in

Morte dos PCs foi decretada há uma década

No entanto, eles se reinventaram e estão aí, firmes e fortes.

Morte dos PCs foi decretada há uma década

Não faz muito tempo, especialistas em tecnologia estavam convencidos de que em 2020 o computador pessoal como o conhecemos estaria extinto. Você pode até marcar a data e a hora da morte do PC: 27 de janeiro de 2010, às 10 horas, horário do Pacífico, quando Steve Jobs subiu ao palco de São Francisco para revelar o iPad. A morte dos PCs foi decretada há uma década. O momento preciso foi documentado pelo notável Big Thinker Nicholas Carr, na New Republic, com esta manchete memorável: “O PC morreu oficialmente hoje”.

Alguns meses depois, a CNN Money adicionou seu próprio obituário, completo com tabelas e gráficos: “O fim do PC de mesa (sério)”.

Avanço rápido para abril de 2013, quando a Forbes ainda estava procurando por um impulso: “A morte do PC não foi exagerada”. No meio da década, a Wired usava o mesmo título clichê (baseado na coisa mais famosa que Mark Twain nunca disse), mas o qualificou com um advérbio vacilante: “A morte do PC não foi muito exagerada”.

E em 2017, o The Inquirer, que nunca desistiu de um tópico polêmico, admitiu que o paciente estava aparentemente vivo e bem: “O PC ainda não está morto e o mercado está ‘estabilizando'” , escreveram eles.

Nada mudou

E aqui estamos, uma década após a morte prematura do PC, e o setor ainda está vendendo mais de um quarto de bilhão de computadores pessoais todos os anos. O que é muito bom para uma indústria que vive com tempo contado há dez anos.

Talvez a razão pela qual a indústria de PCs ainda não tenha sofrido um evento de extinção em massa seja porque eles se adaptaram e porque essas plataformas concorrentes não foram capazes de assumir todas as tarefas centradas em PCs.

Então, o que é diferente quando nos aproximamos de 2020? Para obter uma imagem adequada do antes e depois, entrei na Wayback Machine e viajei de volta para 2010.

Cenário competitivo impediu a morte dos PCs foi decretada há uma década

Você não precisava ser um grande pensador para ver o início de uma grande tendência em 2010. Dispositivos móveis cada vez mais poderosos possibilitavam às pessoas concluir rapidamente uma variedade de tarefas que costumavam exigir um PC. Essa transição tecnológica drenou grande parte da demanda de PCs dos consumidores, embora tenha causado apenas o menor impacto na demanda comercial.

A primeira vítima foi o netbook, uma categoria de PCs baratos que usavam processadores Atom com pouca potência e telas menores do que você normalmente encontraria em um laptop básico.Morte dos PCs foi decretada há uma década

O PC pode estar vivo e bem, mas netbooks pouco potentes e desajeitados como esse já se foram há muito tempo.

Spoiler: Os consumidores notaram a diferença. Os netbooks eram lentos, feios e baratos, servindo mais como um lembrete de que você poderia obter um notebook de verdade por talvez US $ 100 a mais. A categoria desapareceu quase antes que alguém percebesse que estava desaparecendo.

Enquanto isso, os fabricantes de PCs perceberam que pelo menos dois grupos de clientes estavam dispostos a pagar um prêmio por um PC: compradores de empresas e jogadores. E assim, como veremos, os OEMs começaram a investir pesadamente nessas duas categorias.

O HARDWARE

As configurações de PCs de mesa (torres convencionais e dispositivos pequenos) não mudaram muito na década passada, mas os PCs portáteis certamente mudaram. Para um rápido curso de atualização sobre como era o mercado de laptops em 2010, você não precisa pegar emprestado a Wayback Machine. Basta ler este excelente resumo dos melhores notebooks de 2010, conforme selecionado pelo editor da Laptop Magazine, Mark Spoonauer.

Aqui está o que notei quando comparei a turma de 2010 com a tecnologia para PC, uma década depois.

Eles são mais finos e mais leves. 

O dispositivo que todo fabricante de PC pretendeu imitar na última década é, sem dúvida, o MacBook Air da Apple. A equipe dos laptops, de fato, o designou como seu “Dispositivo Avançado” para 2010, chamando os dispositivos de “ridiculamente leves”. Hoje, a maioria dos PCs com Windows de ponta pode atender ou superar essas especificações, com as limitações físicas da bateria e do teclado, impedindo que fiquem muito menores ou mais leves. Pelo menos eles não precisam mais de unidades ópticas.

macbook-air-2019.jpg
O MacBook Air original definiu a categoria laptop fino e leve. Este modelo de 2019 não é mais tão distinto.

Telas sensíveis ao toque e 2 em 1 são comuns. Em 2010, a Microsoft estava apenas começando a exibir seus PCs com Windows 7 habilitados para toque, mas eles foram rapidamente ofuscados pelo lançamento do iPad. Em 2015, a categoria havia se solidificado em uma ampla gama de dispositivos 2 em 1 com mudança de forma. Hoje, as telas sensíveis ao toque são comuns nos laptops com Windows, mas inexistentes nas linhas MacBook da Apple.

O armazenamento em estado sólido é padrão. 

A mídia convencional de disco giratório estava na moda em 2010, com revisores elogiando os dispositivos que ofereciam discos rígidos rápidos de 7200 RPM. Os SSDs se tornaram uma opção cara nos próximos anos e caíram drasticamente nos preços desde então, a ponto de hoje ser difícil encontrar um PC portátil com um disco rígido convencional.

