou para a nuvem. A maioria das pessoas geralmente trabalha através de um navegador web. Chrome, Firefox, Edge, Safari, com poucas exceções, SaaS não se importa. Com isso em mente, por que você quer os seus funcionários utilizando um sistema vulnerável?

Considere o seguinte: Se você tem um funcionário que precisa realizar uma atividade externa à empresa e você precisa fornecer o transporte, você entregaria um carro com um problema conhecido? Digamos, você sabe que o carro tem um problema no motor, uma avaria e poderia dar problemas durante a viagem. Esse fracasso poderia (na melhor das hipóteses) ser a causa do empregado perder um dia de trabalho e (na pior das hipóteses) por em perigo a vida desse empregado.

Você enviaria de bom grado aquele funcionário no veículo? Não, você não faria isso.

Aplique a mesma analogia aos computadores de sua equipe. Por que você deseja que eles trabalhem com uma plataforma que sofreu de vulnerabilidades conhecidas para levar a tais façanhas como o WannaCry? Vulnerabilidades que, na melhor das hipóteses, faz o empregado perder um dia de trabalho e, na pior das hipóteses, impactar negativamente os seus lucros e linha de produção? A diferença aqui é que você estaria (e está) disposto a implantar sistemas que são mal formados e longe do compromisso.

Nada é perfeito

Não me interpretem mal, não estou dizendo que o Linux é perfeito. Qualquer sistema conectado a uma rede pode ser vítima de algo. Mas a verdade da questão é, o Linux é muito menos suscetível aos gostos do WannaCry do que o Windows. Como eu sei disso? Bem, os problemas relacionados a falhas no linux são rapidamente corrigidos e não vemos grandes falhas causadas por conta de ransomwares no mundo Linux, seja servidores ou desktops.

Imagine que você implantou o Linux como o sistema operacional padrão para os computadores da sua empresa e essas máquinas funcionaram como campeões desde o dia em que você as configurou a primeira vez até o dia em que ocorreu alguma falha de hardware. Isso não soa como uma vitória que sua empresa poderia ter? Se seus funcionários trabalham principalmente com SaaS (através de navegadores da Web), então não há razão que o impeçam de fazer a mudança para uma plataforma mais confiável e segura.

Não tema a mudança

As pessoas temem a mudança. Mas esse medo tem sido atenuado com os usuários que trabalham, principalmente dentro de uma ferramenta que detém uma quantidade significativa de universalidade. Estou falando sobre o navegador web: um pedaço de software que qualquer um pode usar (com facilidade) independentemente do sistema operacional utilizado. Isso, por si só, colocou a plataforma nas sombras. Assim, a menos que sua empresa dependa de um sistema de software proprietário, que foi projetado para (e só funciona em) Windows, não realizar a mudança para desktops Linux é convidar os problemas para dentro da empresa.

A comunidade Linux está sempre disposta a ajudar você.

Através da Fonte

Comentários