in

Facebook não elimina nem verifica a veracidade das mensagens de políticos

Tudo em nome da liberdade de expressão.

O Facebook não elimina nem verifica a veracidade das mensagens de políticos, mesmo que eles violem as políticas de redes sociais. A maior preocupação de Mark Zuckerberg, depois do que aconteceu em 2016 com a eleição de Trump, é no próximo ano de 2020, quando os americanos terão que reeleger o presidente da nação. Em uma declaração emitida por Nick Clegg , vice-presidente do Facebook e ex-vice-primeiro-ministro britânico, o Facebook explicou seus planos de combater a interferência eleitoral. Entre as medidas mais controversas que analisou é que não aplicará o programa de verificação de terceiros a discursos de políticos, que serão considerados de interesse geral.

Da mesma forma, a empresa reafirmou sua posição de não eliminar mensagens, imagens ou vídeos de políticos de sua plataforma, mesmo que as normas da comunidade sejam violadas, uma vez que consideram o conteúdo que geralmente deve ser visto e ouvido.

Facebook não quer ser um árbitro das eleições

Facebook

Na declaração, o Facebook reafirma sua posição de usar equipes de verificadores para reduzir notícias falsas.

No entanto, eles argumentam que não é um papel apropriado para nós arbitrar debates políticos e impedir que o discurso de um político chegue ao seu público e seja sujeito a debate e escrutínio público. É por isso que excluímos os políticos do nosso programa.” verificação de terceiros.

O que o Facebook fará será usar as informações de seus verificadores para marcar como falsa ou imprecisa uma publicação política que contém conteúdo revisado anteriormente por essas equipes. Além disso, o que eles não permitem é que o conteúdo que viola as regras do Facebook possa ser promovido em anúncios. Isto é o que Clegg adiciona no final da declaração:

Eu sei que algumas pessoas dirão que devemos ir além. Que estamos errados ao permitir que os políticos usem nossa plataforma para dizer coisas desagradáveis ou fazer alegações falsas. Mas imagine o contrário.

Seria aceitável para a sociedade em geral que uma empresa privada se tornasse um árbitro autoproclamado por tudo o que os políticos dizem? Eu não acho que é. Nas democracias abertas, os eleitores acreditam com razão que, em regra, deveriam poder julgar o que dizem os políticos.

Facebook não elimina nem verifica a veracidade das mensagens de políticos em nome da liberdade de expressão

Todo o discurso do Facebook, neste caso, tem a ver com liberdade de expressão. Esses são os mesmos argumentos que o Twitter usou há alguns meses para estabelecer a mesma política de não para eliminar conteúdo de interesse geral, embora viole as políticas da plataforma.

Como sempre, por um lado, os políticos devem dar o exemplo e ser capazes de cumprir plenamente as normas de uma rede social. Porém, por outro lado, não devem permitir que sejam eles mesmos a censurar o comportamento que representa os eleitores. Onde, de acordo com Clegg, muito esforço está sendo feito é impedir vídeos falsos nos quais os políticos dizem coisas que não foram pronunciadas por eles mesmos.

Fonte: Genbeta