Categorias

o-android-13-tem-codinome-interno-vazado-a-aposta-agora-e-a-sobremesa-tiramisu

Android

Games

Notícias

Tutoriais Linux

Vídeos

Notícias

14/09/2021 às 16:00

7 min leitura

Avatar Autor
Por Claylson Martins

Lançada nova versão do RPM 4.17

Lançada nova versão do RPM 4.17

A nova versão do RPM 4.17 foi lançada recentemente e ela traz correções que melhoram este gerenciador de pacotes. É o caso, por exemplo, do tratamento de falhas, a interface para criar macros na linguagem Lua, novos add-ons e muito mais.

O projeto RPM4 é desenvolvido pela Red Hat e usado em distribuições como RHEL (incluindo projetos derivados de CentOS, Scientific Linux, AsiaLinux, Red Flag Linux, Oracle Linux), Fedora, SUSE, openSUSE, ALT Linux, OpenMandriva, Mageia, PCLinuxOS, Tizen e muitos outros.

Anteriormente, uma equipe de desenvolvimento independente desenvolveu o projeto RPM5, que não está diretamente relacionado ao RPM4 e atualmente está abandonado (não é atualizado desde 2010).

Um pacote RPM pode conter um conjunto arbitrário de arquivos. A maioria dos arquivos RPM são arquivos “RPM binários” (ou BRPM) que contêm a versão compilada de algum software. Existem também “RPMs de origem” (ou SRPM) que contêm o código-fonte usado para construir um pacote binário.

Os SRPMs geralmente têm a extensão de arquivo “.src.rpm” (.spm em sistemas de arquivos limitados a 3 caracteres, por exemplo FATs DOS antigos).

Lançada nova versão do RPM 4.17. Os recursos de RPM incluem:

Lançada nova versão do RPM 4.17
  • Os pacotes podem ser criptografados e verificados com GPG e MD5.
  • Arquivos de código-fonte (por exemplo .tar.gz, .tar.bz2) são incluídos em SRPMs, permitindo verificação posterior.
  • PatchRPMs e DeltaRPMs, que são equivalentes a arquivos de patch, podem atualizar incrementalmente os pacotes RPM instalados.
  • As dependências podem ser resolvidas automaticamente pelo gerenciador de pacotes.

Principais novos recursos do RPM 4.17

Nesta nova versão do RPM 4.17 que é apresentada, destaca-se que o tratamento de falhas durante a instalação foi bastante aprimorado, além de que a interface para criação de macros na linguagem Lua também foi aprimorada.

Em relação à parte das melhorias que são apresentadas nos plug-ins, destaca-se que os plug-ins dbus -nouncer foram adicionados para relatar transações RPM através do D-Bus, fapolicyd para definir políticas de acesso a arquivos e o plug  in fs-verity para verificar a autenticidade de arquivos individuais usando o mecanismo fs-verity embutido no kernel.

No buildroot, por padrão, uma regra foi aplicada para excluir arquivos “.la” e uma regra foi adicionada para limpar o bit executável de arquivos na biblioteca compartilhada.

Além de também destacar que foram realizados trabalhos para melhorar alguns aspectos internos , como a conversão das páginas de manual para o formato Markdown, a limpeza de scripts autônomos , a eliminação dos backends criptográficos de beecrypt e NSS e que também um rascunho inicial do guia de gerenciamento de embalagem e embalagem é fornecido

Por outro lado, é mencionado que o backend DBD foi removido para armazenar dados no Berkeley DB (para compatibilidade com sistemas mais antigos, o backend BDB_RO é deixado no modo somente leitura). Sqlite é usado como o banco de dados padrão e os drivers auxiliares Python e geradores de pacote são separados em um projeto separado.

Das outras mudanças que se destacam nesta nova versão:

  • Adicionada macro embutida% {exist:…} para verificar a existência do arquivo.
  • Os recursos da API para processar transações foram estendidos.
  • A sintaxe para macros incorporadas e definidas pelo usuário foi unificada, bem como o formato para chamá-las (% foo arg,% {foo arg} e% {foo: arg} agora são equivalentes).
  • Adicionado suporte para assinaturas digitais EdDSA.
  • Os utilitários para extrair Debuginfo são separados em um projeto separado.
  • Leitura corrigida de regressão rpm v3 e outros pacotes
  • Muitas traduções novas e aprimoradas
  • Argumentos de macro paramétricos corrigidos definidos por cli.
  • Correção para código de erro ausente em –eval se a gravação em stdout falhar
  • Corrigir permissões de arquivo solicitadas pela API não respeitadas
  • Corrija a invalidação desnecessária do cache do banco de dados
  • Adiciona suporte para o sistema operacional Darwin

Por fim, se você tiver interesse em saber mais sobre esta nova versão, poderá verificar os detalhes no link a seguir.

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.

Últimos artigos

Newsletter

Receba nossas atualizações!

Newsletter

Receba nossas atualizações!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.