in

Código aberto está ficando maior e mais rico, diz SUSE

O software de código aberto é o futuro e é gratuito, assumindo que ele possa sobreviver ao capitalismo.

Código aberto está ficando maior e mais rico, diz SUSE

Melissa Di Donato, CEO da empresa de software de código aberto SUSE, esteve recentemente em uma cúpula de tecnologia, onde todos os outros participantes eram executivos de uma empresa de software proprietária de código fechado.

Todos estavam conversando sobre a importância do crowdsourcing, da construção de comunidades, então levantei minha mão e disse: ‘Espere um minuto – você está ciente de que existe um mundo inteiro por aí e é chamado de código aberto? Você sabe mesmo o que é código aberto?’

Os outros executivos ficaram um pouco perplexos, lembra ela.

Essas pessoas não perceberam o potencial da tecnologia, diz ela. O código aberto está abalando o mundo e está chegando como um terremoto.

A idéia de software de código aberto remonta décadas, mas na década passada, mais ou menos, e em particular com o advento da computação em nuvem, tornou-se uma parte essencial do cenário de tecnologia de negócios.

Código aberto está ficando maior e mais rico, diz SUSE

Quer esteja sendo usado em um PC, smartphone ou para sustentar um vasto aplicativo corporativo, os fundamentos do código aberto são os mesmos; é um grande clube de engenheiros de software refletindo as idéias uns dos outros e usando as invenções de outras pessoas para criar suas próprias, antes de devolver os produtos à comunidade. O código aberto é essencialmente um tesouro de inovação, e é tudo de graça.

É fácil ver, nesse contexto, por que executivos como Di Donato têm certeza de que o software de código aberto é o futuro.

Estou super confiante nos próximos anos, disse ela. O código aberto ficará maior e mais rico do que nunca.

Por mais entusiasmada que esteja com a tecnologia, Di Donato é uma novata no mundo do código aberto. Ela assumiu a liderança do SUSE apenas seis meses atrás, sucedendo a Nils Brauckmann depois que ele anunciou sua aposentadoria. Antes de se tornar CEO da empresa, ela trabalhava na empresa de software SAP.

Ouvir os clientes

Di Donato, no entanto, não perdeu tempo.

Quando cheguei a bordo, meu plano de 100 dias era conversar e conhecer 100 clientes em 100 dias. Foi completamente insano. Cheguei a 97, disse ela. Porém agora, pelo menos, ela tem uma visão, acrescentou.

A primeira lição que ela aprendeu é que a maioria dos clientes da SUSE é o que ela chama de “tradicionalistas”, como bancos ou grandes varejistas, que passaram o último quarto de século tentando acelerar a adoção da tecnologia, mas geralmente o fazem de maneira desigual, fragmentada.

Eles construíram um muro de TI, explicou Di Donato, e meu primeiro trabalho, para ajudá-los a se modernizar, é simplificar essa infraestrutura.

Há uma enorme revolução tecnológica na qual ela certamente pode se apoiar: essa mudança para a nuvem, grande parte da qual é construída em fundações de código aberto. Di Donato, de fato, observou que a provisão de ambientes híbridos provavelmente se tornará um foco principal da empresa; a receita global em nuvem pública deve crescer 17% em 2020, atingindo US $ 266,4 bilhões.

Ainda existe uma ressalva: grátis ou pago?

Código aberto está ficando maior e mais rico, diz SUSE

O desenvolvimento de software de código aberto baseia-se no conceito de que o código do software é gratuito e aberto. O desafio para as empresas construídas em torno de tecnologias de código aberto é como criar um modelo de negócios sustentável a partir dele quando o produto subjacente é gratuito.

Blair Hanley Frank, analista principal da empresa de pesquisa ISG One, disse ao ZDNet:

É incrivelmente difícil para qualquer empresa, independentemente do modelo de negócios, continuar crescendo indefinidamente. Isso se torna mais difícil quando há uma versão gratuita do produto principal da empresa disponível para qualquer pessoa usar.

Uma solução para a equação é injetar uma dose de software proprietário comercial – um modelo que os empresários estão cada vez mais olhando.

