in

DuckDuck Go é banido na Índia

Relatos ainda estão desencontrados e não se sabe o motivo do bloqueio.

DuckDuckGo é banido na Índia

Um dos mecanismos de pesquisa mais populares entre os defensores da privacidade em todo o mundo, o DuckDuck Go Search Engine, foi totalmente banido na Índia pelas operadoras de telefonia de lá. A medida parece tert sido adotada pela chamadas ISPs. Vários usuários de empresas como Airtel, Jio e Vodafone foram ao Reddit e ao Twitter, dizendo que não podiam acessar o site DuckDuck Go em seus smartphones e PCs.

Isso acontece dois dias depois que o governo indiano baniu 59 aplicativos chineses no país. No entanto, o DuckDuck Go é uma empresa de mecanismos de busca sediada nos EUA. Portanto, aparentemente, não há razões para o governo proibi-lo. De acordo com alguns usuários, visitar o site oficial do mecanismo de busca com foco na privacidade exibe uma mensagem de erro “servidor não acessível”.

Os usuários estão enfrentando o problema desde esta manhã. Muitos disseram que o DuckDuck Go é proibido em dados móveis e não em uma conexão de banda larga. Depois de enfrentar o problema, alguns usuários conseguiram acessar o DuckDuck Go com sucesso usando uma VPN. Assim, o assunto ‘DuckDuck Go’ já é a grande tendência no Twitter. Enquanto isso, a empresa de mecanismos de busca postou em seu identificador do Twitter, afirmando que não há nada errado no seu objetivo.

DuckDuck Go é banido na Índia

DuckDuck Go é banido na Índia

Os relatos de usuários indianos é contraditório. Alguns dizem ter conseguido acessar normalmente o DuckDuck Go usando dados móveis da Vodafone. Outros relatam problemas de acesso com a empresa Airtel. Além disso, teve usuário que não conseguiu navegar pelo aplicativo DuckDuck Go em seu iPhone. Tem até brasileiro relatando dificuldades de acesso por aqui. Porém, isso não pode ser comprovado.

Em meio à incerteza, a razão por trás da questão ainda é desconhecida. Esta não é a primeira vez que um ISP bloqueia um site na Índia. Anteriormente, a Jio telecom bloqueou o Telegram, sites pornográficos e até o SoundCloud.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.