in

IBM, Red Hat, VMware e outros formam a Inclusive Naming Initiative

Toda linguagem imprópria será removida.

Gigantes da tecnologia como IBM, Red Hat e VMware agora fazem parte da chamada Inclusive Naming Initiative. Ela foi formada por vários participantes da indústria para fazer “escolhas consistentes e responsáveis para remover linguagem prejudicial” do software. A Inclusive Naming Initiative deseja fornecer recomendações de linguagens para projetos, caminhos de implementação recomendados, ferramentas e reconhecimento da comunidade pelas alterações feitas.

Trabalhando no primeiro trimestre, eles pretendem firmar suas melhores práticas e substituições junto com as ferramentas iniciais. No terceiro trimestre do ano que vem, eles planejam compartilhar suas “vitórias” na KubeCon 2021. A ideia é formar um programa de certificação no quarto trimestre para projetos que seguem nomes inclusivos. Seus objetivos são descritos aqui.

A missão da Inclusive Naming Initiative é ajudar as empresas e projetos a remover toda a linguagem prejudicial e pouco clara de qualquer tipo e substituí-la por um conjunto acordado de termos neutros. O objetivo da iniciativa é definir processos e ferramentas para remover linguagem nociva dos projetos. Isso inclui a criação de uma lista abrangente de termos com substituições, estruturas e modelos de avaliação de linguagem e infraestrutura para auxiliar na transição. RedHat, IBM, LF Networking e o Kubernetes Naming WG já estão a bordo.

IBM, Red Hat, VMware e outros formam a Inclusive Naming Initiative

IBM, Red Hat, VMware e outros formam a Inclusive Naming Initiative

Akamai, Cisco, Cloud Native Computing Foundation, IBM, The Linux Foundation, Red Hat, SDDI e VMware são as organizações iniciais que apoiaram esse esforço.

lista de substituição de palavras do projeto inclui palavras como whitelist, blacklist, master e slave e também o próprio master. “Embora o master (mestre) em si seja potencialmente neutro, a propensão em que está associado ao termo escravo na computação torna o master um termo pesado por associação. Embora seja usado como um autônomo, é impossível remover a associação com comando e controle inteiramente e, portanto, recomendamos abandonar até mesmo o uso singular.

Isso segue o kernel Linux no início do ano, adotando suas próprias diretrizes de terminologia inclusivas. Este foi um assunto que abordamos anteriormente e que você pode conferir nos links abaixo:

Equipe Linux aprova nova terminologia e proíbe termos como ‘lista negra’ e ‘escravo’

 

Kernel Linux vai adotar linguagem politicamente correta

Aqueles que desejam saber mais podem visitar InclusiveNaming.org.