Joseph Jacks, fundador da empresa de capital de risco OSS Capital, que investe em startups comerciais de software livre, disse ao ZDNet que na década passada houve um grande aumento no que ele chama de “empresas híbridas”. Essas empresas usam um projeto de código aberto como base para desenvolver um produto comercial, protegido por direitos de propriedade intelectual, que por sua vez pode ser vendido.

Este modelo é um híbrido entre software proprietário e de código aberto, disse Jacks. É uma forma de comercialização direta de código aberto, na qual o produto suporta negócios mais capitalistas.

Fieis ao open source

Para Di Donato, um modelo híbrido está absolutamente fora de questão. A única propriedade intelectual que o SUSE possui, ela observa, é o logotipo verde de camaleão da empresa, e isso não mudará tão cedo.

Não queremos esmagar o espírito de código aberto, disse Di Donato. Queremos permanecer fiéis à cultura que acompanha a tecnologia. Somos uma empresa de código aberto e continuaremos assim.

Ela acredita que o SUSE encontrou um modelo de negócios em funcionamento para unir software e lucro de código aberto: é o suporte e serviços que vende para as empresas que utilizam as tecnologias de código aberto feitas pelos desenvolvedores do SUSE.

Controle de qualidade

Os clientes nunca sonhariam em implementar um software se ele não passasse pelos testes de controle de qualidade, ela argumenta. Eles não começariam a usar um aplicativo antes que ele passasse pela versão beta. É o mesmo com o código aberto: através da plataforma SUSE Linux Enterprise, é a segurança que a empresa está vendendo.

Empacotamos o software de maneira a estabelecer o mais alto nível de certificação para os clientes. Eles querem nos pagar para garantir que o que estão baixando seja seguro para os negócios, explica ela.

Marc Saulnier é o diretor de TI da fabricante de madeira Les Entreprises Barrette, uma empresa criada em 1924 na América do Norte. Ela se encaixa na definição das “tradicionalistas” que Di Donato visitou durante seus 100 dias. Porém, com a aceleração dos negócios, tornou-se necessário garantir que o software estivesse funcionando 24 horas por dia, para suportar um número crescente de turnos nas fábricas da Barrette.

Tivemos que transformar uma infraestrutura de negócios em uma infraestrutura de TI, disse Saulnier. E o código aberto sempre nos daria mais flexibilidade. O SUSE era uma escolha óbvia, porque como profissional de TI, meu grande desafio era a segurança. O SUSE pode garantir que meu software não seja invadido. Além disso, eles têm um relacionamento de longa data com a SAP.

Saulnier tem razão. Di Donato ingressou na SUSE diretamente das fileiras da SAP: as duas empresas andam de mãos dadas há 15 anos,  no que ambas chamam de “aliança estratégica”. Em 2010, o SAP HANA foi realmente desenvolvido usando o SUSE Linux Enterprise e, por sua vez, hoje 90% dos clientes do SAP HANA assinam a oferta corporativa do SUSE. E com a SAP alegando que 77% do dinheiro de transações comerciais globais tocam em um de seus sistemas, parece que o SUSE não ficará sem negócios tão cedo – pelo menos em teoria.

O modelo da SUSE se mantém?

Alguns investidores têm se mantido céticos em relação ao modelo de negócios que hoje é tocado pela SUSE.  O modelo de negócios do SUSE é válido e é linearmente escalável. Mas um modelo híbrido que funde IP proprietário e código aberto – é exponencialmente melhor, segundo alguns desses investidores.

Di Donato, por exemplo, não está intimidada: ela está convencida de que o modelo de negócios da SUSE deve crescer e ser rápido. Para ilustrar, ela apontou os nove anos de crescimento contínuo da empresa. Somente no ano passado, a SUSE registrou um crescimento de quase 300% ano a ano em sua receita de assinatura de entrega de aplicativos.

Em seu último relatório trimestral, a empresa registrou um aumento de 67% na receita ano a ano e destacou um crescimento contínuo em “grandes negócios” no valor de US$ 1 milhão ou mais. Com uma base de 1.600 funcionários, a SUSE se orgulhava de “um excelente começo” para o exercício.

