O que aconteceu com o tocador de mídia Real Player?

Programa ainda existe com versões paga e gratuita.

Claylson Martins
6 minutos de leitura

Nos primeiros anos da internet para usuários em geral, um aplicativo fez bastante sucesso por ser uma das poucas alternativas para streaming ao vivo de vídeos e sons: o saudoso RealPlayer. Então, o que aconteceu com o tocador de mídia Real Player? Importante dizer que ele ainda está ativo, com versões gratuita e paga até os dias atuais.

Hoje todos os usuários de aplicativos multimídia sabem o que é ‘streaming’. No entanto, voltemos a 1995, quando tudo isso engatinhava e a maioria dos usuários tinha conexões discadas à internet de, no máximo, 56k. Foi neste contexto que surgiu o RealPlayer.

De fato, foi em 1995 que foi transmitido o primeiro evento esportivo ao vivo, um jogo de beisebol entre o NY Yankees e o Seattle Mariners. E foi feito, claro, através do RealPlayer.

Naquela pré-história da Internet, o RealPlayer e o formato *.rm (RealMedia) rapidamente se tornaram o principal meio que permitia, graças aos seus codecs de compressão proprietários, os usuários reproduzirem conteúdo hospedado na nuvem em qualquer lugar. No entanto, embora quem gostasse de navegar na Net acabasse instalando-o uma vez ou outra, não foi a revolução que seus criadores esperavam.

Entretanto, a maioria dos usuários ainda tinha conexões muito lentas (modems de 56K, nada menos). Isso era insuficiente para poder aproveitar (ou mesmo imaginar) todo o potencial dessa nova tecnologia. Por conta disso, o RealPlayer ficou longe de se tornar um YouTube ou Spotify daquela época. Nem mesmo conseguiu competir com iTunes e Windows Media Player. 

O que aconteceu com o tocador de mídia Real Player?

Além disso, só porque o RealPlayer estava presente em muitos PCs (e Macs) não significa que era um software particularmente apreciado: se você não tivesse sorte, poderia gastar mais tempo lendo ‘Buffering’ na janela do aplicativo do que exibindo o conteúdo desejado e falhava com frequência (e para piorar, costumava ser acompanhado por mensagens de erro enigmáticas que nunca permitiam entender onde estava o problema).

Por um tempo, o RealPlayer mudou seu nome para RealOne Player e ostentou essa interface.

Além disso, ao longo do tempo foi alvo de diversas polêmicas relacionadas a questões de privacidade (por um tempo, o player atribuía um ID único a cada usuário e enviava informações ao Real sobre as músicas que ouvia) e a instalação de softwares indesejados .

Além disso, seus rivais também não ficaram parados: quando as conexões ADSL se popularizaram e talvez tenha chegado a hora do RealMedia ter sucesso, o Adobe Flash se preparou para se tornar uma alternativa no campo do streaming : Netflix e YouTube, por exemplo , com base nessa tecnologia e não na Real para lançar as bases de seus portais web de sucesso.

Com isso, e com as melhorias introduzidas pela Microsoft em seu Windows Media Plater, iniciou-se um lento processo de declínio do RealPlayer, que aos poucos deu aos usuários menos motivos para instalar seu aplicativo. No entanto, hoje ele ainda existe e qualquer pessoa pode baixar este player, na época visionário, mas sem sucesso, e hoje absolutamente genérico e com pouco a oferecer (pelo menos em sua versão gratuita).

O mais curioso, por ter sido quem colocou o conceito de reprodução em streaming no mapa, é que agora vende como grande atrativo sua função (premium) de baixar vídeos online para o disco rígido (do YouTube, Facebook, TikTok , Vimeo e Similar).

A primeira página do site RealPlayer, hoje

A história da RealNetworks e seu criador

Se você fizer uma pesquisa rápida no Google, descobrirá que o RealPlayer é um produto da RealNetworks, desenvolvedores de outros produtos de tecnologia como Helix, Kontxt e SAFR.

No entanto, em 1994, a empresa foi fundada por Rob Glaser (que ficou rico durante seu tempo como gerente da Microsoft) sob o nome de Progressive Networks (Redes Progressivas), pois tinha o objetivo de se tornar um canal de distribuição de conteúdo político. Embora tenha decidido rapidamente permanecer um fornecedor de software multimídia ‘neutro’, não mudou seu nome até seu IPO em 1997.

Glaser teve que renunciar ao cargo de CEO da empresa em 2010, por seu papel na severa surra judicial que a empresa levou, forçada a pagar 4,5 milhões de dólares após se envolver em um confronto com a indústria cinematográfica. Isso ocorreu por larnçar um softtware que permitia que os DVDs fossem copiados para o disco rígido (RealDVD) e planejava comercializar um aparelho de DVD player que permitiria que até 70 filmes fossem copiados e armazenados dentro dele.

De acordo com Steve Banfield, ex-vice-presidente de relacionamentos estratégicos da RealNetworks,

O Real poderia ter sido o YouTube. O Real poderia ter sido o líder absoluto em publicidade em vídeo digital, o líder em publicidade móvel. Por que o Real não criou o Netflix? Rob é realmente um cara legal, um cara super esperto. O problema é que ele se concentra em sua própria visão, deixando de ouvir os outros. Se ele tivesse ouvido os outros ao longo dos anos, talvez a empresa pudesse ter feito muitas coisas diferentes.

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.