in

GitHub troca termo “master” para evitar referências à escravidão

Usuários questionam outros nomes como slave.

A onda de protestos pelas ruas dos Estados Unidos e de vários países do mundo chega também à internet. Tanto assim que até mesmo plataformas vão substituir termos considerados racistas. O GitHub, por exemplo,já anunciou a troca do termo “master” por outra alternativa para evitar referências à escravidão. Então, o MASTER (mestre, em inglês) será substituído por MAIN (principal) em uma tentativa de evitar referências desnecessárias à escravidão, disse seu CEO na sexta-feira.

O portal de hospedagem de códigos é apenas o mais recente de uma longa linhagem de empresas de tecnologia e projetos de código aberto que expressaram apoio à remoção de termos que podem ser ofensivos para desenvolvedores na comunidade negra. Isso inclui a exclusão de termos como “master” e “slave” para alternativas como “”main/default/primary” e “secondary”. Da mesma forma, serão trocados termos como “blacklist” e “whitelist” para “allow list” e “deny/exclude list.”

A preocupação é que o uso continuado desses termos pesados possa prolongar os estereótipos raciais. “Essa terminologia não apenas reflete a cultura racista, mas também serve para reforçá-la, legitimá-la e perpetuá-la”, escreveram acadêmicos em um jornal de 2018.

Protestos do BLM incentivaram mudança do GitHub em relação ao racismo

GitHub troca termo "master" para evitar referências à escravidão

Agora, estimulada pelos protestos do Black Lives Matter nos EUA, a comunidade de tecnologia está se empenhando novamente em remover essa linguagem do código-fonte, aplicativos de software e serviços on-line. A biblioteca PHPUnit e o utilitário de download de arquivos Curl declararam sua intenção de substituir a lista negra/lista branca por alternativas neutras.

Da mesma forma, o gerenciador de armazenamento de arquivos OpenZFS também substituiu seus termos de mestre/escravo usados para descrever as relações entre ambientes de armazenamento por outros mais adequados.

Gabriel Csapo, engenheiro de software do LinkedIn, disse no Twitter nesta semana que ele também está enviando solicitações para atualizar muitas das bibliotecas internas da Microsoft e remover quaisquer frases com conotações raciais. Outros projetos que não usam construções do tipo no código-fonte ou na interface do usuário estão agora analisando seus repositórios de código-fonte.

A maioria desses projetos gerencia seu código-fonte por meio do software Git ou do portal on-line do GitHub (que fornece hospedagem de código-fonte baseado em Git). O Git e o GitHub usam o termo “mestre” para a versão padrão de um repositório de código-fonte. Os desenvolvedores dividem uma versão do “mestre” para criar versões secundárias, adicionam seu próprio código a esta versão padrão e mesclam suas alterações novamente no “mestre”.

Agora, vários projetos de código aberto estão mudando o nome de seu repositório Git padrão de “mestre” para alternativas como main, padrão (default), primário, raiz ou outro.

Por exemplo, o ZDNet descobriu que projetos como a biblioteca de software de criptografia OpenSSL, o software de automação Ansiblea linguagem de script PowerShell da Microsoft, a biblioteca JavaScript P5.js. e muitos outros estão tentando alterar o nome de seus repositórios de código-fonte padrão.

Milhões de projetos afetados pela mudança

A decisão tomou a comunidade de desenvolvimento de código aberto pela tempestade, tanto que até o próprio projeto Git agora está considerando uma mudança oficial. O assunto ainda está sendo levantado em sua lista de discussão e na seção Problemas do GitHub até que seja totalmente resolvido. Porém, o GitHub parece ter decidido seguir em frente, independentemente da decisão do Git.

O GitHub empresta seu apoio a esse movimento efetivamente garante que o termo seja removido em milhões de projetos e legitima efetivamente o esforço para limpar a terminologia de software iniciada neste mês. Mas, na realidade, esses esforços começaram anos atrás, em 2014, quando o projeto Drupal passou a substituir a terminologia “master/slave” por “primary/replica.”.

A mudança da Drupal foi seguida pela linguagem de programação PythonChromium (o projeto de navegador de código aberto na base do Chrome), o compilador Roslyn .NET da Microsoft e os sistemas de banco de dados PostgreSQL e Redis.

No entanto, apesar de alguns projetos bastante grandes serem realizados, os esforços para limpar a linguagem do software ao longo dos anos não foram amplamente adotados.

A maioria dos detratores e a explicação que frequentemente reaparece nessas discussões é que termos como mestre / escravo são agora mais amplamente usados para descrever cenários técnicos do que a escravidão real e que a palavra “lista negra” não tem nada a ver com negros, mas com a prática de usar livros negros na Inglaterra medieval para anotar os nomes de trabalhadores problemáticos para evitar contratações no futuro.

ZDNet