in

Estudar cérebros pode explicar por que a tecnologia afeta homens e mulheres de maneira diferente

Estudar cérebros pode explicar por que a tecnologia afeta homens e mulheres de maneira diferente. Veja mais detalhes sobre esse assunto.

Estudar cérebros pode explicar por que a tecnologia afeta homens e mulheres de maneira diferente
Estudar cérebros pode explicar por que a tecnologia afeta homens e mulheres de maneira diferente. Imagem: Reprodução / The Next Web.

Existem inúmeras pesquisas de acadêmicos tentando provar se existem diferenças neurológicas claras entre os cisgêneros. E, enquanto alguns afirmam haver grandes distinções, outros argumentam, por exemplo, que as mulheres tendem a ser mais pró-sociais como resultado de como seus cérebros funcionam.

Um artigo escrito por Julie Jargon, em 24 de setembro para o The Wall Street Journal (WSJ), destacou quantos pais de meninos e meninas viram diferenças óbvias na maneira como seus filhos interagem com a tecnologia. Geralmente, os meninos gravitam em relação aos videogames, enquanto as meninas parecem passar mais tempo navegando sem parar pelas mídias sociais.

Como a tecnologia afeta homens e mulheres

Em 2017, uma pesquisa realizada pelo Pew Research Center (RPC) descobriu que meninos e meninas têm percepções diferentes da quantidade de tempo que gastam usando várias tecnologias. Por exemplo, 47% das meninas, de 13 a 17 anos, disseram que passam muito tempo nas mídias sociais. Além disso, 41% dos adolescentes dizem que passam muito tempo jogando videogame, em comparação com apenas 11% das meninas que disseram o mesmo .

Igualmente, em 2018, uma equipe de pesquisadores de várias universidades da China colaboraram para encontrar diferenças relacionadas ao gênero nas respostas neurais aos jogos. Usando aparelhos de ressonância magnética, eles mediram as respostas cerebrais em jogadores masculinos e femininos adolescentes, concentrando-se nas partes do cérebro associadas ao vício e a um sentimento de recompensa.

Os resultados descobriram que, quando eram mostradas fotos de pessoas jogando videogame aos homens, a parte do cérebro que causa dependência apresentava níveis mais altos de ativação do que as partes do cérebro de uma mulher. Esses resultados, de acordo com os pesquisadores, sugerem que os homens podem ser biologicamente mais propensos do que as mulheres a desenvolver o distúrbio dos jogos na Internet. Dessa maneira, isso é algo que os desenvolvedores de videogames estão explorando ao projetar intencionalmente jogos viciantes.

Embora as meninas raramente mostrem sinais de dependência em relação aos videogames, elas são mais suscetíveis ao gancho viciante das mídias sociais. De acordo com uma pesquisa separada da RPC, aproximadamente 78% das mulheres nos EUA usam a mídia social pelo menos uma vez por dia, em comparação com 65% dos homens que disseram fazer o mesmo.

Mais estudos de caso

Um estudo da ScienceDirect, intitulado “Uso de mídia social e saúde mental dos adolescentes”, descobriu que as meninas eram mais propensas a sentimentos de depressão e ansiedade depois de passar muito tempo nas mídias sociais, um tema que não foi encontrado entre os meninos.

O artigo de Jargon para o WSJ explicou como as mulheres têm uma sensação maior de perder. Isso significa que as mulheres geralmente se sentem mais compelidas do que os homens a acompanhar as atualizações de seus amigos nas mídias sociais. Além do mais, combinado ao fato de aplicativos como o Facebook e o Instagram serem projetados para manter os usuários conectados, significa que é um hábito quase impossível de se romper.

Catherine Price, jornalista científica e autora de “Como terminar com o telefone”, disse ao site The Next Web no início deste ano:

Existe uma subcategoria de aplicativos projetados para nos viciar. Esses são aplicativos que ganham dinheiro roubando nossa atenção, como Facebook, Instagram, aplicativos de namoro ou aplicativos de notícias. Qualquer coisa que seja livre de usar, você deve suspeitar bastante.

Tecnologias elaboradas para prender sua atenção

Em média, as pessoas passam quatro horas em seus telefones todos os dias. Além disso, os aplicativos são projetados para manipular a química do cérebro para nos manter na plataforma o maior tempo possível. Afinal, é isso que beneficia seus resultados financeiros. Tudo o que você vê em um aplicativo é resultado de uma decisão humana e foi cuidadosamente projetado para mantê-lo conectado por horas a fio.

Estudar cérebros pode explicar por que a tecnologia afeta homens e mulheres de maneira diferente
Em média, as pessoas passam quatro horas em seus telefones todos os dias.

Por fim, é claro que a tecnologia está revelando nossa maior fraqueza humana, o vício. Porém, quanto mais soubermos como o design realmente afeta nosso comportamento e relacionamento com a tecnologia, melhor podemos nos sair

Se gostou deste artigo sobre como estudar cérebros pode explicar por que a tecnologia afeta homens e mulheres de maneira diferente, não deixe de compartilhar!

Fonte: The Next Web

Leia também: Profissionais de TI usam cada vez mais drogas ilícitas

Escrito por Leonardo Santana

Astrônomo amador e eletrotécnico. Apaixonado por TI desde o século passado.

Ubuntu 19.10 (Eoan Ermine) entra no congelamento final

Ubuntu 19.10 (Eoan Ermine) Beta já está disponível para download

O Facebook precisa atrasar o lançamento da Libra se ele realmente quiser trabalhar com os reguladores

Facebook precisa atrasar o lançamento da Libra se ele realmente quiser trabalhar com os reguladores