in

Go e Python são as linguagens de programação mais procuradas por desenvolvedores

E surge a grande questão: os desenvolvedores precisam de um diploma? 

Go e Python são as linguagens de programação mais procuradas por desenvolvedores

As linguagens de programação Go e Python são as mais procuradas por desenvolvedores. É o que revela uma grande pesquisa sobre tendências na educação de desenvolvedores, perspectivas de emprego, aquisição de habilidades e salários. A pesquisa é da plataforma HackerRank e aponta essas duas linguagens como as que os desenvolvedores desejam aprender.

As principais linguagens de programação que os desenvolvedores desejam aprender são Go e Python, de acordo com uma pesquisa realizada pela plataforma HackerRank de correspondência de habilidades de desenvolvedores.

O HackerRank entrevistou mais de 116.000 desenvolvedores de 162 países para apresentar os resultados deste ano sobre educação para desenvolvedores, perspectivas de emprego, aquisição de habilidades e salários.

Go e Python são as linguagens de programação mais procuradas por desenvolvedores

Go e Python são as linguagens de programação mais procuradas por desenvolvedores

O Go, criado pelo Google, não está na lista das dez principais das linguagens de programação mais conhecidas. Entretanto, está no topo das linguagens que os desenvolvedores desejam aprender. Cerca de 36% estão de olho no Go, seguido por 28% que elegem Python como o próximo alvo.

Outras linguagens no topo da lista de prioridades de aprendizado incluem o Kotlin, que é popular entre os desenvolvedores de aplicativos Android, o JavaScript  turbinado da Microsoft, TypeScript, e R, linguagem popular entre os cientistas de dados. Completam a lista das dez mais: Scala, Swift, Rust, Ruby e JavaScript.

A velha e boa linguagem de programação C

A linguagem de programação C, criada na década de 1970 por Dennis Ritchie no Bell Labs, registrou um crescimento da popularidade entre os desenvolvedores no índice mais recente de Tiobe, onde é a segunda linguagem mais popular, atrás do Java, mas à frente do Python.

O HackerRank descobriu que o C é usado por quase 40% dos entrevistados da Geração Z para aprender a codificar, tornando-o, de longe, a mais popular dessa geração. Pouco mais de 30% dos millennials começaram com C. Gen X e Baby Boomers começaram a aprender o BASIC, criado em 1964 por John Kemeny e Thomas Kurtz, que o lançou no Dartmouth College em 1964.

Os desenvolvedores precisam de um diploma?

O CEO da Apple disse recentemente que as habilidades necessárias para codificar podem ser alcançadas ensinando crianças em um estágio inicial do ensino médio. Quem procura emprego sem um diploma também pode conseguir empregos  no Google, IBM, Home Depot e Bank of America.     

O HackerRank descobriu que a maioria dos desenvolvedores contratados em empresas de todos os tamanhos tem um diploma. Contudo, constatou que pequenas empresas com até 49 funcionários são a maior fonte de emprego para desenvolvedores sem diploma. 

Ele descobriu que 32% dos desenvolvedores de pequenas empresas não possuem um diploma em comparação com 9% dos desenvolvedores que trabalham para empresas com mais de 10.000 funcionários. 

full-stack no olho do furacão

A principal prioridade de recrutamento, com 38%, para contratar gerentes em 2020 é encontrar desenvolvedores full-stack. A segunda e terceira categorias mais procuradas são desenvolvedores de back-end e cientistas de dados. 

No entanto, os desenvolvedores full-stack enfrentam mais pressão do que outros grupos, com 60% encarregados de aprender uma estrutura completamente nova e 45% foram obrigados a aprender nova linguagem no ano passado.

Essa proporção é maior que todas as outras categorias, incluindo desenvolvedores front-end, desenvolvedores back-end, cientistas de dados, engenheiros de DevOps e engenheiros de controle de qualidade (quality-assurance). No entanto, em todos os grupos, nada menos que 40% disseram que tiveram que aprender nova linguagem no ano passado.

Embora os desenvolvedores frequentemente procurem linguagens que os ajudem a conseguir emprego, o HackerRank descobriu que 20% dos recrutadores dos Estados Unidos não se importam com a linguagem que um desenvolvedor conhece ao procurar novos trabalhadores. Nas Américas, o JavaScript é a principal habilidade de linguagem que os recrutadores procuram, seguida por Python, Java, C #, C ++, PHP, C, Go e Ruby

As linguagens mais conhecidos entre os desenvolvedores refletem aproximadamente as mais procuradas. O topo é JavaScript, seguido de Java, C, Python, C ++, C #, PHP, TypeScript, Pascal e R. Embora o JavaScript seja a linguagem mais conhecida, o HackerRank também constatou que apenas 5% dos entrevistados dizem que é a primeira linguagem de programação.

E o salário, ó!

O HackerRank também se aprofundou nas linguagens associadas ao salário mais alto, mas não está claro que os desenvolvedores possam usar essas informações para ajudar a obter um aumento salarial.

Por exemplo, desenvolvedores que conhecem o Perl ganham 54% a mais do que o desenvolvedor médio, mas apenas 2% dos desenvolvedores juniores conhecem o Perl, enquanto 10% dos desenvolvedores seniores o conhecem. Portanto, isso pode refletir apenas os desenvolvedores seniores que tendem a receber mais do que os juniores. No entanto, as linguagens de programação associadas aos salários médios mais altos são Perl, seguidos por Scala, Go, Ruby e Objective-C. 

O país onde os desenvolvedores podem encontrar os salários mais altos é, obviamente, os EUA, onde, em média, os desenvolvedores ganham US$ 109.000. Nos EUA, os salários mais altos são pagos em São Francisco, Seattle e Los Angeles. Os cinco principais mercados nacionais mais bem pagos atrás dos EUA são Austrália, Canadá, Holanda, Reino Unido e Alemanha.

Fonte: ZDNet

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Google lança projeto de código aberto para chaves de segurança de hardware

Google lança projeto de código aberto para chaves de segurança de hardware

Coreia do Sul se prepara para substituir o Windows 7 pelo Linux

Coreia do Sul se prepara para substituir o Windows 7 pelo Linux