in

Como instalar o Blender, um pacote de criação 3D, no Ubuntu, Linux Mint, Fedora, Debian

Um pacote de criação 3D gratuito e de código aberto

como-instalar-o-blender-um-pacote-de-criacao-3d-no-ubuntu-linux-mint-fedora-debian

O Blender é o pacote de criação 3D gratuito e de código aberto que suporta todo o pipeline 3D – modelagem, rigging, animação, simulação, renderização, composição e rastreamento de movimento, até mesmo edição de vídeo e criação de jogos. Saiba como instalar o Blender no Linux.

Blender é um projeto público, feito por centenas de pessoas de todo o mundo. São estúdios e artistas individuais, profissionais e amadores, cientistas, estudantes, especialistas em VFX, animadores, artistas de jogos, modders e muito mais pessoas envolvidas na criação desta incrível ferramenta.

O Blender implementa ferramentas similares às de outros programas proprietários, que incluem avançadas ferramentas de simulação. Entre elas, a dinâmica de corpo rígido, dinâmica de corpo macio e dinâmica de fluidos, além de ferramentas de modelagem baseadas em modificadores, ferramentas de animação de personagens, um sistema de composição baseado em “Nodes” de texturas, cenas e imagens, e um editor de imagem e vídeo, inclusive com suporte a pós-produção. Uma ferramenta extremamente completa e com recursos profissionais, que tornarão sua edição prazerosa e de fácil execução!

Não perca mais tempo! Instale agora mesmo uma das melhores ferramentas de criação 3D disponíveis, no seu PC! Além disso, o Blender Inclui suporte a Python como linguagem de script e suporta o português brasileiro.

como-instalar-o-blender-um-pacote-de-criacao-3d-no-ubuntu-linux-mint-fedora-debian

Instalando o Blender no Ubuntu, Kubuntu, Xubuntu e derivados!

Para instalar o Blender no Ubuntu Linux. Inclusive você também pode instalar o Blender no Linux Mint sem nenhum problema execute o comando abaixo:

sudo snap install blender --classic

Instalando o Blender no Fedora e derivados!

Para instalar o Blender no Fedora, execute os comandos abaixo. Lembrando que caso você já tenha o suporte ao Snap habilitado no Fedora, pule para o passo 3, o de instalação do pacote:

Passo 1 – Instalar o Snapd:

sudo dnf install snapd

Após executar o comando acima, lembre-se encerrar a sessão ou reiniciar o computador! Em seguida, vamos criar um link simbólico para ativar o suporte ao Snap clássico:

Passo 2 – Criar link simbólico:

sudo ln -s /var/lib/snapd/snap /snap

E agora, vamos executar o comando para instalar o Blender no Fedora ou derivados:

Passo 3 – Agora vamos executar o comando para instalar o Blender no Fedora ou derivados:

sudo snap install blender --classic

Instalando o Blender no Debian e derivados!

Para instalar o Blender no Debian, execute os comandos abaixo. Caso você já tenha  Snap ativado e habilitado no seu Debian, pule para o passo 2, que seria da instalação:

Passo 1 – Atualizar os repositório e instalar o Snapd:

apt update
apt install snapd

E agora, vamos executar o comando para instalar o Blender no Debian ou derivados. Observe que o comando abaixo está com o sudo, caso você não o tenha habilitado, remova o sudo e instalar usando o ROOT mesmo:

Passo 2 – Agora vamos executar o comando para instalar o Blender no Debian e derivados:

sudo snap install blender --classic

É isso, esperamos ter ajudado você a instalar o Blender no Linux!

Escrito por Jardeson Márcio

Jardeson é Mestre em Tecnologia Agroalimentar e Licenciado em Ciências Agrária pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é professor substituto na mesma Instituição e assessora a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Meio Ambiente de sua cidade.
Entusiasta no mundo tecnológico, gosta de arquitetura e design gráfico. Economia, tecnologia e atualidade são focos de suas leituras diárias.
Acredita que seu dia pode ser salvo por um vídeo engraçado.

como-instalar-o-paintsupreme-3d-um-programa-de-pintura-3d-no-ubuntu-linux-mint-fedora-debian

Como instalar o PaintSupreme 3D, um programa de pintura 3D, no Ubuntu, Linux Mint, Fedora, Debian

Adobe Flash Player: de herói a vilão da internet

Adobe Flash Player: de herói a vilão da internet