in

Automação é principal aposta do mercado em 2019, aponta levantamento da Red Hat

Automação é principal aposta do mercado

A Red Hat (NYSE: RHT), líder global de soluções open source, ouviu mais de 400 empresas em todo o mundo para descobrir quais as prioridades dessas organizações para este ano na área de tecnologia. A pesquisa Red Hat Global Customer Tech Outlook 2019 apontou que o principal foco das companhias será a automação das operações de TI. Quase metade dos respondentes (44%) afirmou que a mudança vai ajudar a aumentar a produtividade e reduzir custos, necessidades vitais para o segmento.

Líder no ano passado, as iniciativas cloud caíram para a segunda posição no ranking de prioridades das empresas. Cerca de 20% dos participantes na pesquisa ainda estão estabelecendo uma estratégia de nuvem. A maioria das organizações busca uma solução de cloud híbrida, com as clouds públicas e privadas desempenhando papéis em conjunto e separadas, dependendo da carga de trabalho. Somente 11% dos profissionais ouvidos não planejam usar uma plataforma cloud nos próximos dois anos.

Mesmo que as companhias consultadas estejam buscando a cloud, a virtualização tradicional é a infraestrutura mais comum, não apenas para cargas de trabalho existentes, mas para o desenvolvimento de novas aplicações. No entanto, 51% dos líderes ouvidos disseram que querem fornecer virtualização para seus usuários como um autosserviço de cloud.

Na terceira posição do ranking de investimentos está a segurança. Com os casos de vazamentos de dados relatados no ano passado em vários países e a aprovação da GDPR (lei de proteção de dados) na UE, a pesquisa apontou uma crescente preocupação dos líderes de tecnologia com o tema. As companhias consideram a responsividade geral do fornecedor (64%) às vulnerabilidades de segurança como “extremamente importante”, seguidos por 30%, que classificam a responsividade como “muito importante”.

De acordo com o Red Hat Global Customer Tech Outlook 2019, otimização ou modernização da integração da TI legada ou existente e a integração empresarial, ocupam o quarto e o quinto lugares, respectivamente, das prioridades de orçamento das organizações participantes. O levantamento também revelou que, pela otimização de TI, as organizações continuam a mudar os investimentos de tecnologias legadas para a inovação, no entanto, para a maioria das empresas, 50 a 60% dos recursos da TI ainda irão para tecnologias existentes.

Transformação digital em andamento

As companhias estão levando a transformação digital (DX) a sério. O levantamento mostra que 35% delas estão focadas no tema. As organizações perceberam que têm mudar a equação para ter tecnologia — especificamente aplicações e experiências digitais para os usuários — que podem guiar sua diferenciação competitiva. A jornada para a liderança digital não vai ser apenas uma responsabilidade dos diretores de tecnologia, mas uma prioridade dos CEOs e dos conselhos.

Dentro desse contexto, os containers ganham destaque, passando a ser muito mais difundidos em todas as organizações, guiados tanto por demanda de desenvolvedores como pela necessidade de inovar mais rapidamente. A adoção de tecnologia de containers não é tão rápida quanto a empolgação do mercado indicava, mas as companhias estão começando a pisar no acelerador.

O apelo e o valor de containers ajudaram a aumentar o uso deles, com 57% dos clientes consultados afirmando utilizá-los hoje — a maioria containers Linux. Outros 75% esperam usá-los dentro de dois anos. De acordo com a pesquisa da Red Hat, 37% das organizações estão operando 10% (ou menos) de suas cargas de trabalho nessa tecnologia e 13% dizem que estão usando containers para metade de suas cargas de trabalho. Esse panorama deve mudar até 2021, com 28% das empresas alegando que vão operar 50% ou mais em containers e 47% delas afirmando que operarão até 49% de suas cargas de trabalho nesse modelo.