in

Facebook deve adiar lançamento da Libra e enfrenta nova denúncia de invasão de privacidade

Depois da pressão do presidente norte-americano Donald Trump,  a empresa resolveu esperar até que as dúvidas regulatórias sejam resolvidas.

Facebook deve adiar lançamento da Libra e enfrenta nova denúncia de invasão de privacidade

No final da semana passada, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump declarou que “ele não era um fã” de criptomoedas, especificamente visando Bitcoin e Libra. Em mensagem no Twitter, o presidente dos EUA afirmou que “seu valor é baseado em fumaça pura”. Foi o suficiente para fazer despencar o valor do Bitcoin e de outras criptomoedas. Porém, a declaração teve outra consequência. O Facebook disse que vai não lançar a criptomoeda (Libra) até que “sejam completamente resolvidas as preocupações regulatórias e tenham recebido as aprovações apropriadas”. Sendo assim, portanto, o Facebook deve adiar lançamento da Libra e enfrenta nova denúncia de invasão de privacidade.

Eles planejaram lançar os primeiros tokens de libra em 2020

Facebook lança Libra, a criptomoeda própria

Estas são as palavras de David Marcus, presidente da Calibra (uma subsidiária do Facebook responsável pelo gerenciamento da criptomoeda). Lembramos que a empresa planejava colocá-lo em circulação em 2020. No entanto, muitos bancos centrais começaram a expressar suas dúvidas e preocupações sobre esta iniciativa.

Marcus deixa claro que Libra “não tem intenção de competir com qualquer moeda soberana ou entrar na arena da política monetária” . Afirma que o verdadeiro objetivo por trás dessa criptomoeda é transformá-lo em um “serviço público”.

Lembramos também que a Associação Libra é composta por 28 empresas, entre as quais estão (além do Facebook) Visa, Mastercard, PayPal, eBay, Uber, Booking ou Spotify.

Com essas afirmações, parece bastante complicado que os primeiros sinais da Libra sejam dados na data planejada (2020). Marcus concorda com Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed), que o processo para examinar esta criptomoeda deve ser “paciente e rigoroso”.

Facebook deve adiar lançamento da Libra e enfrenta nova denúncia de invasão de privacidade

Obviamente, uma das críticas mais repetidas sobre Libra tem a ver com privacidade. A empresa está se envolvendo em um escândalo após o outro. O mais novo diz respeito ao Facebook ter acesso a todas e quaisquer fotos que sejam enviadas ou não pela plataforma. Então, foi descoberto que o Facebook rastreia as fotos que você carrega mesmo fora da rede social. A descoberta foi feita pelo programador especialista em cibersegurança Edin Jusupovic.

Como vemos no tweet, Jusupovic acusa o Facebook de adicionar automaticamente uma série de metadados (instruções do IPTC) às imagens que foram baixadas da rede social.

Um “nível perturbador de precisão”

Isso significa que toda vez que enviarmos uma imagem para o Facebook, a plataforma será responsável por adicionar uma série de metadados de rastreamento, através dos quais eles poderão identificar o arquivo.

Jusupovic diz que esse é um “nível de rastreamento”, porque graças a esse método eles podem rastrear fotos fora de sua própria plataforma, com um “grau de precisão perturbador”.

Este programador nos lembra que (entre outras coisas), desta forma, eles podem saber quem originalmente enviou uma foto. Além disso, ele acrescenta que “o mais preocupante é que há uma variedade de técnicas avançadas para injetar dados em fotos” que são muito difíceis de detectar.

Como o Facebook poderia usar esses metadados

Facebook deve adiar lançamento da Libra e enfrenta nova denúncia de invasão de privacidade

Embora existam muitas possibilidades, uma discussão sobre Reddit explica perfeitamente como a empresa poderia usar esse método para obter mais informações a partir de outros metadados usuários (mesmo sem Facebook).

  • Você faz o upload de uma imagem para o Facebook e a plataforma adiciona uma série de metadados.
  • O “Amigo A” a vê, faz o download e envia para outra pessoa (“Amigo B”). Este “Amigo B” envia para um amigo dele (“Amigo C”).
  • “Amigo B” não tem uma conta no Facebook e publica a imagem no Reddit.
  • FaceBook rastreia a imagem no Reddit e sabe que, de certa forma, você está perto de “Friend B”. Isso significa que o Facebook pode saber que uma determinada pessoa é “amiga do seu amigo”, sem que você saiba.
  • Ainda há mais: o “Amigo C” (que poderia ser amigo do “Amigo A”), publica a foto que você enviou para sua conta do Facebook.
  • Desta forma, o Facebook também sabe que você é uma pessoa próxima ao “Amigo C” (quer você saiba disso ou não).
  • Agora vem o melhor: o Facebook coloca novos metadados na imagem por “Friend C”. Agora a plataforma pode ver se o “Amigo C” poderia enviar uma mensagem para outro amigo: “Amigo X” (que pode ou não ser seu amigo).
  • Pode acontecer que nem você nem C saibam X, mas você provavelmente é amigo de um amigo de X. E é menos provável que “Amigo A” esteja perto de X do que você e “Amigo C”.
  • Dessa forma, eles podem não apenas saber para onde cada imagem está indo e quando, mas podem ver toda a sequência de movimentos com incrível precisão.

Repita esta atividade em grande escala e agora o Facebook conhece seus amigos do Facebook, seus seguidores no Facebook e seus amigos, colegas de trabalho e contatos no mundo real.

Eles até conhecem seus “amigos dos amigos” (pessoas que você não conhece), as compras que fazem na Internet, seu estilo de vida (e o seu) e como tudo isso se encaixa em seus círculos de amizade (mesmo fora do Facebook).

Libra fora?

Sobre este aspecto, Marcus ressalta que o Facebook não utilizará os dados dos usuários do Calibra para lhes mostrar publicidade. De qualquer forma, se eles conseguirem promover a Libra, certamente aumentarão o uso desses recursos. Assim, com a Libra eles podem promover produtos e serviços.

As declarações de David Marcus fazem parte de um documento que inclui o discurso que ele vai oferecer (nesta terça-feira, 16 de julho) perante um comitê do Senado dos Estados Unidos.

Via

Written by Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Novo sistema operacional da Huawei deve se chamar Harmony

Novo sistema operacional da Huawei deve se chamar Harmony

Huawei nega substituição do Android

Huawei nega substituição do Android