Para a nova CEO da empresa, no entanto, é apenas o começo: Sou extremamente ambiciosa, disse ela. Entregamos nossos números por nove anos seguidos, estamos fazendo ótimas coisas para nossos clientes, mas agora quero aproveitar esta ótima empresa e dar uma melhor luz.

E os números?

Por mais notáveis que sejam os números, eles precisam ser colocados em perspectiva. Nas palavras da própria Di Donato, ninguém sabe realmente sobre o SUSE. A receita real da empresa, de fato, não é nem meio bilhão de dólares.

Mais importante, o  SUSE pertence inteiramente à empresa de private equity EQT, que comprou o negócio em 2018 por US $ 2,5 bilhões. Em comparação, o concorrente de código aberto Red Hat foi recentemente adquirido pela IBM por impressionantes US $ 34 bilhões. Di Donato insistiu que seu objetivo era dobrar de tamanho e atingir US $ 1 bilhão em receita até 2023, mas dificilmente se pode dizer que o SUSE está com essa bola toda, pelo menos por enquanto.

A propriedade da SUSE por uma marca de private equity complica um pouco, disse Frank, da ISG One. A empresa permanece sob a égide de uma organização maior. Isso fala tanto da dificuldade quanto da oportunidade de mercado que as empresas enfrentam ao criar negócios em torno de software de código aberto.

Umas criam e outras crescem

O que vimos nos últimos 20 anos, acrescentou, são “dezenas de trilhões” de dólares criados por empresas proprietárias – Google, Facebook, Microsoft – construindo software baseado no código-fonte aberto que outras pessoas escreveram. Jacks, de fato, argumentou que está convencido de que esses modelos de negócios são aqueles que impulsionarão a inovação futura em código aberto.

Para Frank, finalmente, o código aberto está prosperando, mas ainda está procurando uma maneira de existir.

Há uma nova safra de startups de código aberto que surgiram desde a fundação do SUSE, e todas elas lutam para equilibrar o sucesso comercial e as obrigações da comunidade, disse ele. É importante remover essas preocupações morais e éticas, disse ele. Os princípios fundamentais do código aberto nunca foram educar as pessoas sobre valores igualitários. Eles tratavam de inovação e de tornar o mundo mais eficiente.

Preservar integridade do código aberto

Ainda assim, Di Donato argumenta que o ethos de código aberto é o núcleo da empresa. No momento em que um negócio de código aberto se afasta do espírito da comunidade, disse Di Donato, os engenheiros de software da empresa vão embora; porque os desenvolvedores de código aberto sempre colocam sua comunidade acima de qualquer outra coisa.

Os desenvolvedores de código aberto permanecem fiéis ao código aberto primeiro. Se a estratégia de código aberto mudar, eles desaparecerão.

E depois que os engenheiros de software saem, há muito pouco valor restante para monetizar. Uma empresa de software de código aberto não pode reivindicar nenhuma propriedade intelectual; só vale a pena seus funcionários. E não há outra maneira de garantir que os funcionários permaneçam leais do que preservar a integridade dos valores de código aberto.

A insistência da empresa em enfatizar sua autonomia vem do desejo de garantir aos funcionários que o SUSE permanecerá fiel ao código aberto.

As pessoas são tudo o que temos – se você as perde, perde tudo, disse Di Donato. E se amanhã eu lhes disser que estou abrindo a porta para software proprietário, eles simplesmente irão embora.

É por isso que eu preciso garantir que nossos engenheiros de código aberto sintam que suas inovações estão sendo entregues em toda a comunidade. É isso que me mantém acordado à noite – é o nosso pessoal, não a monetização ou mesmo o crescimento.

Di Donato coloca de maneira mais clara:

Somos uma empresa independente de código aberto, disse ela. É tudo o que temos, afirma. Estou tão confiante que nem sou mais cautelosa.

ZDNet

O que você achou disso:?

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.

Governo dos EUA compartilha dicas para se defender contra os golpes cibernéticos envolvendo coronavírus

Governo dos EUA compartilha dicas para se defender contra os golpes cibernéticos envolvendo coronavírus

Mais de um bilhão de dispositivos Android estão em risco por causa do fim de atualizações

Mais de um bilhão de dispositivos Android estão em risco por causa do fim de atualizações