Google Drive erra e sinaliza arquivos quase vazios por violação de direitos autorais

Claylson Martins
5 minutos de leitura

Não começou nada bem a tentativa do Google Drive sinalizar arquivos que poderiam conter violação de direitos autorais. De acordo com vários usu´ários ao redor do mundo, o Google passou a sinalizar arquivos simples e sem qualquer violação simplesmente por possuírem um ‘1’ ou um ‘0’ dentro deles. Isso ocorrerá se enviarmos um arquivo de texto comum que tenham os números 0 ou 1 dentro deles. Assim, a plataforma do Google Drive vai identificá-los como uma violação dos direitos autorais. Portanto, o Google Drive erra e sinaliza arquivos quase vazios por violação de direitos autorais, o que pode gerar problemas legais para o próprio Google.

Portanto, isso é algo que não faz qualquer sentido. Além disso, a empresa já reconheceu o bug e promete uma correção para o problema. Não é surpresa que o Google tenha mecanismos de detecção em seus serviços para analisar todos os arquivos que enviamos para a nuvem. 

Google Drive sinaliza arquivos quase vazios por ‘violação de direitos autorais’

Google Drive sinaliza arquivos quase vazios por 'violação de direitos autorais'
Google Drive sinaliza arquivos quase vazios por ‘violação de direitos autorais’

Um dos casos relatados é o da professora assistente da Michigan State University, Emily Dolson. Ela disse ter notado um comportamento estranho de sua pasta. Segundo ela, um dos arquivos no Google Drive, ‘output04.txt’ estava quase vazio — com nada além do dígito ‘1’ dentro dele. Porém, de acordo com o Google, esse arquivo violou a “política de violação de direitos autorais” da empresa e, portanto, foi sinalizado. E o pior é que a advertência enviada deixava de forma enfática o aviso de que “Não pode ser solicitada revisão dessa restrição”.

Após o tweet de Dolson, a equipe do Google Drive afirma que já está trabalhando em uma correção para isso. No entanto, eles não forneceram detalhes sobre o motivo desse erro.

Os relatos do tipo se multiplicam pela internet. No momento, ainda é possível confirmar que isso acontece se optarmos por compartilhar o arquivo publicamente no Drive. Não apenas quando carregamos um arquivo de texto com um ‘1’ dentro dele, mas também com um ‘0’, ou muitos outros números. É o que mostram os testes do pesquisador Chris Jefferson, de St Andrews. Ao fazer o upload do arquivo, em pouco menos de uma hora, recebemos um e-mail do Google indicando que, de fato, nosso arquivo contém uma violação de direitos autorais. Desta forma, o arquivo permanece inacessível para qualquer pessoa.

Problemas legais para o Google já considera os usuários culpados até prova em contrário

Ainda mais grave, se o arquivo contiver apenas o dígito “0”, o Google desativará permanentemente sua conta

“Eu deletei o experimento, apenas no caso de eu ter minha conta excluída por muitos números impertinentes”, escreve Jefferson.

Outro fator apontado pelos estudiosos diz respeito ao descumprimento da legislação do GPDR por parte do Google. Mikko Ohtamaa, fundador da empresa Defi Capitalgram, alegou que o estilo automatizado do Google de sinalizar candidatos suspeitos de violação de direitos autorais pode trazer problemas para a empresa.

No entanto, o Artigo 22 do GDPR,  também conhecido como “tomada de decisão individual automatizada, incluindo criação de perfil”, refere-se mais especificamente à tomada de decisões automatizadas sobre  indivíduos ao definir o perfil de seu comportamento on-line, como antes de conceder um empréstimo ou ao tomar decisões de contratação, conforme explicado por ICO do Reino Unido.

“Eu teria mais simpatia se não fosse ‘Uma revisão não pode ser solicitada para esta restrição'”, escreve o usuário do HackerNews OneLeggedCat . “Ele foi projetado para ser o mais brutal e draconiano possível. Eles escolheram isso. É culpado até que se prove inocente, sem recurso.”

Combate à pirataria

Em 2018, o Google publicou um documento detalhado explicando como a empresa pretende fazer o combate á pirataria. No entanto, ao falar especificamente sobre o Google Drive, o relatório afirma que uma “equipe de engenharia de abuso em tempo integral” foi criada pelo Google para combater fluxos ilegais veiculados no Google Drive. Portanto, não há muita informação disponível sobre como os algoritmos do Google processam o conteúdo que não é de vídeo armazenado no Drive. 

Via BleepingComputer

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.