in

Coronavírus e os desafios de ter que trabalhar em casa

O trabalho remoto é mais complicado do que parece à primeira vista. Aqui estão alguns dos problemas que você deve considerar.

Coronavírus e os desafios de ter que trabalhar em casa

A pandemia de coronavírus se espalha rapidamente pelo mundo, inclusive com vítimas fatais, especialmente idosos. Uma das soluções dotadas por governos e empresas é o home work, ou trabalho em casa, que nunca foi tão importante nesses tempos. Esse processo é mais simples de ser implementado para algumas profissões: pessoal de TI, jornalistas, desenvolvedores. Até porque muitos já atuam desta forma.

Porém, não vá pensando que é mais fácil. Muitos trabalhadores, organizações estatais e privadas estão tendo de se adaptar rapidamente à nova realidade. E isso tem custo: de dinheiro, de aprendizado, sobretudo.

Mesmo quando as organizações são capazes de utilizar políticas de trabalho remotas, precisam preparar funcionários que não estão acostumados a trabalhar remotamente para enfrentar os desafios envolvidos, diz Shainaz Firfiray, professor associado de Gerenciamento de Recursos Humanos na Warwick Business School.

Isso pode incluir a criação de redes de suporte compostas por trabalhadores remotos mais experientes que podem ajudar esses funcionários a fazer uma transição bem-sucedida para essa nova estrutura de trabalho.

Primeiros passos

Coronavírus e os desafios de ter que trabalhar em casa

A primeira questão para quem está nesta modalidade é tentar conhecer de perto as experiências de quem já vive este processo. Assim, deve ver a rotina de quem já trabalha em casa para ver de perto os desafios que terá de enfrentar.

O GitLab recentemente entrevistou 3.000 profissionais que trabalhavam remotamente ou tinham a opção de trabalhar remotamente. Primeiro, as boas notícias. A maioria mostrou entusiasmo à WFH: 90% disseram que recomendariam trabalhar em casa para um amigo e 84% disseram que poderiam realizar todas as tarefas remotamente – e que seus gerentes entenderam o que era necessário para gerenciar uma equipe de teletrabalhadores.

Mas eles também reconheceram que há desvantagens significativas no teletrabalho.

Saber onde os problemas com o trabalho em casa podem ocorrer significa que podemos estar melhor preparados para evitá-los nós mesmos durante esse período inesperado de WFH. Aqui está um resumo dos maiores desafios que eles identificaram, com algumas ideias de como evitá-los.

Coronavírus e os desafios de ter que trabalhar em casa

No topo da lista: quase metade (47%) mencionou a dificuldade de gerenciar as distrações domésticas. São interrupções e distrações.

As interrupções ocorrem do lado de fora, como uma batida na porta de um motorista de entrega pedindo que você pegue um pacote para um vizinho. Outras interrupções potenciais; família, animais de estimação e amigos que não conseguem entender que, só porque você está em casa, você ainda está trabalhando. Portas fechadas, não perturbe sinais e fones de ouvido com cancelamento de ruído são úteis.

Distrações são um pouco diferentes. Isso ocorre principalmente em um ambiente diferente daquele a que você está acostumado, e isso significa que os hábitos são interrompidos e as prioridades confusas.

No escritório, suas prioridades são bem definidas – você está lá para trabalhar. Em casa, suas prioridades são diferentes; divertir-se, cozinhar, comer, limpar, assistir TV – quase por definição, tudo não está relacionado ao trabalho.

Trazer trabalho para casa, especialmente se for pela primeira vez, principalmente agora, confunde tudo isso. Também faz você pensar que pode combinar os dois, e é por isso que você tenta lavar a louça durante uma teleconferência.

Manter o foco?

Aqui, a solução é criar uma nova rotina de trabalho para facilitar o foco. É por isso que todo conjunto de dicas remotas de trabalho fala sobre levantar-se e vestir-se e tentar trabalhar horas regulares. Se puder, trabalhe em um local específico da sua casa todos os dias para que isso se torne associado à concentração.

Um em cada três trabalhadores domésticos (35%) preocupou-se em colaborar com colegas e clientes. Existem muitas ferramentas para manter as equipes distribuídas sincronizadas, desde o  e-mail até o Slack, Microsoft Teams e aplicativos de videoconferência como o Zoom.

Porém, todas elas têm pontos fracos e nenhuma delas pode capturar toda a riqueza da interação humana física face a face. Em particular, depender de opções somente de texto como e-mail provavelmente dificultará o trabalho em conjunto e aumentará a probabilidade de mal-entendidos. Um e-mail escrito apressadamente ou um comentário mal-formulado do Slack podem ser facilmente mal interpretados e problemas de relacionamento podem surgir com facilidade.

Assim como é muito melhor ir até lá e conversar com alguém no escritório, é muito melhor pegar um telefone ou fazer um bate-papo rápido por vídeo para passar uma mensagem complicada ou potencialmente controversa.

Passar de um ambiente de trabalho de escritório ocupado para ficar sozinho é outra coisa que pode ser um desafio; isolamento e solidão foram mencionados por um em cada três (35%). As distâncias sociais e as preocupações constantes sobre o cornonavírus aumentarão a pressão aqui.

Comunicação

Conectividade e rotina podem ajudar com isso, até certo ponto. Embora os gerentes certamente devam tomar cuidado com o microgerenciamento e exigir uma resposta imediata às consultas, também é importante lembrar os aspectos mais suaves do gerenciamento e do trabalho em equipe, que são uma parte intrínseca do ambiente de escritório presencial. Mais uma vez, buscar a ferramenta de comunicação apropriada ajudará; as conversas em vídeo individuais consumirão mais tempo, com certeza, e podem se tornar um pouco complicadas se você for o chefe, mas ajudarão os funcionários a se sentirem menos isolados.

Motivação

A motivação (mencionada como um desafio de 29%) é mais fácil para as equipes que trabalham fisicamente juntas, porque é possível ver o esforço que estão fazendo. O progresso diário, não os prazos estipulados para meses, pode facilitar a concentração das pessoas. Algumas tarefas são francamente entediantes. Se o trabalho que você está fazendo é chato e você não consegue ver o resultado final ou o objetivo mais amplo da equipe se aproximando, a motivação será uma luta, especialmente se eles estiverem preocupados com eventos mais amplos.

Alguns funcionários que trabalham em casa lutam com motivação; outros terão dificuldade para desligar. Parte disso pode estar relacionada à novidade do trabalho remoto: sim, é possível verificar os dados de vendas às 22h, mas, na verdade, você não deveria estar fazendo outra coisa? Parte disso se deve ao estresse contínuo da situação atual.

Novamente, a falta de rotina não ajudará aqui; se você não conseguir se concentrar durante o dia (veja as distrações acima), acabará estendendo o dia útil devido à culpa. Os gerentes têm aqui um papel de garantir que os funcionários sejam incentivados a desligar no momento apropriado e a não prolongar acidentalmente o dia de trabalho.

É possível que essa crise atual também leve a mudanças de longo prazo sobre como sua equipe e sua organização realizam o trabalho a partir de agora. Trabalhar remotamente pode se tornar uma situação muito mais regular. Porém, vale lembrar que este é um território desconhecido para todos – e pode continuar por algum tempo. Ajudar a gerenciar essa situação em mudança de maneira sensível e gentil é a chave.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.