Ex-moderadores processam TikTok por trauma psicológico

Claylson Martins
3 minutos de leitura

Um grupo de ex-revisores de conteúdo do TikTok está processando a empresa sob a alegação de trauma psicológico. Eles dizem que o TikTok falhou em apoiá-los adequadamente enquanto se engajavam no trabalho profundamente perturbador de remover vídeos pesados da rede social.

A NPR relatou pela primeira vez o processo, que foi apresentado na última quinta-feira em um tribunal federal.

Os demandantes Ashley Velez e Reece Young fizeram trabalhos de moderação para o TikTok sob contrato por meio de empresas terceirizadas. Eles estavam na empresa de tecnologia canadense Telus International e uma empresa sediada em Nova York chamada Atrium, respectivamente. Velez e Young estão buscando uma ação coletiva, o que permitiria a participação de outros moderadores de conteúdo do TikTok. A principal alegação é de que foram impactados negativamente pelas práticas das empresas, participassem do processo.

O processo alega que TikTok e ByteDance violaram as leis trabalhistas da Califórnia ao não fornecer a Velez e Young suporte adequado à saúde mental, apesar dos riscos mentais das “atividades anormalmente perigosas” com as quais se envolveram diariamente. Também alega que as empresas pressionaram os moderadores a revisar grandes volumes de conteúdo extremo para atingir as cotas e, em seguida, amplificaram esse dano, forçando-os a assinar NDAs para que não pudessem discutir legalmente o que viram.

Ex-moderadores processam TikTok por trauma psicológico

“Os réus falharam em fornecer um local de trabalho seguro para os milhares de contratados que são os guardiões entre o conteúdo não filtrado, repugnante e ofensivo carregado no aplicativo e as centenas de milhões de pessoas que usam o aplicativo todos os dias”, afirma o processo. Alega que, apesar de conhecer os riscos psicológicos da exposição prolongada a tal conteúdo traumático, TikTok e ByteDance não fizeram nenhum esforço para fornecer “medidas de melhoria apropriadas” para ajudar os trabalhadores a lidar com o conteúdo extremo após o fato.

O processo descreve como os dois demandantes passaram 12 horas por dia revisando conteúdo radical e perturbador, incluindo “abuso sexual infantil, estupro, tortura, bestialidade, decapitações, suicídio e assassinato”. Além do conteúdo gráfico, o processo descreve como Velez e Young também foram repetidamente expostos a discursos de ódio e teorias da conspiração que também tiveram um impacto negativo em seu bem-estar mental. Outro moderador de conteúdo do TikTok, Candie Frazier, entrou com um processo semelhante em dezembro , embora a NPR relate que o caso não está mais em andamento.

Ex-moderadores processam TikTok por trauma psicológico
Ex-moderadores processam TikTok por trauma psicológico. Imagem: MyMob

O novo processo do TikTok segue os passos de uma ação coletiva que a mesma equipe jurídica moveu contra o Facebook em 2018. A empresa encerrou o processo dois anos depois com um acordo para pagar US$ 52 milhões a mais de 11.000 moderadores que lutavam com a saúde mental como resultado do conteúdo que eram encarregados de classificar diariamente.

Via Techcrunch

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.