in

Malware FritzFrog ataca servidores Linux por SSH para minerar Monero

O malware já conseguiu se infiltrar em mais de 500 servidores.

Uma campanha chamada FritzFrog foi descoberta violando servidores Linux por SSH em todo o mundo. O ataque já conseguiu se infiltrar em mais de 500 servidores nos EUA e na Europa (universidades e uma empresa ferroviária).

O malware monta e executa a carga útil maliciosa inteiramente na memória, tornando-a volátil. Além disso, sua implementação P2P personalizada significa que não há um único servidor de comando enviando instruções. Portanto, é descentralizado e autossuficiente.

Malware FritzFrog ataca servidores Linux por SSH para minerar Monero

Apesar das táticas agressivas de força bruta empregadas pelo FritzFrog para violar servidores SSH, ele é estranhamente eficiente ao mirar uma rede de maneira uniforme. A empresa Guardicore Labs tem monitorado o FritzFrog nos últimos meses. A empresa afirma:

Começamos a monitorar a atividade da campanha, que aumentou de forma constante e significativa com o tempo, atingindo um total de 13 mil ataques à Rede de Sensores Globais da Guardicore (GGSN). Desde sua primeira aparição, identificamos 20 versões diferentes do binário FritzFrog.

Malware FritzFrog ataca servidores Linux por SSH para minerar Monero
Uma campanha chamada FritzFrog foi descoberta violando servidores Linux por SSH em todo o mundo. O FritzFrog é um worm e um botnet que tem como alvo os setores de governo, educação e finanças. Imagem: Guardicore Labs.

Para entender melhor o FritzFrog e seus recursos, a Guardicore Labs projetou um interceptor escrito em Golang, chamado frogger, que poderia participar do processo de troca de chaves do malware e receber e enviar comandos.

O relatório afirma:

Este programa, que chamamos de frogger, nos permitiu investigar a natureza e o escopo da rede.

Foi assim que a Guardicore Labs deduziu que a campanha de malware teve acesso forçado a milhões de endereços IP SSH pertencentes a instituições como centros médicos, bancos, empresas de telecomunicações, organizações educacionais e governamentais.

FritzFrog e seus recursos

Uma vez na memória volátil de uma máquina de destino, o malware gera vários threads que, por sua vez, facilitam a replicação, implantação e crescimento do malware.

Além disso, o FritzFrog elimina a competição com seu thread “Antivir”, tentando matar os processos de uso intensivo da CPU que têm referências a “XMR” (Monero). Isso porque ele tem uma agenda própria: implantar uma thread “libexec” no sistema, que é um criptominerador Monero.

Com tais recursos avançados e autocontidos, o FritzFrog é, portanto, um worm e um botnet. Além disso, quando analisado pelos pesquisadores do Guardicore Labs, o malware é único devido à sua natureza distribuída.

Fonte: Bleeping Computer

Malware Emotet volta a atacar após cinco meses de ausência

Malware Drovorub acende sinal amarelo para segurança no Linux

Pesquisadores descobrem falha no malware Emotet e criam vacina para neutralizá-lo