in

Supercomputador da IBM identifica 77 compostos que podem combater o coronavírus

O Summit realizou simulações em mais de 8.000 compostos, procurando moléculas que poderiam inativar o vírus.

Agora você pode combater o coronavírus no seu smartphone ou Raspberry Pi
Imagem: Reprodução | Extreme Tech.

O supercomputador Summit há muitos anos tem mais poder computacional do que qualquer outro sistema não distribuído. O Departamento de Energia dos EUA anunciou no início deste mês que voltaria o enorme poder computacional do sistema para a pandemia de COVID-19. Portanto, o supercomputador da IBM já está analisando os números e agora identificou 77 compostos químicos que podem ajudar a interromper o coronavírus.

Supercomputador da IBM identifica 77 compostos que podem combater o coronavírus

O Summit é o supercomputador mais poderoso da Terra por uma ampla margem e também é o terceiro com maior eficiência energética. Ele usa 10 MW de energia para manter suas 9.216 CPUs POWER9 de 22 núcleos e 27.648 GPUs Nvidia Tesla V100 em funcionamento. Além disso, ele tem um desempenho teórico máximo de mais de 200 petaflops e demonstrou 148,6 petaflops na prática enquanto operava no Laboratório Nacional de Oak Ridge.

O alvo do enorme poder computacional do Summit é uma proteína específica na superfície do vírus. Como outros vírus, o SARS-CoV-2 precisa infectar as células para fazer cópias de si mesmo, e isso é feito com a ajuda da proteína Spike.

O Summit realizou simulações em mais de 8.000 compostos, procurando moléculas que poderiam inativar o vírus. Os primeiros resultados do Summit identificaram 77 compostos que poderiam se ligar à proteína Spike, impedindo que ela se ligasse às células humanas.

Supercomputador da IBM identifica 77 compostos que podem combater o coronavírus
Supercomputador SUMMIT. Imagem: Reprodução | Tech Spot.

Infelizmente, o Summit não pode planejar um tratamento por si só. Todo esse poder de processamento é excelente para simular interações moleculares, mas não é ideal para o processo de análises clínicas. Tudo o que sabemos agora é que essas 77 moléculas têm uma boa chance de impedir que a proteína Spike se ligue às células. Ainda assim, nem sabemos se os compostos que o Summit identificou são seguros para uso em seres humanos.

Por fim, as autoridades médicas precisarão avaliar os compostos e realizar testes de laboratório, o que pode levar a testes clínicos em seres humanos. Isso é apenas parte de nossos esforços para diminuir a propagação da COVID-19. Infelizmente, as vacinas são muito mais difíceis de desenvolver.

Fonte: Extreme Tech

Escrito por Leonardo Santana

Profissional da área de manutenção e redes, astrônomo amador, eletrotécnico e apaixonado por TI desde o século passado.

Microsoft e Collabora trabalhando para mapear o OpenGL/OpenCL pelo DirectX 12

Microsoft e Collabora trabalhando para mapear o OpenGL/OpenCL pelo DirectX 12

Lemur Pro: laptop Linux mais leve da System76 a partir de US $ 1.099

Lemur Pro: laptop Linux mais leve da System76 a partir de US $ 1.099