Dicas de como usar o comando RSync

Aprenda a utilizar o RSync em sistemas baseados em Linux e tire proveito dos recursos. Separamos uma vasta lista de exemplos onde o RSync pode ser utilizado sem medo.

Adriano Frare
5 minutos de leitura

Neste artigo iremos apresentar algumas dicas de como utilizar o comando RSync para auxiliar os usuários e os administrados de redes a realizar becape e sincronizar diretórios.

O que é RSync

O Rsync é mais rápido do que ferramentas como Secure Copy Protocol (SCP) . Ele usa o algoritmo de transferência delta que minimiza a transferência de dados copiando apenas as seções de um arquivo que foram atualizadas.

Alguns dos recursos adicionais do Rsync incluem:

  • Oferece suporte à cópia de links, dispositivos, proprietários, grupos e permissões
    Não requer privilégios de superusuário
  • Canaliza as transferências de arquivos para minimizar os custos de latência
  • Você só pode transferir arquivos de local para remoto ou remoto para local. O Rsync não oferece suporte a transferências de arquivos remotos para remotos.
Dicas de como usar o comando RSync

Como funciona o RSync no Linux

Agora que você sabe o que é Rsync, vamos verificar como este comando funciona na prática. O Rsync funciona de forma semelhante a outras ferramentas de gerenciamento de servidor remoto, como SSH e SCP.

Aqui está a sintaxe básica do Rsync:

Terminal
rsync [options] source [destination]

Esta é a sintaxe para transferir um arquivo de seu sistema local para um servidor remoto. Também é chamada de operação “push”.

Dicas e comados úteis com RSync

rsync local_file_path user@remote-host:remote_file_path
Veja como transferir um arquivo de um servidor remoto para o sistema local, também chamada de operação de “pull”.

Terminal
rsync user@remote-host:remote_file_path local_file_path

Nota: Ao trabalhar com sistemas remotos, certifique-se de ter acesso SSH ao sistema remoto. O Rsync estabelece a conexão usando SSH para habilitar a transferência de arquivos.

Como usar sinalizadores no RSync no Linux

Rsync permite adicionar opções adicionais por meio de sinalizadores de linha de comando. Vejamos alguns sinalizadores úteis.

Recursivo RSync

Se você adicionar a opção -r , o RSync executará uma transferência recursiva de arquivos. Isso é útil ao trabalhar com diretórios. Aqui está um exemplo:

Terminal
rsync -r user@remote-host:remote_directory/ local_directory

Backup RSync

O sinalizador -a é usado para preservar links simbólicos durante a transferência de arquivos. O sinalizador de arquivo também preserva arquivos especiais e de dispositivo, horários de modificação e permissões do diretório de origem.

Esse sinalizador de arquivo também sincroniza arquivos recursivamente, portanto, é usado mais do que o sinalizador recursivo. Aqui está como você o usa:

Terminal
rsync -a user@remote-host:remote_directory/ local_directory

Compressão com RSync

Você também pode compactar arquivos usando o sinalizador -z . A compactação de arquivos pode reduzir a carga da rede e acelerar a transferência de arquivos.

Terminal
rsync -az user@remote-host:remote_directory/ local_directory

Progresso RSync

Para transferências de arquivos grandes, é útil saber o andamento da operação. Você pode usar o sinalizador -P para saber o progresso da transferência do arquivo. Com o Rsync, você também pode retomar as transferências de arquivos que sofreram interrupção.

Terminal
rsync -aP user@remote-host:remote_directory/ local_directory

Verbose com RSync

Finalmente, o comando verbose pode ajudá-lo a entender cada etapa da transferência de arquivos. Você pode usar o sinalizador -v para isso.

Terminal
rsync -av user@remote-host:remote_directory/ local_directory

Você também pode usar o comando help com RSync para obter uma lista de todas as opções e sinalizadores.

Terminal
rsync --help

Conclusão sobre o uso do RSync

Então, as dicas acima com o comando RSync simplificam todo o processo de transferência de arquivos, oferecendo uma ferramenta robusta, versátil e flexível em comparação com alternativas como SCP. Portanto, o RSync é excelente para operações de manutenção, backups e operações gerais de arquivos entre máquinas locais e remotas.

Da mesma forma, seguem abaixo mais alguns artigos que irão complementar seu conhecimento.

Share This Article
Follow:
Escritor do livro Aplicações Avançadas em LINUX com mais de 20 anos trabalhando com LINUX e UNIX.