in

A tecnologia está impulsionando o futuro da desobediência civil

Conheça a experiência da Catalunha.

A tecnologia está impulsionando o futuro da desobediência civil
Crédito: EPA | Quique Garcia.

Pessoas de todo o mundo estão demonstrando seu descontentamento de maneiras cada vez mais criativas. Neste artigo, você verá como a tecnologia impulsiona a desobediência civil na Catalunha.

No ano passado, crianças em idade escolar em todo o mundo se uniram às greves da Fridays for Future (com foco nas mudanças climáticas), testemunhando greves em massa de escolas de todo o mundo. Além disso, nas últimas duas semanas, surgiram protestos em todo o Líbano em oposição ao aumento de impostos, envolvendo bloqueios nas estradas e uma cadeia humana em todo o país para ilustrar a unidade do povo.

A tecnologia está impulsionando a desobediência civil

Algo notável sobre esses protestos é que os manifestantes estão se mobilizando em torno de muito mais do que questões individuais. Além disso, as maneiras pelas quais a desobediência civil e a ação direta são realizadas estão se tornando cada vez mais inovadoras.

Um olhar mais atento às demonstrações contínuas na Catalunha ilustra o significado disso.

Tsunami Democràtic

Em setembro, uma nova iniciativa foi criada na Catalunha: o Tsunami Democràtic. Porém, ninguém parece saber de onde veio ou quem era a força organizadora por trás disso. Assim, aqueles inicialmente compartilhando seus tweets vieram de diferentes famílias políticas, incluindo todos os três partidos pró-independência, bem como alguns dos que tinham sido presos como resultado de seu envolvimento no movimento de independência catalã.

Após o anúncio inicial, pouco se ouviu do Tsunami Democràtic, além de tweets ocasionais que destacavam a eficácia da resistência civil pacífica.

Até agora, o Tsunami Democràtic apenas convocou três dos inúmeros protestos que testemunhamos desde segunda-feira, 14 de outubro, quando foram anunciadas sentenças contra os sete ministros do governo, além do presidente da Câmara e dois líderes da sociedade civil.

O primeiro – e maior – protesto foi a ocupação do aeroporto de Barcelona no mesmo dia em que as sentenças foram anunciadas. Dessa forma, cerca de 155 voos foram cancelados e as perturbações causadas no aeroporto foram consideráveis, já que o bloqueio de estradas e um dos terminais durou mais de seis horas. Além disso, em 21 de outubro, o Tsunami Democràtic convocou outro protesto, com apenas algumas horas de antecedência, motivado por uma visita surpresa a Barcelona pelo primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez. O protesto teve uma exigência simples – #SpainSitandTalk – após a recusa de Sanchez em responder às ligações do presidente catalão.

Protestos de alta tecnologia

O grande sucesso do grupo em convocar e aprovar enormes protestos com um simples toque foi habilitado, em grande parte, pela tecnologia. O grupo usou o aplicativo de mensagens Telegram com sucesso, reunindo mais de 385.000 assinantes. Os canais do Telegram (projetados para enviar informações de uma única fonte aos assinantes) tornaram-se fontes cruciais de informação e organização em todo o mundo.

Além disso, o Tsunami Democràtic desenvolveu um novo aplicativo desenvolvido para coordenar protestos em tempo real, dependendo da localização das pessoas. Dessa maneira, ele se mostrou tão popular que seus sistemas entraram em colapso durante as primeiras horas, pois muitas pessoas tentaram baixá-lo.

O aplicativo, que ainda não foi usado, pode ser acessado usando códigos QR compartilháveis entre até dez usuários. Isso significa que, se um dos códigos (ou nós) estiver agindo de forma suspeita, toda a cadeia poderá ser removida. Dessa forma, ele foi projetado para organizar os usuários (chamados gotas d’água) em ações para criar um “tsunami”. Isso pode incluir a ocupação de centros de transporte (como estações de trem ou aeroportos), mas também a coordenação de manifestações contra eventos específicos. Portanto, a ideia é uma novidade e já atraiu o interesse das comunidades de tecnologia.

O grupo já chegou com tudo. O Ministério do Interior da Espanha classificou-o como uma organização terrorista. Assim, na semana passada, a Guardia Civil (força policial paramilitar da Espanha) fechou o site do Tsunami Democràtic, e o ministro do Ministério do Interior anunciou que está investigando quem está por trás dele. Até o momento, exceto os músicos que aparecem na música, e o vídeo do gerente de futebol Pep Guardiola, lendo o manifesto do Tsunami, não há outras faces públicas.

A tecnologia e a desobediência civil

Vivemos numa época em que os protestos estão crescendo em nível mundial, muitas vezes em resposta às ações antidemocráticas dos governos.

Sob esse prisma, as ações do Tsunami Democràtic são notáveis: elas demonstram uma tendência de uma proporção crescente de pessoas que recorrem a formas criativas de protesto. Assim, esses métodos são tipicamente abertos, fluidos e sem estruturas rígidas. Além disso, representam novas tentativas de articular uma voz quando parece que os que estão no poder estão cada vez mais desinteressados em ouvir.

A tecnologia está impulsionando o futuro da desobediência civil
O gerente de futebol Pep Guardiola, lendo o manifesto do Tsunami. Fonte: YouTube.

O aumento dos movimentos de desobediência civil em massa, como o Tsunami Democràtic, é frequentemente discutido em relação à ideia, apresentada pelas cientistas políticas Erica Chenoweth e Maria Stephan, de que uma campanha que atraia 3,5% ou mais da população trará mudanças.

Se isso é verdade ou não, no caso da Catalunha, a proporção da população envolvida em protestos já é muito superior a 3,5%. Estimativas conservadoras da polícia local indicam que havia mais de 500.000 pessoas participando das marchas pela liberdade durante a última greve geral: cerca de 14% da população da Catalunha.

Por fim, habilitados pela tecnologia, esses movimentos estão se tornando mais organizados e criativos do que nunca. Não há garantia de que essas novas formas de protesto serão bem-sucedidas. Dessa maneira, esforços persistentes, contínuos, coordenados e inovadores para desafiar os que estão no poder podem resultar em resultados surpreendentemente positivos.

Neste artigo, você viu que a tecnologia está impulsionando o futuro da desobediência civil.

Fonte: The Next Web

Leia também:

Manifestantes em Hong Kong usam aplicativos de mensagem offline

Escrito por Leonardo Santana

Astrônomo amador e eletrotécnico. Apaixonado por TI desde o século passado.

Tecnologias inteligentes para procurar em 2020

Tecnologias inteligentes para procurar em 2020

Mozilla, Intel e Red Hat formam a Bytecode Alliance

Mozilla, Intel e Red Hat formam a Bytecode Alliance