in

O aplicativo de detecção de coronavírus da China está compartilhando dados de cidadãos com a polícia

A China está usando suas proezas de vigilância e monitoramento de alta tecnologia para identificar pessoas possivelmente afetadas pelo vírus.

No mês passado, a China lançou um aplicativo para as pessoas testarem se estavam em “contato próximo” com pessoas expostas ao coronavírus. O jornal New York Times (NYT) informou que o aplicativo atribui um código de cores aos usuários. Embora o código seja visível para as pessoas que usam o aplicativo, ele também compartilha esses dados com a polícia.

O sistema, desenvolvido pelo popular aplicativo de pagamento do Alibaba, o Alipay, está em uso em mais de 200 cidades. As pessoas podem digitalizar um código QR para obter uma etiqueta verde, amarela ou vermelha. A etiqueta verde significa que você está saudável e pode percorrer a cidade sem restrições, amarelo significa quarentena de sete dias e vermelho significa quarentena de 14 dias.

O aplicativo de detecção de coronavírus da China está compartilhando dados de cidadãos com a polícia

O NYT estudou o código do aplicativo e descobriu que ele envia a localização de uma pessoa, o nome da cidade e um número de código de identificação para um servidor que supostamente pertence às autoridades. O aplicativo compartilha esses dados com o servidor toda vez que alguém verifica o código. Portanto, isso facilita que as autoridades rastreiem os movimentos de alguém. Embora seja comum as empresas de tecnologia na China compartilharem os dados com o governo, esse método direto estabelece um novo precedente.

O aplicativo de detecção de coronavírus da China está compartilhando dados de cidadãos com a polícia
A empresa SenseTime desenvolveu um algoritmo que pode detectar rostos mesmo quando as pessoas estão usando máscaras. Imagem: Reprodução | The Next Web.

Não há muitos detalhes sobre como esses códigos são atribuídos. Especulativamente, a China está usando suas proezas de vigilância e monitoramento de alta tecnologia para identificar pessoas possivelmente afetadas pelo vírus.

De acordo com um relatório da empresa TechNode, vários usuários apontaram que membros da mesma família que estavam isolados juntos obtiveram resultados diferentes. Portanto, é difícil confiar completamente no aplicativo.

À medida que a situação na China piora a cada dia, o governo chinês está se esforçando para rastrear as pessoas possivelmente afetadas pelo COVID-19. Nos primeiros dias do surto, as máscaras de segurança enganavam os sistemas de reconhecimento facial, o que dificultava a capacidade do governo de rastrear as pessoas.

No mês passado, o gigante chinês de buscas Baidu tornou open source seu modelo de inteligência artificial para identificar pessoas sem máscaras. Por outro lado, uma empresa de inteligência artificial da China, a SenseTime, desenvolveu um algoritmo que pode detectar rostos mesmo quando as pessoas estão usando máscaras.

Fonte: The Next Web