in

Desenvolvedor acusa Microsoft de clonar AppGet com o novo WinGet

Ele teria sido convidado a trabalhar no projeto. Há conflitos também com o projeto KDE.

Criador do AppGet acusa Microsoft de clonar AppGet com o novo WinGet

Tem treta na aventura da Microsoft rumo ao open source. O criador do aplicativo AppGet acusa a Microsoft de simplesmente clonar seu aplicativo para implementação do novo WinGet. Para quem não sabe, o WinGet foi anunciado oficialmente na última Build 2020 e ele é um gerenciador de pacotes de softwares para Windows.

É por meio do WinGet que será possível, por exemplo, fazer a instalação de programas nativos do Linux dentro do sistema da Microsoft. Ele emula os comandos como apt-get do Ubuntu e yum da Red Hat.

Se você estiver disposto a usar o terminal do Windows, poderá ter acesso a uma seleção de software mais notável do que o da própria Microsoft Store.

Você pode saber mais sobre o lançamento do Winget na matéria a seguir:

Microsoft vai lançar gerenciador de pacotes para o Windows!

Não era difícil imaginar, no entanto, que a chegada do Winget fosse possivelmente uma má notícia para projetos de código aberto de terceiros que tentavam oferecer uma proposta semelhante para ambientes Windows, como Chocolatey e AppGet.

O WinGet e o AppGet têm algo em comum? Criador do AppGet acusa Microsoft de clonar seu app com o novo WinGet

A festa do anúncio foi grande, porém, Keiva Beigi, criador e desenvolvedor do AppGet, não gostou muito do que viu. Segundo ele, a Microsoft teria aproveitado seu trabalho para criar sua própria ferramenta.

Sempre de acordo com a versão de Beigi, em agosto de 2019, a Microsoft entrou em contato com ele (através de Andrew Clinick, responsável pelo Application Model Group da empresa) para convidá-lo para trabalhar na integração do AppGet ao Windows. Após várias reuniões informais e uma entrevista realizada em dezembro, ele não teve mais notícias da Microsoft.

Pelo menos, até a empresa anunciar o lançamento do Winget, uma ferramenta que Beigi afirma reproduzir “mecânica básica, a terminologia, o formato e a estrutura do AppGet, e até a estrutura de pastas do repositório de pacotes“. E isso sem mencionar a semelhança de nomes.

Quando vi o repositório do GitHub, fiquei chocado. Eu nem tinha certeza do que estava vendo. […] O que eles copiaram [do AppGet] sem me dar crédito é a base do projeto deles. E não quero dizer o conceito geral de gerenciador de pacotes, mas o modo como o Winget funciona é praticamente idêntico ao AppGet.

Beigi está desapontado com o pouco reconhecimento dado pela Microsoft, mas aceita que não faz mais sentido continuar desenvolvendo o AppGet, que será fechado em 1º de agosto: “Não acho que fragmentar o ecossistema possa beneficiar alguém”. Por seu lado, a Microsoft informou ao The Verge que está investigando internamente o que aconteceu com a oferta de emprego que foi enviada à Beigi.

Outro caso recente

Apesar do discurso pró software livre do presidente da Microsoft, este não é o primeiro desencontro da comunidade com a Microsoft nos últimos dias. Recentemente a Microsoft foi acusada de se apropriar do nome de um projeto desenvolvido pelo KDE, chamado MAUI.

O projeto MAUI (sigla em inglês para “interfaces de usuário multiadaptáveis”) nasceu em 2018 com o objetivo de criar uma estrutura livre e modular que facilita o desenvolvimento de interfaces de usuário de desktop/móvel de plataforma cruzada.

Seu kit de ferramentas e controle MauiKit, que por sua vez é baseado no KDE Kirigami, pode ser usado para desenvolver aplicativos Windows, Linux, iOS e Android.

Arquivo de índice

Da mesma forma, eles usam este link para divulgar vários aplicativos de plataforma cruzada com base em sua própria estrutura: o visualizador de imagens Pix, o gerenciador de livros eletrônicos da Biblioteca, o explorador de arquivos Index etc.

O Microsoft MAUI

O .NET MAUI (da interface do usuário de aplicativos de várias plataformas), por outro lado, é um projeto nascido recentemente. O blog corporativo da divisão .Net da Microsoft anunciou a alteração de nome de um de seus projetos, conhecido até então como Xamarin.Forms.

Criador do AppGet acusa Microsoft de clonar AppGet com o novo WinGet(Imagem da Microsoft)

O Xamarin.Forms, que completou 6 anos em maio deste ano, permite que os desenvolvedores, de acordo com a Microsoft,

Compilem aplicativos iOS, Android e Windows a partir de uma única base de código compartilhada [criando] interfaces de usuário em XAML com código C #, [que] são representados como controles nativos de melhor desempenho em cada plataforma.

O que vai acontecer agora?

Em resumo, a Microsoft decidiu renomear sua estrutura de criação de interface multiplataforma com o nome de um projeto da comunidade KDE (um dos principais ambientes de desktop para Linux) que atualmente está desenvolvendo uma estrutura de criação de interface multiplataforma.

Os desenvolvedores do projeto MAUI (código aberto) reclamam:

Gostamos de acreditar que este é um evento infeliz, produto do descuido durante uma sessão de brainstorming […] e não uma tentativa de usar o peso da marca Microsoft para esmagar uma estrutura rival.

Até hoje, essa estrutura ainda é o primeiro resultado do Google quando pesquisamos o termo “Maui UI framework”, mas o SEO mudará com o tempo, graças ao poder do GitHub (subsidiária da Microsoft) e ao blog corporativo da própria Microsoft.

Vários usuários do GitHub também viram um problema, relatando o conflito de marca registrada entre os dois projetos como um ‘bug’. Quem visita o tópico de discussão verá que está fechado para novas contribuições de usuários que não colaboram e que a maioria de seus comentários foi marcada como fora de tópico.

Certamente os ânimos foram aquecidos o suficiente depois que os colaboradores do projeto da Microsoft (mas não os funcionários desta empresa) foram expressos nos seguintes termos :

Então você gosta desse projeto … tudo bem, mas vamos diferenciar um projeto sério de um que não é: não há grande suporte para o MauiKit, a maioria das pessoas provavelmente nunca ouviu falar deles antes e, francamente, ninguém se importa.

David Ortinau, gerente de programa da Microsoft, tentou encerrar o debate alegando que “o nome legal oficial é ‘.NET Multi-platform App UI” e que MAUI é “apenas um acrônimo” que passou por uma revisão legal.

A empresa não parece, a priori, predisposta a repensar a renomeação do projeto, apesar de a Microsoft já ter recuado alguns anos atrás, quando criou o projeto Sistema de Arquivos Virtuais GVFS para Git, um nome já ‘adotado’ pelo GVFS (GNOME Virtual File System).

 

 

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.