in

IBM e Microsoft se unem para remover a linguagem racista

Os esforços seguem ações semelhantes realizadas pelas equipes do Twitter, GitHub, kernel do Linux, MySQL e OpenBSD.

IBM e Microsoft se unem para remover a linguagem racista

A desigualdade e discriminação racial levaram grandes empresas a reverem vários posicionamentos. Entre elas, IBM e Microsoft que agora se unem para remover a linguagem racista. Elas se juntam aos esforços de Twitter, GitHub, Red Hat, MySQL, kernel Linux e equipes do OpenBSD.

Por enquanto, é uma ação informal de funcionários das duas empresas. Eles criaram grupos com planos de vasculhar a documentação e o código-fonte para substituir termos insensíveis por terminologia alternativa neutra e socialmente mais aceitável.

Esses esforços, embora não anunciados publicamente como empreendimentos semelhantes em outras empresas, são tão importantes, senão mais. Isso porque tanto a IBM quanto a Microsoft gerenciam alguns dos maiores repositórios de software da atualidade, com milhões de linhas de código espalhadas por portfólios que abrangem centenas de produtos e projetos de origem.

Ninguém na IBM e na Microsoft é tão ingênuo para acreditar que seus esforços erradicarão o racismo apenas mudando algumas palavras dentro do código aqui e ali. No entanto, todos estão tentando desempenhar seu pequeno papel em prol de uma sociedade mais inclusiva, para todos, no longo prazo.

Abordagem de cima para baixo da IBM

Mas os esforços, embora semelhantes em seus objetivos, são diferentes nos dois grandes gigantes da tecnologia. A equipe da Microsoft começou como um grupo de ação própria dentro da empresa. Já na IBM as coisas começaram pelo topo, com a aprovação da administração.

Big Blue, como a IBM às vezes é carinhosamente chamada na comunidade de tecnologia, adotou uma abordagem coordenada, disse Tim Humphrey, vice-presidente e diretor de dados da IBM. Humphrey diz que a empresa estabeleceu um grupo dentro de sua Academy of Technology (AoT), uma organização interna que a IBM descreve como “uma sociedade orientada para a ação dos principais pensadores e solucionadores de problemas da IBM” que fornece “liderança técnica ligando as comunidades técnicas da IBM”.

Este grupo está atualmente em processo de revisão de cerca de 15 termos técnicos e procurando alternativas adequadas. A lista atualmente inclui termos óbvios como master, slave, blacklist e whitelist, mas também termos como white label, white paper, man-hours ou Chinese walls.

Os termos não precisam necessariamente ter acusações raciais, e uma linguagem xenófoba e com preconceito de gênero também será analisada, disse Humphrey.

Além disso, todo o processo é aberto e os funcionários da IBM podem enviar qualquer outra palavra que achem que não deveria estar na documentação ou no código-fonte da empresa.

Humphrey diz que alguns dos termos já foram removidos do guia de estilo interno da empresa, um documento que rege a linguagem aceitável dentro da IBM. Este guia de estilo está no centro de todas as comunicações públicas da IBM, arquivos de documentação e projetos de código-fonte.

Atualmente, os funcionários da IBM estão no processo de remover a linguagem tendenciosa do código e dos documentos da empresa, no que Humphrey descreveu como uma “limpeza exaustiva”. E tudo isso é feito por um “exército de voluntários” de funcionários da IBM que estão dedicando seu tempo livre a um objetivo maior.

Grupo informal da Microsoft

Na Microsoft, esforços semelhantes também estão em andamento. No entanto, esta iniciativa não é realmente nova e, na verdade, começou muitos anos antes. O que é diferente agora é a escala, com mais funcionários oferecendo seu tempo livre do que antes.

Esses esforços começaram depois dos distúrbios de Ferguson, quando um punhado de funcionários criou um grupo interno e começou a revisar o código-fonte da empresa, junto com sua documentação interna e externa, para retirada da linguagem tendenciosa, para substituí-la por uma terminologia mais inclusiva.

Termos como whitelist e blacklist foram trocados por allowlist e denylist, e master-slave com primário-secundário, quando apropriado.

Caso o código-fonte não possa ser alterado por integrações com código de terceiros ou outros motivos, eles adicionaram às páginas de documentação pública de que os documentos incluem linguagem que alguns podem considerar ofensiva ou não inclusiva.

IBM e Microsoft se unem para remover a linguagem racista
Alguns dos avisos sobre parcialidade e linguagem não inclusiva que estão sendo exibidos atualmente em algumas páginas de documentação da Microsoft. Imagem: ZDNet

IBM e Microsoft se unem para remover a linguagem racista

O que começou como um punhado de pessoas trabalhando na revisão do código e documentos da Microsoft alguns anos atrás, se transformou em um grupo de 50+ em julho.

Eles fazem isso sem a aprovação explícita ou supervisão direta do alto escalão da Microsoft. Porém, a diretoria aprovou a ação e até ampliou, chegando a  outros braços da Microsoft como o Linkedin. Por lá, o pessoal também se engajou neste tipo de ação.

Ao todo, o movimento para limpar a terminologia tecnológica que começou após a morte de George Floyd no início deste ano, lentamente se transformou em uma das principais tendências da indústria neste ano. Os frutos desse trabalho podem demorar para aparecer na maneira como os engenheiros falam e escrevem seus códigos. No entanto, Humphrey, IBM, Microsoft e seus funcionários estão mais do que cientes de que o que estão fazendo é lançar as bases de uma projeto de ano.