in

ARM vive fase de incertezas após compra pela Nvidia

Sentado no início de uma janela de 18 meses para possivelmente mudar para a Nvidia, o futuro da gigante do design de chips é extremamente nebuloso.

ARM vive fase de incertezas após compra pela Nvidia

Quando a Nvidia anunciou sua intenção de comprar a Arm em um negócio de $ 40 bilhões de dólares, isso marcou o início de um processo que deve demorar pelo menos 18 meses. Ao final deste prazo, a Arm deixa de pertencer ao SoftBank e passa às mãos da Nvidia. Esse período, mesmo para uma grande transação, é muito tempo, de acordo com o analista vice-presidente do Gartner, Alan Priestley.

Eles obviamente esperam desafios. Em todo esse tempo, muito pode acontecer na indústria [de semicondutores], disse ele. Muita coisa pode acontecer neste mundo em 18 meses, então o mercado pode ser drasticamente diferente no final desse período fechado.

Toda a crise em torno da Arm começou devido ao bloqueio dos Estados Unidos contra a China. Essa guerra comercial e tecnológica impactou a Huawei e, consequentemente, a aquisição de produtos Arm pela chinesa. Desta vez, porém, o acordo Nvidia-Arm precisa da aprovação de Pequim, a mesma Pequim que usou seu porta-voz estatal para classificar de gangster a maneira como o governo Trump lidou com TikTok.

“A segurança nacional se tornou a arma preferida de Washington quando deseja conter a ascensão de quaisquer empresas de países estrangeiros que estejam superando seus pares nos Estados Unidos”, disse o China Daily.

“A China não tem razão para dar luz verde a tal acordo, que é sujo e injusto e baseado em intimidação e extorsão. Se os EUA conseguirem o que querem, continuarão a fazer o mesmo com outras empresas estrangeiras. Demandas irracionais dos EUA significariam a ruína da empresa chinesa ByteDance.”

ARM vive fase de incertezas após compra pela Nvidia. China deve barrar aquisição

ARM vive fase de incertezas após compra pela Nvidia

Portanto, a China pode ser um empecilho importante nesta aquisição da ARM. O país já atrapalhou pelo menos um grande negócio. A Qualcomm desistiu em 2018 de sua aquisição da NXP por US$ 47 bilhões.

No rastro imediato do anúncio de aquisição, no entanto, o CEO da Nvidia, Jensen Huang, indicou que esperava a aprovação de Pequim após um envolvimento bem-sucedido com os reguladores chineses em seu acordo de US$ 7 bilhões com a Mellanox, e também devido ao fato de Arm continuar baseado fora do Reino Unido.

Com relação à China, o que é importante perceber é que a propriedade da empresa  não é a questão relevante. A origem é o fator relevante no controle de exportação. O IP da Arm foi originado, criado, desenvolvido ao longo de três décadas em Cambridge, disse Huang.

A origem da tecnologia não mudará. E, como resultado, o fato de a Arm agora pertencer a uma empresa americana em vez de uma empresa japonesa, isso não altera o controle de exportação de forma alguma.

Porém, para Priestley, o negócio da Mellanox é bem diferente porque não havia o espectro da Mellanox vendendo chips e depois competindo com seus clientes.

Arm China entra na equação

A Arm China é uma joint venture – o estilo de arranjo que muitas empresas ocidentais fazem para ter negócios por lá. Em julho, a Arm tentou demitir o CEO dessa empresa, Allen Wu, por dirigir outra empresa.

Isso normalmente seria um caso bastante direto de conflito de interesses, exceto que Wu tem os documentos de registro e patente da empresa da Arm China e não os entregou, informou a Bloomberg em julho.

A Arm China também publicou uma carta pública assinada por 176 de seus funcionários implorando a Pequim para protegê-la da matriz do Reino Unido.

Acrescente a isso que uma empresa americana está agora tentando substituir uma japonesa como proprietária da Arm.

Acho que Pequim vai segurar isso, disse Priestley. Teria que haver alguns acordos muito fortes da Nvidia para contornar, porém, mesmo assim seria difícil porque a China é uma parte significativa dos negócios da Arm.

É cada vez mais importante saber para que o IP está sendo usado, especialmente com o desejo da China de … encorajar sua indústria local de semicondutores e romper os vínculos com as empresas sediadas nos EUA.

Mesmo se o acordo for fechado, Priestley ainda vê desvantagens na China porque as operadoras do país, como a Huawei, que investiram pesadamente em chips baseados em Arm, podem começar a procurar em outro lugar e já podem estar iniciando esse processo.

“Até termos certeza absoluta, o negócio da Arm está potencialmente em risco porque as pessoas podem decidir que desejam prestar mais atenção à opção RISC-V do que no passado por causa da incerteza”, disse Priestley. “O modelo de negócios da Arm está em risco … corre o risco de perder alguns clientes durante este período de incerteza.”

RISC-V é alternativa

Embora o RISC-V possa ser o futuro, ele precisa trabalhar para lidar com as atividades que o x86 e, cada vez mais, a Arm é capaz de lidar.

“O RISC-V poderia chegar lá, mas precisa de muito mais trabalho dedicado para construir uma CPU de servidor”, explicou Priestley. “É bom para CPUs da classe de microcontroladores no momento.”

Comprar uma licença sai mais em conta

Durante sua chamada para a imprensa, Huang destacou que uma área com a qual a empresa estava entusiasmada era a combinação de GPUs de silicone Arm e Nvidia no data center. No entanto, para Priestley, isso não explica o negócio de US $ 40 bilhões. A Nvidia poderia comprar uma licença de arquitetura Arm hoje sem precisar pegar a empresa inteira.

Embora esse cenário possa funcionar bem, especialmente porque a Nvidia é capaz de controlar o conjunto de software e o ecossistema DGX, pode não funcionar tão bem no mundo todo.

“O desafio vem se a Nvidia decidir que quer tentar e promover sua CPU Arm como uma CPU universal e vendê-la como uma CPU para outros fornecedores da mesma forma que a Intel ou a AMD vendem seus processadores”, disse Priestley.

“É aí que você encontra problemas que a Arm sempre enfrentou. Ele pode executar o sistema operacional. Você pode transferir talvez alguns dos aplicativos de destaque, mas são todas as outras coisas que funcionam entre esses dois e o sistema operacional que as organizações de TI usam para administrar e gerenciar seus negócios que também precisam ser transferidos.”

A Huawei poderia ter sido capaz de mover o mercado, disse Priestley, mas isso não acontecerá agora devido às restrições atuais que teve de enfrentar nos Estados Unidos.

“É um pouco como a Apple com o Apple Silicon, eles terão sucesso porque podem fechar a App Store. Eles só permitem aplicativos que rodam em um Mac que são capazes de funcionar no Arm”, disse ele.

“O Windows on Arm tem um problema de compatibilidade porque você não pode fechar a App Store. Existem muitos desafios diferentes aqui.”

Dúvidas e mais dúvidas

Até 2022 muita água deve rolar para que o negócio realmente se concretize. São variáveis importantes em jogo, como, por exemplo, quem será o próximo presidente dos Estados Unidos. Se não for Donald Trump, os ataques à China vão continuar? O que acontece se a Nvidia não fechar o negócio; o que o SoftBank cheio de dívidas fará então? Quem poderia ser o próximo comprador senão a Nvidia? A China aprovaria ou não?

Esses são os tipos de perguntas que envolverão Arm pelo próximo ano e meio e, neste estágio, qualquer resultado parece tão provável quanto o outro.