in

5 maneiras de diferenciar os vídeos deepfakes da realidade

Prepare-se para o futuro falsificado.

5 maneiras de diferenciar os vídeos deepfakes da realidade
Imagem: Reprodução / The Next Web.

A preocupação com o uso da tecnologia dos vídeos deepfakes em nossa realidade não é novidade, mas a tecnologia avançou muito mais rápido do que muitos esperavam, dando origem a um meio que tem um potencial aterrorizante.

Por exemplo, considere o recente deepfake usando o rosto de Vladimir Putin sobre o corpo do editor-chefe do MIT Technology Review, Gideon Lichfield.

 

A tecnologia deepfake está se tornando cada vez mais difícil de detectar, e em breve estaremos vivendo em um mundo em que somos desafiados a questionar rotineiramente a realidade que nos é apresentada pelos meios de comunicação. Portanto, precisamos começar a fazer isso agora.

Assim, aqui estão cinco dicas que podem ajudá-lo a começar a distinguir a realidade dos deepfakes.

1. Observe as diferenças de resolução e qualidade entre os componentes faciais e o restante do vídeo

Os vídeos fontes geralmente têm uma qualidade mais alta que os vídeos de destino, levando a rostos de alta definição em cima de corpos e fundos de baixa definição. Isso é especialmente aparente na demonstração com Steve Buscemi/Jennifer Lawrence, que se tornou viral.

2. Observe os quadros em que o rosto está obscurecido ou em ângulo agudo

Isso geralmente resulta em artefatos embaçados ou movimento inconsistente, o que é indicativo de uma deepfake. Um ótimo exemplo disso é o deepfake de Jim Carrey como Jack Nicholson em The Shining.

Movimento inconsistente é especialmente visível na fala “Aqui está o Johnny!”.

3. Desconfie de faces inconsistentemente dimensionadas

Os deepfakes com vários ângulos de câmera podem escalar ou transformar o rosto de maneira diferente para obter credibilidade em cada cena, mas resultam em rostos de diferentes escalas em todo o vídeo. Por exemplo, o Sylvester Stallone Terminator 2 deepfake é uma boa demonstração do problema de escala.

4. Fique de olho nos recursos de borda inconsistentes

Os componentes faciais na borda (queixo, sobrancelhas, maçãs do rosto, pêlos faciais, sardas/marcas de nascença) podem alternar entre o original e o substituto. Qualquer inconsistência lá é indicativo de um deepfake. Por exemplo, confira este deepfake de Bill Hader e Tom Cruise.

É muito bem feito, mas o deepfake é descoberto pelas maçãs do rosto e mandíbulas inconsistentes.

5. Procure tons de pele inconsistentes/cintilantes nos vídeos deepfakes

Combinar o tom de pele e os movimentos faciais, especialmente nas bordas, é difícil e revela rapidamente os deepfakes. A recente demonstração de Jim Carrey/Alison Brie mostra os problemas com a pele cintilante.

Vídeos deepfakes e a realidade

Portanto, os deepfakes certamente progredirão em qualidade e sua proliferação é garantida. Assim, cabe a você desenvolver uma mentalidade investigativa. Confiar cegamente na mídia é negligência.

Por fim, comece a praticar seus olhos afiados e seu pensamento crítico agora, para poder estar melhor preparado para o futuro dos deepfakes que está virando a esquina e para distinguir melhor o fato da ficção.

Neste artigo, você aprendeu 5 maneiras de diferenciar os vídeos deepfakes da realidade.

Fonte: The Next Web

Leia também:

Twitter promete introduzir novas regras contra deepfakes

Essas imitações de celebridades usando deepfake são igualmente surpreendentes e alarmantes

Escrito por Leonardo Santana

Astrônomo amador e eletrotécnico. Apaixonado por TI desde o século passado.

Como o Wi-Fi 6 afeta a Internet das Coisas?

Como o Wi-Fi 6 afeta a Internet das Coisas?

GitHub lança o Arctic Code Vault para preservar software de código aberto por 1.000 anos

Mais de 80% das contribuições do repositório do GitHub vêm de fora dos EUA