in

TIM proíbe Huawei de licitação de equipamentos 5G na Itália e no Brasil

O governo dos EUA instou seus aliados a excluir a Huawei.

TIM proíbe Huawei de licitação de equipamentos 5G na Itália e no Brasil
Crédito da imagem: Daniel Leal-Olivas | AFP.

A TIM excluiu a Huawei da China de uma licitação para equipamentos 5G para a rede principal que está se preparando para construir na Itália e no Brasil. Por outro lado, a lista de fornecedores convidados inclui Cisco, Ericsson, Nokia, Mavenir e Affirmed Networks.

A medida ocorre em meio a relatos de que a Itália está pensando em excluir a Huawei de sua rede 5G. Acima de tudo, há preocupações de que a China possa espionar a infra-estrutura de telecomunicações ocidental.

A Huawei disse:

A segurança e o desenvolvimento da Itália digital devem se basear em uma abordagem baseada em fatos e não em alegações infundadas.

TIM proíbe Huawei de licitação de equipamentos 5G na Itália e no Brasil

O governo dos EUA instou seus aliados a excluir a Huawei, para que possa pressionar a China a ceder às suas demandas comerciais.

A Huawei não participou da construção da rede principal existente da TIM na Itália. Além disso, a exclusão pode marcar uma mudança de rumo para a TIM no Brasil, onde a Huawei forneceu equipamentos 4G para a rede principal da unidade local da TIM. Ao mesmo tempo, a Huawei conduziu com sucesso testes 5G com todas as principais operadoras do Brasil, incluindo a TIM Brasil. Além disso, está ajudando-as a modernizar sua infra-estrutura antes de um leilão de espectro 5G.

TIM proíbe Huawei de licitação de equipamentos 5G na Itália e no Brasil
O governo dos EUA instou seus aliados a excluir a Huawei das comunicações de próxima geração do ocidente, para que possa pressionar a China a ceder às suas demandas comerciais.

Outra licitação para compra de equipamentos 5G deve ser realizada no Brasil assim que as novas frequências forem leiloadas pelo governo, o que deve ocorrer no próximo ano.

Um executivo da Huawei alertou que o Brasil poderá sofrer anos de atraso na implantação da rede 5G e custos mais altos; em outras palavras, se o Brasil sucumbir à pressão dos EUA de desprezar o fornecedor chinês.

Fonte: Fudzilla

Escrito por Leonardo Santana

Profissional da área de manutenção e redes, astrônomo amador, eletrotécnico e apaixonado por TI desde o século passado.