in

SUSE sugere o desktop Linux para home office

Como muitos administradores de sistemas estão descobrindo para seu desespero, tentar gerenciar trabalhadores de casa em uma mistura selvagem de PCs com Windows mais antigos não é nada divertido. Portanto, o SUSE tem uma sugestão: a área de trabalho do Linux.

SUSE sugere o desktop Linux para home office

Qual sua reação ao ter de trabalhar em casa e, se você for um administrador do sistema, descobrir que muitos de seus usuários domésticos ainda estão executando o Windows 7 ou Windows XP? O ideal seria enviar até eles laptops com Windows 10 ou fazer logon com todos os serviços de área de trabalho remota (RDS) do Windows, mas não há orçamento de TI suficiente para isso. O que você vai fazer? O SUSE tem uma sugestão: troque imediatamente para o SUSE Linux Enterprise Desktop (SLED).

Se você acha meio óbvio por se tratar de uma empresa que vive de Linux, pense de novo. Embora possua versões gratuitas, o foco é atuação em servidores Linux e daí vem o lucro da empresa. Depois, ainda há também diversificação  para o setor de nuvem, contêineres e ainda em Kubernetes. Portanto, a área de trabalho do Linux está em segundo plano. Até a Canonical,  com seu desktop Ubuntu – talvez o primeiro nome nos desktops Linux para negócios atualmente – está respondendo à demanda de desktops Linux  e, na verdade, não a comercializando para os clientes.

Hoje, o desktop Linux é impulsionado principalmente por desenvolvedores e fãs. Desktops Linux mais populares, como MX LinuxManjaro e Linux Mint, são comunitários e não corporativos.

SUSE sugere o desktop Linux para home office

SUSE sugere o desktop Linux para home office

Contudo, então, veio o coronavírus e a súbita corrida das pessoas para trabalhar em casa, e o SUSE rapidamente descobriu que havia um mercado novo e mal atendido para o desktop Linux: empresas com pouco recursos necessários para manter seus negócios funcionando. Assim, o departamento de TI e os usuários precisaram se virar com o que já têm em mãos.

Especificamente, os gerentes de TI enfrentam os seguintes problemas:

  • Gargalos de hardware: o mercado dificilmente pode atender à crescente demanda por hardware apropriado. Os notebooks comerciais ou computadores de mesa para um grande número de usuários de escritórios domésticos geralmente não estão disponíveis a curto prazo.
  • Orçamentos limitados: em muitas organizações, não há orçamento para a aquisição não planejada de hardware e licenças. As organizações também apresentam um alto risco de investimento, pois ainda não é possível prever por quanto tempo o equipamento adicional será necessário.
  • Pressão do tempo: todos os dias contam. Quanto mais tempo leva para os funcionários do escritório em casa poderem trabalhar produtivamente novamente, maiores serão as perdas para a empresa.
  • Segurança: os funcionários do escritório em casa devem se conectar à rede da empresa com segurança e sem a necessidade de hardware ou software especializado e, portanto, caro.

Open source é a solução

A resposta, escreveu Joachim Werner, gerente sênior de produtos da SUSE para gerenciamento de sistemas, é superar esses desafios com software de código aberto. Especificamente, a SUSE reuniu o SUSE Home Office Workplace. Essa é uma maneira de implantar estações de trabalho domésticas de curto prazo usando o SLED, o SUSE Linux Enterprise Server (SLES) e o SUSE Manager.

Com isso, você pode rapida e facilmente colocar sua equipe remota de volta ao trabalho usando aplicativos de código aberto integrados, como o pacote LibreOffice. Entretanto, também ainda usa aplicativos do Microsoft Office 365 por meio de um navegador da Web e se conecta a áreas de trabalho virtuais da Microsoft.

O SUSE não está tentando convertê-lo em um desktop Linux puro; está usando a área de trabalho do Linux para permitir que seus funcionários locais realizem o trabalho usando o SLED no seu PC sem os programas mais modernos presentes no Windows.

Como Werner afirmou:

Os sistemas operacionais Linux têm bom desempenho, mesmo em hardware com poucos recursos do sistema. Isso facilita para as empresas transformarem seus PCs e notebooks descartados em dispositivos seguros para usuários de escritórios domésticos. Você pode até executar o SUSE Linux Enterprise Server for Arm em um Raspberry Pi.

Para gerenciar esses usuários, você usa o SUSE Manager. Este programa fornece instalação e criação automáticas de imagens de disco e fornece gerenciamento de configuração centralizado de todos os clientes.

Os administradores também obtêm uma visão geral completa de todas as atualizações e patches necessários. Se você precisar de mais estações de trabalho remotas e servidores virtuais, poderá implementá-las no data center com o KVM do SLES e o programa de virtualização embutido no Linux.

O SUSE está oferecendo o seguinte no SUSE Home Office Workplace:

  • Implantação rápida de estações de trabalho de escritório doméstico com SLED e SLES para Arm para o Raspberry Pi
  • OpenVPN integrado para conectar usuários remotos com segurança à empresa
  • Configuração central e gerenciamento de imagens com o SUSE Manager

E quanto isso vai custar? Zero. O pacote vem com uma avaliação gratuita de 60 dias de todos os programas. Depois disso, você paga apenas pelos sistemas que realmente usa pelo modelo de assinatura do SUSE.

Da mesma forma, para obter mais informações sobre o local de trabalho do SUSE Home Office, consulte o Guia de Início Rápido do SUSE. Então, se houver dúvidas basta contactar a SUSE neste endereço web.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.