in

Hackers têm como alvo os principais funcionários da Organização Mundial da Saúde

A OMS costumava ter um alerta de segurança por mês, mas até agora em abril a organização recebeu oito.

As principais autoridades da Organização Mundial da Saúde estão sendo alvo de hackers, enquanto trabalham na resposta global à pandemia de coronavírus.

A equipe de segurança da OMS tem visto um número crescente de tentativas de ataques cibernéticos contra as autoridades desde meados de março, de acordo com o chefe de informações da organização, Bernardo Mariano. A própria OMS não foi invadida, mas as senhas dos funcionários vazaram por outros sites, disse ele.

Hackers têm como alvo os principais funcionários da Organização Mundial da Saúde

Em uma entrevista na terça-feira, Mariano disse que alguns dos ataques foram perpetrados por hackers de estados-nação. Os alvos incluem o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e Bruce Aylward, um enviado sênior da OMS que liderou uma equipe de resposta à COVID-19 na China.

Além disso, houve uma recente tentativa de invadir computadores operados por uma equipe de quatro funcionários da OMS na Coreia do Sul, bem como um incidente na semana passada que visava funcionários da sede da organização em Genebra, disse Mariano.

Mariano disse:

[Os hackers] estão procurando os alvos mais altos; os principais funcionários envolvidos no trabalho da COVID-19.

A equipe de segurança cibernética nunca esteve tão ocupada e tivemos que aumentar os recursos para tentar nos proteger e estar vigilantes.

Autoridades em Israel, União Europeia, Reino Unido e Suíça emitiram alertas à OMS nas últimas semanas sobre ataques cibernéticos em seus sistemas, assim como a Interpol e a Microsoft, acrescentou Mariano.

Hackers têm como alvo os principais funcionários da Organização Mundial da Saúde
Os hackers estão procurando os alvos mais altos; os principais funcionários envolvidos no trabalho da COVID-19.

OMS dobra o tamanho de sua equipe de segurança

A OMS costumava ter um alerta de segurança por mês, mas até agora em abril a organização recebeu oito das autoridades nacionais de segurança cibernética.

A equipe de Mariano concluiu que a OMS não havia sido invadida, mas que as senhas de alguns funcionários da OMS foram obtidas de outras violações de dados. Os funcionários podem ter usado o endereço de e-mail comercial para registrar uma conta em um site específico e, em seguida, esse site foi invadido, vazando sua senha.

Ele disse que nenhuma das senhas poderia ser usada para acessar sistemas internos sensíveis, como os de e-mail. Isso ocorre porque a organização possui um sistema de autenticação de dois fatores, o que significa que uma senha por si só não é suficiente para obter acesso.

Diante de ataques crescentes, a OMS dobrou o tamanho de sua equipe de segurança. Agora, ela está trabalhando com cinco empresas de segurança para reforçar suas defesas, disse Mariano.

Fonte: Yahoo! Finance