Denúncias de assédio sexual provocam 48 demissões no Google
Signage is displayed at the Google Inc. offices in New York, U.S., on Tuesday, Aug. 22, 2016. Wal-Mart Stores Inc. is teaming up with Google to let shoppers order by voice, the latest example of the world's largest retailer finding a technology partner to catch e-commerce leader Amazon.com Inc. Photographer: Michael Nagle/Bloomberg via Getty Images

O jornal The New York Times publicou uma notícia bombástica sobre o pagamento de indenização do Google a Andy Rubin depois de relatos de assédio sexual por parte do criador do Android. Ao todo, as denúncias de assédio sexual provocam 48 demissões no Google. De acordo com o jornal, o Google teria protegido Andy. A empresa teria pago US$ 90 milhões e manteve silêncio sobre uma acusação de má conduta.

Na esteira da denúncia, o CEO Sundar Pichai e a vice-presidente de Operações da People, Eileen Naughton, assinaram um memorando enviado ao Google.  Eles negam proteção especial ao criador do Android. O memorando detalha “uma linha cada vez mais dura sobre a conduta inadequada de pessoas em posições de autoridade”.

Várias demissões

Denúncias de assédio sexual provocam 48 demissões no Google

Andy Rubin, criador do Android. Imagem: Bloomberg

A nota, que foi obtida pelo TechCrunch através de um porta-voz do Google, observa que 48 pessoas foram demitidas da empresa por assédio sexual nos últimos dois anos. Essa lista inclui 13 pessoas em cargos de gerência sênior ou superior.

A carta observa que “nenhum desses indivíduos recebeu um valor pela saída”. Isto é uma referência clara aos US $ 90 milhões supostamente pagos a Rubin em parcelas mensais de US $ 2 milhões. Além disso, Rubin deixou o Google em 2014. 

Igualmente, Rubin publicou sua resposta à reportagem do NYT, alegando que ela contém “inúmeras imprecisões”. No Twitter, ele cita comentários de fontes anônimas do Google que são “parte de uma campanha de difamação” contra ele.

A nota do Google aparece abaixo:

De: Sundar

Olá a todos,

A história de hoje no New York Times era difícil de ler.

Estamos decididos a garantir que fornecemos um local de trabalho seguro e inclusivo. Queremos garantir que analisamos todas as queixas sobre assédio sexual ou conduta inadequada, investigamos e agimos.

Nos últimos anos, fizemos uma série de mudanças, incluindo uma linha cada vez mais rígida na conduta inadequada de pessoas em posições de autoridade: nos últimos dois anos, 48 ??pessoas foram demitidas por assédio sexual, incluindo 13 que eram gerentes seniores ou acima. Nenhum desses indivíduos recebeu um pacote de saída.

Em 2015, lançamos o Respect @ e nosso Relatório Anual de Investigações Internas para fornecer transparência sobre esses tipos de investigações no Google. Como sabemos que denunciar assédio pode ser traumático, fornecemos canais confidenciais para compartilhar qualquer comportamento inadequado que você tenha ou veja. Apoiamos e respeitamos aqueles que se manifestaram. Você pode encontrar muitas maneiras de fazer isso. Você pode fazer um relatório anonimamente, se desejar.
Também atualizamos nossa política para exigir que todos os VPs e SVPs divulguem qualquer relacionamento com um colega de trabalho, independentemente da linha de denúncia ou da presença de conflito.

Temos o compromisso de garantir que o Google seja um local de trabalho em que você possa se sentir seguro para fazer seu melhor trabalho e onde haja sérias consequências para quem se comportar de maneira inadequada.

Sundar e Eileen

Via

Claylson
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

WhatsApp finalmente adiciona stickers

Previous article

Microsoft oficializa aquisição do GitHub

Next article

You may also like

More in Notícias