in

É hora de conversar com máquinas inteligentes

Veja o artigo de Marcio Aguiar, diretor da NVIDIA Enterprise para América Latina.

É hora de conversar com máquinas inteligentes
Divulgação

A Inteligência Artificial é um dos tópicos que estarão em alta na próxima década, segundo o estudo Technology Vision, realizado pela Accenture. A pesquisa, com respostas de mais de seis mil executivos de 25 países, mapeou as principais tendências tecnológicas do futuro.

Na verdade, já demos início à Era da Inteligência Artificial. A tecnologia está presente em diversas funções cotidianas do ser humano, como nas recomendações de produtos, de acordo com sua última compra no site de uma loja; ou nos sensores que auxiliam motoristas a estacionar o veículo, prevenindo acidentes. Mas é como se estivéssemos ainda apenas na ponta do iceberg.

Há muito potencial nas melhorias que a IA pode gerar para a vida do ser humano. Entre uma das principais tendências atuais está a Inteligência Artificial de conversação, a habilidade da máquina de compreender o que está sendo dito ou escrito, permitindo que seres humanos e sistemas se comuniquem cada vez melhor.

O conceito em si é permitir que uma pessoa converse com uma máquina de forma fluída, seja no formato escrito ou por meio de voz, e com avançado grau de entendimento. Isso porque a máquina reconhecerá o texto ou o áudio, fará a interpretação do que foi dito e responderá de forma humanizada.

É hora de conversar com máquinas inteligentes

É hora de conversar com máquinas inteligentes
Divulgação

Ótimos exemplos dessa crescente podem ser vistos pelas assistentes virtuais inteligentes, como Siri, Alexa, Cortana, entre outras. Por meio de diversas aplicações de IA, a plataforma reconhece o comando do usuário por voz e pode realizar diversas funções como agendar um despertador, realizar a leitura de um ebook, e até controlar as funções inteligentes em uma casa.

Muito além de apenas realizar pequenas funções do cotidiano, o potencial dessa tecnologia é muito grande. Uma equipe de pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) utilizou deep learning para descobrir o que pode ser chamado de “diagnóstico por fala” – detectando sinais de depressão por meio da análise da fala de um paciente. Esse treinamento resultou no modelo da equipe identificando depressão a partir de uma conversa normal com mais de 70% de precisão durante a inferência, a partir do diagnóstico de especialistas em saúde mental.

As técnicas usadas para identificar a depressão geralmente envolvem especialistas em saúde mental fazendo perguntas diretas e tirando conclusões fundamentadas. No futuro, essas avaliações pontuais podem ser menos necessárias, com uma IA conversacional treinada para o monitoramento contínuo da saúde mental.

Diversas empresas ao redor do mundo já estão de olho nessa nova tendência. Tendo em mente a estimativa de que as empresas gastem mais de US$ 50 bilhões em sistemas de IA ainda em 2020, segundo estudo do IDC, muitos projetos devem envolver IA conversacional. Em 2019, foram investidos US$ 37,5 bilhões com projetos envolvendo IA. A expectativa para 2024 é de que o investimento atinja US$ 110 bilhões.

As possibilidades são imensas, tanto para empresas como para indivíduos. Já temos capacidade de processamento suficiente para criar máquinas inteligentes que compreendem nossos comandos e solicitações, criando conversas cada vez mais similares às que envolvem apenas seres humanos. Agora, resta aos desenvolvedores criarem sistemas e plataformas que serão uma surpresa até mesmo para o desenho animado da “Família Jetson” no relacionamento entre pessoas e máquinas.

O que você achou disso:?

Escrito por Redação SempreUpdate

Os artigos vinculados à este usuário são de terceiros. A informação aqui contida não foi elaborada originalmente por nós do SempreUpdate. Mas, publicamos conforme solicitação, envio ou recomendações do próprio autor, assessoria e outros departamentos comerciais ou não comerciais.

Google adquire o CloudReady OS que transforma PCs antigos em Chromebooks

Google adquire o CloudReady OS que transforma PCs antigos em Chromebooks

Kernel Linux 5.10.8 corrige a regressão de desempenho do Btrfs

Bugs levam a nova versão de emergência do kernel Linux 5.10