Cientistas desenvolvem pele humana para robôs

Jardeson Márcio
4 minutos de leitura

Os robôs não estão “dominando” o mundo, como sugerem filmes de ficção científica. Robôs biohíbridos feitos de materiais vivos e artificiais estão no centro de muitas fantasias de ficção científica, inspirando as inovações robóticas de hoje. Inclusive, cientistas acabam de desenvolver pele humana para robôs.

Ainda falta muito para que robôs parecidos com humanos andem entre nós em nossas vidas diárias, mas cientistas do Japão nos aproximam mais dessa realidade com a criação de pele humana viva em robôs. O método desenvolvido, apresentado em 9 de junho na revista Matter (Via:TechXplore), não apenas deu uma textura robótica semelhante à pele do dedo, mas também funções repelentes à água e autocurativas.

cientistas-desenvolvem-pele-humana-para-robos
Imagem: TechXplore

Parecer “real” como um humano é uma das principais prioridades para robôs humanóides que geralmente são encarregados de interagir com humanos nos setores de saúde e serviços. Uma aparência humana pode melhorar a eficiência da comunicação e evocar simpatia.

Pele humana criada para robôs

Embora a pele de silicone atual feita para robôs possa imitar a aparência humana, ela fica aquém quando se trata de texturas delicadas, como rugas e carece de funções específicas da pele. As tentativas de fabricar folhas de pele viva para cobrir robôs também tiveram sucesso limitado, já que é um desafio adaptá-las a objetos dinâmicos com superfícies irregulares.

“Com esse método, você precisa ter as mãos de um artesão habilidoso que possa cortar e costurar as folhas de pele”, diz o primeiro autor Shoji Takeuchi, professor da Universidade de Tóquio, no Japão. “Para cobrir eficientemente as superfícies com células da pele, estabelecemos um método de moldagem de tecido para moldar diretamente o tecido da pele ao redor do robô, o que resultou em uma cobertura perfeita da pele em um dedo robótico”.

Para criar a pele, a equipe primeiro mergulhou o dedo robótico em um cilindro preenchido com uma solução de colágeno e fibroblastos dérmicos humanos, os dois principais componentes que compõem os tecidos conjuntivos da pele. Takeuchi diz que o sucesso do estudo está dentro da tendência natural de encolhimento dessa mistura de colágeno e fibroblastos, que encolheu e se ajustou ao dedo. Como primers de tinta, essa camada forneceu uma base uniforme para a próxima camada de células para aderir. Essas células compõem 90% da camada mais externa da pele, dando ao robô uma textura semelhante à da pele e propriedades de barreira de retenção de umidade.

A pele trabalhada tinha força e elasticidade suficientes para suportar os movimentos dinâmicos à medida que o dedo robótico se enrolava e se esticava. A camada mais externa era grossa o suficiente para ser levantada com pinças e repelido a água, o que oferece várias vantagens na execução de tarefas específicas, como o manuseio de pequenas espumas de poliestireno carregadas eletrostaticamente, um material frequentemente usado em embalagens.

Além disso, quando ferida, a pele trabalhada pode até se autocurar como a dos humanos com a ajuda de um curativo de colágeno, que gradualmente se transformou na pele e resistiu a movimentos articulares repetidos.

cientistas-desenvolvem-pele-humana-para-robos

“Este trabalho é apenas o primeiro passo para a criação de robôs cobertos com pele viva”, disse Takeuchi. A pele desenvolvida é muito mais fraca que a pele natural e não pode sobreviver por muito tempo sem fornecimento constante de nutrientes e remoção de resíduos. Em seguida, Takeuchi e sua equipe planejam abordar esses problemas e incorporar estruturas funcionais mais sofisticadas na pele, como neurônios sensoriais, folículos pilosos, unhas e glândulas sudoríparas.

Via: TechXplore

Share This Article
Follow:
Jardeson é Mestre em Tecnologia Agroalimentar e Licenciado em Ciências Agrária pela Universidade Federal da Paraíba. Entusiasta no mundo tecnológico, gosta de arquitetura e design gráfico. Economia, tecnologia e atualidade são focos de suas leituras diárias. Acredita que seu dia pode ser salvo por um vídeo engraçado.