Mozilla diz aos desenvolvedores que extensões do Firefox estarão disponíveis em dispositivos móveis

Claylson Martins
5 minutos de leitura

A Fundação Mozilla anunciou aos desenvolvedores de extensões que em breve estas deverão funcionar também em dispositivos móveis, especialmente quando o aparelho rodar Android. Portanto, em outras palavras, a Mozilla diz aos desenvolvedores que extensões do Firefox estarão disponíveis em dispositivos móveis. Assim, os complementos do Firefox estarão em breve no Android. Isso deve ocorrer em algum momento após o lançamento esperado em 21 de novembro da versão 120 do navegador.

Esta semana, a organização pediu aos desenvolvedores que avaliassem seu código de extensão em preparação para a ocasião, já que se espera muita demanda.

“Prevemos um grande interesse dos usuários entusiasmados em explorar todas as novas maneiras de personalizar o Firefox para Android”, disse Scott DeVaney, gerente editorial da equipe de complementos do Firefox, em um post online. “As tendências atuais indicam que teremos pelo menos mais de 200 novas extensões do Firefox para Android no AMO [addons.mozilla.org] quando a disponibilidade aberta for lançada em dezembro.”

Mozilla diz aos desenvolvedores que extensões do Firefox estarão disponíveis em dispositivos móveis

A Mozilla tem trabalhado nessa ideia pelo menos desde 2019, quando Vesta Zare, líder de estratégia de produto do Firefox Mobile, sugeriu a ideia em uma postagem no repositório GitHub para Fenix, uma versão revisada do Firefox para Android.

Mas o progresso foi lento e houve preocupações com a segurança, uma questão incómoda quando se trata de extensões. Permitir que usuários do Firefox para Android baixem e instalem extensões que não foram completamente revisadas representa um risco, especialmente dada a sensibilidade dos dados armazenados nos telefones (por exemplo, cartões de pagamento e dados pessoais). No ecossistema de desktop, as extensões de navegador têm sido uma fonte frequente de malware e abuso.

Mozilla diz aos desenvolvedores que extensões do Firefox estarão disponíveis em dispositivos móveis

Mesmo com os riscos de segurança, a extensibilidade dos navegadores web é uma das características definidoras da web aberta. Ao contrário das tecnologias de exibição passiva, como as televisões, o navegador permite que os usuários desempenhem um papel ativo na forma como o conteúdo é processado e apresentado.

Ideia não agrada o Google

Esta liberdade não agrada inteiramente aos fornecedores de conteúdos online. Há anos que os editores da Web pedem aos visitantes do site que desativem as extensões de bloqueio de anúncios, uma medida que o YouTube tomou recentemente em vigor.

O Google, que fabrica o navegador mais popular do momento, o Chrome, atualmente não oferece suporte a extensões do Chrome para Android. As pessoas especulam que o Google não faz isso porque os usuários do Android bloqueariam anúncios, um conhecido motivo de preocupação para a gigante da publicidade.

No entanto, a revisão contínua do Google de sua arquitetura de extensão do Chrome, conhecida como Manifest v3, visa tornar as extensões menos exigentes em termos de recursos da CPU e menos dependentes de processos persistentes. Isso tornaria as extensões do Manifest v3 mais adequadas para dispositivos móveis, se o Google decidisse adicionar suporte a extensões no Chrome para Android para evitar ser deixado para trás pelos concorrentes. É importante notar que Apple, Mozilla e Microsoft planejam oferecer suporte ao Manifest v3, com algumas variações, em seus respectivos navegadores.

O navegador móvel Yandex, popular na Rússia, adicionou suporte para extensões no Android em 2016 e outros navegadores baseados em Android, como o Kiwi, fizeram o mesmo. Entre os maiores fabricantes de navegadores, a Mozilla conseguiu lançar suporte para um conjunto limitado de extensões recomendadas para Firefox no Android em janeiro de 2021. Mas a Apple conseguiu uma implementação mais ampla quando introduziu suporte para extensões Safari no iOS 15 em setembro de 2021.

A Mozilla mencionou a extensibilidade do navegador em sua visão para a web para 2022 e sugeriu alguns dos desafios que impediram a organização de implementar extensões de navegador móvel mais cedo.

“Os complementos têm acesso a recursos muito mais poderosos do que os sites, o que os torna claramente nada casuais”, disse a empresa. “Isso requer algum grau de controle e curadoria para manter as pessoas protegidas contra complementos maliciosos. Estamos explorando maneiras de reduzir esse atrito, mas, em última análise, precisamos exercer algum grau de supervisão para equilibrar abertura, agência e segurança para extensões de navegador.”

Um ano e meio depois, o Firefox para Android está quase pronto para corresponder à visão web da Mozilla. 

Fonte

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.