O que adianta ser a maior colaboradora de código aberto, se os desenvolvedores ainda não se importam?

A Microsoft é a maior colaboradora de código aberto do mundo, pelo menos, conforme medido pelo número de funcionários que contribuem ativamente para projetos de código aberto no GitHub.

Na verdade, a Microsoft tem o dobro de colaboradores que o segundo maior colaborador, o Google. Apesar disso, os desenvolvedores da pesquisa mais recente da DigitalOcean descobriram que o Google, e não a Microsoft é duas vezes mais amigável ao open source.

O Google é um grande contribuinte do código aberto e tem sido há anos. Desde o Google Summer of Code e até suas contribuições para o MySQL e uma série de projetos, que o Google tem contribuído.

Recentemente, aumentou sua participação mais ainda com contribuições no projeto Kubernetes e do TensonFlow, cada um deles conseguindo um enorme valor para uma ampla faixa da população de programadores.

Ainda mais impressionante foi o Google gerenciar esses projetos de forma que tornaram-se verdadeiros esforços da comunidade.

Não surpreende, que 53% dos mais de 4300 desenvolvedores pesquisados acreditam que o Google “abraça mais o código aberto”. A Microsoft por sua vez, obteve menos da metade dos votos, com 23%. O Facebook teve 10% e a Amazon com 4%, e em último a Apple com 1%. Ainda assim, a Microsoft também contribuiu com “um tesouro” de código aberto. Seria fácil supor que os desenvolvedores simplesmente não sabem sobre os projetos de código aberto da Microsoft, mas como Brian Rinaldi destacou, uma grande porcentagem de desenvolvedores vive no código do Visual Studio da Microsoft.

Velhas percepções morrem

Bem, alguns sugeriram que o novo amor da Microsoft pelo código aberto é de interesse próprio. O engenheiro Jeff Schroeder, por exemplo, observou:

A Microsoft tem desenvolvedores produtivos de kernel Linux, mas principalmente apenas para o Hyper-V, que faz o Linux rodar muito bem no Azure. Muitas de suas contribuições são da Amazon, isso acaba não gerando tanta boa vontade quanto o TensorFlow ou o Kubernetes.

É provavel que isso seja verdade, embora todos os códigos abertos corporativos sejam da mesma forma egoístas. O Google não está dando o Kubernetes como doces de Haloween – existe um propósito estratégico para isso.

A percepção deixa a Microsoft como inimiga de todas as coisas de código aberto existentes”. disse Steven Vaughan-Nichols.

Ainda é legal odiar a Microsoft. Quase um distintivo de honra. Escrevi uma resposta ao Quora sobre o sucesso do Linux por razões comerciais e atraí comentários muito furiosos.” comentou Mathew Lodge.

Apesar de anos de bom comportamente, em outras palavras, os desenvolvedores se apegam a uma versão desatualizada da Microsoft. Isso quase certamente melhorará com o tempo, mas, por enquanto, a Microsoft está tendo que trabalhar duas vezes mais para conquistar sua reputação junto aos desenvolvedores.

A boa notícia é que a empresa parece totalmente comprometida em fazer exatamente isso pelo tempo que for necessário. Está apostando seu futuro como uma empresa de plataforma para transformar essas percepções dos desenvolvedores.

Fábio Trentino
Estudante de Gestão em Tecnologia da Informação na Universidade Centro Universitário Central Paulista - UNICEP - São Carlos - SP

    Como instalar o Stoq, software de gestão comercial, no Ubuntu, Linux Mint e derivados

    Previous article

    Vulnerabilidades críticas são encontradas no WooCommerce

    Next article

    You may also like

    More in Linux