in

EUA e China assinam novo acordo comercial para evitar tarifas de tecnologia

Resta saber que vantagens isso trará ao mundo.

EUA e China assinam novo acordo comercial para evitar tarifas de tecnologia

A briga entre Estados Unidos e China, que já dura cerca de dois anos, causou vários problemas comerciais não só aos dois países mas ao mundo. Além disso, vários setores, incluindo o setor de tecnologia acabaram afetados. Neste tempo todo, o caso mais emblemático foi o da Huawei, principal alvo dos ataques do governo de Donald Trump. Também podemos lembrar a decisão do RISC-V de mudar sua sede dos EUA para a Suíça devido a temores comerciais. Assim, está  caminho um novo acordo comercial entre China e Estados Unidos.

Porém, tudo isso parece ter acabado desde que um acordo comercial parcial foi assinado na quarta-feira passada entre as duas superpotências em Washington.

Esta reunião é uma nova etapa no relacionamento comercial entre Washington e Pequim, após dois anos de sanções aduaneiras e medidas retaliatórias contra as empresas das duas nações.

EUA e China assinam novo acordo comercial para evitar tarifas de tecnologia

EUA e China assinam novo acordo comercial para evitar tarifas de tecnologia
Foto: Agência Reuters

Sob os termos do novo acordo, Pequim comprará bens e serviços norte-americanos nos próximos dois anos, avaliados em US $ 200 bilhões.

O aumento das compras será comparado com 2017, antes do início da guerra comercial. Segundo a CNN Business, a China importou mais de US $ 185 bilhões em bens e serviços americanos naquele ano.

Segundo o mesmo relatório, por dois anos, compras escalonadas da China levariam a um forte aumento nas exportações dos EUA. As exportações totais para a China aumentariam para mais de US $ 260 bilhões em 2020 e para aproximadamente US $ 310 bilhões em 2021 se o acordo continuar.

Acreditamos que é muito difícil para a China importar US $ 200 bilhões em bens e serviços adicionais dos Estados Unidos nos próximos dois anos sem reduzir as importações de outros lugares, disseram analistas da UBS, uma empresa de serviços financeiros.

O acordo também prevê a flexibilização dos direitos aduaneiros existentes em várias categorias de produtos importados e a imposição de novos.

Um acordo que beneficia os consumidores

Segundo o contrato, as tarifas de mercadorias no valor de aproximadamente US $ 120 bilhões serão reduzidas para a metade do seu nível atual: de 15% para 7,5% . A lista de itens atualmente tributados a essa alíquota de 15% inclui diversos produtos tecnológicos, como televisores, fones de ouvido, monitores, entre outros.

Vale ressaltar que os eletrônicos de consumo, como laptops e tablets, monitores e outros periféricos, consoles de videogame e smartphones, estariam sujeitos a uma nova taxa de 25% em dezembro passado.

Mas essas tarifas de tecnologia foram evitadas. Naquela época, a indústria de videogames, entre outros, havia pedido ao governo que isentasse seus produtos de tarifas, argumentando que haveria aumentos de preços.

Eles prejudicariam consumidores, desenvolvedores de jogos. (…) para varejistas e fabricantes de consoles, colocaria em risco milhares de empregos valiosos nos Estados Unidos e suprimiria a inovação em nosso setor e além.

Embora, sob o novo acordo, não haja mais tarifas sobre tecnologias, a maioria das taxas impostas anteriormente permanecerá em vigor. Isso inclui tarifas adicionais de 25% impostas em 2018 às importações de semicondutores, modems e alguns outros componentes tecnológicos.

Propriedade intelectual e transferência de tecnologia

Pequim e Washington também levaram em conta, em uma seção de seu novo acordo, a propriedade intelectual e a transferência forçada de tecnologia.

De fato, a China frequentemente exige que empresas estrangeiras que operam no país realizem suas atividades por meio de joint ventures. Essas empresas, por sua vez, transferem tecnologias internas sensíveis, segredos comerciais, principalmente para empresas chinesas locais. As empresas americanas e outras empresas internacionais aceitam essas condições para entrar no lucrativo mercado chinês.

Porém, com o novo acordo comercial, essas práticas serão severamente restringidas. O contrato especifica que quaisquer condições de transferência ou licença entre empresas americanas e chinesas. Resta saber como o acordo irá beneficiar Estados unidos e China além do restante do mundo.

Deve ser baseado em condições de mercado que sejam voluntárias e reflitam um acordo mútuo. Eles exigirão ou exercerão pressão formal ou informal sobre as pessoas ou empresas da outra parte para transferir tecnologia para o seu povo como uma condição“ para receber permissão para operar no mercado da outra parte, diz o acordo.

Linux Adictos

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Gigantes da tecnologia do Vale do Silício se juntam para combater informações falsas sobre o coronavírus

O Comando Cibernético dos EUA não estava preparado para lidar com a quantidade de dados que eles hackearam do Estado Islâmico

Aplicativo de galeria no MIUI 11 da Xiaomi vai obter novos filtros de vídeo

O MIUI 11 da Xiaomi recebe novos desenvolvimentos no modo escuro e gestos