A duração da bateria é melhor. 

Em 2010, os benchmarks de duração da bateria de 5 a 6 horas eram considerados bons, e o desempenho no mundo real era sempre menos impressionante. A tecnologia da bateria melhorou desde então, assim como a capacidade de CPUs, chipsets e software do sistema para gerenciar o uso de energia. Os PCs modernos costumam ter o dobro da vida útil da bateria de seus ancestrais de uma década atrás.

As portas evoluíram. 

Olhando para trás nesses designs de laptop de 2010, é impressionante o quão desajeitada era a programação de portas. Considere o “netbook para jogos” Alienware M11x, que prometeu “o poder gráfico de um laptop de 15 polegadas em um formato de 11 polegadas”. Era reconhecidamente pequeno, mas todo o lado esquerdo foi ocupado por portas, incluindo conectores VGA, HDMI e DisplayPort separados, além de portas Ethernet, USB e IEEE 1394 em tamanho normal. Nos PCs atuais, esses seriam substituídos por um ou dois conectores USB Tipo C.alienware-ports-2010.jpg

Para um dispositivo pequeno, este laptop Alienware vintage de 2010 com certeza possui muitas portas.

O SOFTWARE E SERVIÇOS

Há uma década, a maioria dos softwares era encolhida e o armazenamento em nuvem era uma novidade interessante. O Office 365 não foi lançado até 2011 e o OneDrive ainda era chamado de SkyDrive até 2014. Naqueles dias, as velocidades médias da Internet não eram suficientemente rápidas para tornar práticas totalmente orientadas para a nuvem.

Graças à conectividade sem fio onipresente e velocidades dramaticamente mais rápidas, a nuvem não é mais uma curiosidade. Da mesma forma, os serviços baseados na Web estão eliminando sistematicamente os últimos vestígios de software in a box. Em meados da década, essa tendência estava se acelerando para a Microsoft, sem dúvida a empresa mais importante da indústria de PC. (Veja “A transição da Microsoft do software tradicional para a nuvem está ganhando força”, publicada em 2015.).

As mudanças

O efeito dessa transformação em PCs portáteis é duplo. Primeiro, os requisitos de armazenamento caíram significativamente, com um SSD de 128 GB suficiente para a maioria dos PCs de médio porte. Segundo, as opções de conectividade sem fio melhoraram à medida que os padrões Wi-Fi evoluíram. E com os PCs baseados em ARM e as redes móveis 5G finalmente alcançando o mainstream, poderemos ver uma rápida evolução na conectividade celular em breve.

A outra grande tendência no software foi a transformação das atualizações do sistema operacional, que costumavam ser uma opção cara e agora são gratuitas. Como observado neste post de 2016, a Apple retirou as atualizações pagas do OS X em 2013 e a Microsoft seguiu o exemplo com o lançamento do Windows 10 em 2015. O resultado é que a vida útil de um PC pode se estender muito além dos tradicionais três ou quatro anos que costumava representar uma grande nova versão e um grande ciclo de atualização.

Morte dos PCs foi decretada há uma década

De fato, um dos desenvolvimentos mais interessantes no mercado de PCs é uma extensão lógica dessa tendência: assinaturas de hardware que substituem a propriedade de PCs. A versão da Microsoft é chamada Surface All Access for Business; mas o PC como serviço (PCaaS) para empresas da Dell é uma expressão muito mais pura do conceito.

Morte dos PCs foi decretada há uma década

Ambos os planos permitem alugar um novo PC sem custos iniciais e um pagamento mensal fixo e depois trocá-lo por um novo PC após 36 ou 48 meses. No caso da Dell, eles configuram tudo, removem dados com segurança e reciclam o PC no final do prazo.

OS OEMS

Morte dos PCs foi decretada há uma década

No início da década, pouco antes do lançamento do iPad da Apple, um PC era essencial para os consumidores que desejavam realizar tarefas on-line comuns, como fazer compras ou verificar as notícias. Porém, no início de 2019, “o mercado consumidor de PCs praticamente desapareceu” e três empresas que se concentravam principalmente em PCs comerciais tiveram uma participação cada vez maior em vendas e receitas: HP, Dell e Lenovo. Empresas como Toshiba e Fujitsu, que já tiveram alguns dos projetos mais interessantes, deixaram o mercado.

A principal adição à linha de OEMs de PC nesta década foi uma surpresa e também um pouco de montanha-russa. A revelação da Microsoft do Surface RT e Surface Pro originais em 2012 foi uma jogada ousada. O fracasso do Surface RT foi um embaraço caro. No entanto, a persistência da empresa e seu eventual sucesso com o Surface, transformando-o em uma marca de um bilhão de dólares, só surpreenderam as pessoas que não viram a tenacidade da Microsoft em outros campos.

Apple piorou

Morte dos PCs foi decretada há uma década

Talvez não tenha sido o PC que morreu há uma década. Talvez tenha sido o Mac. De qualquer forma, faça suas previsões sobre como os PCs serão em mais 10 anos, porque não parece que eles vão morrer tão cedo.

ZDNet

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

Fedora 32: como usar o EarlyOOM por padrão para lidar melhor com situações de pouca memória

Fedora 32 ainda permitirá senhas vazias por padrão

Invadir iPhone é sonho de consumo de hackers

Invadir iPhone é sonho de consumo de hackers