Imagem: 9to5Google

O Fuchsia é o sistema operacional misterioso do Google que deve substituir o Android em até 5 anos. No recente Linux Security Summit, a NSA revelou o que descobriu até o momento. Assim, a NSA investiga Google Fuchsia. A empresa já havia revelado que o Fuchsia não é Linux . Também houve rumores intermináveis, sem nenhuma comprovação, que ele acabará por substituir o Android. Fora isso, não sabemos muito. Mas a National Security Agency (NSA), está checando o Fuchsia e revelou as descobertas na recente North American Linux Security Summit em Vancouver, Canadá.

FUCHSIA É UM SISTEMA OPERACIONAL MODULAR

James Carter e Stephen Smalley, da NSA, mostraram alguns segredos do Fuchsia. Seu foco estava na segurança do Fuchsia e Zircon , seu micro-kernel subjacente.

Zircon começou como uma bifurcação do Little Kernel, o bootloader do Android. Ele foi fortemente modificado para se tornar um sistema operacional de micro-kernel. Ele agora inclui um pequeno conjunto de serviços, drivers e bibliotecas do espaço do usuário. Eles são usados ??para inicializar o sistema, ‘falar’ com hardware, carregar processos do espaço do usuário e executá-los, e não muito mais. O kernel gerencia vários tipos de objetos diferentes. Aqueles que são diretamente acessíveis através de chamadas do sistema são classes C ++ . O Fuchsia é construído em cima disso.

É um sistema operacional modular. Isso significa que você poderá usá-lo em dispositivos de recursos mínimos e com baixo consumo de energia, até em PCs. Você simplesmente adiciona os módulos de objeto para mais funcionalidade.

PARECE UNIX/LINUX

NSA investiga Google Fuchsia

Flutter

O Fuchsia também suporta um subconjunto de convenções POSIX (Portable Operating System Interface). Isso significa que, do ponto de vista de um desenvolvedor, parece Unix/Linux. A Fuchsia usa o Flutter do Google como seu kit de desenvolvimento de software (SDK). Com ele, você pode criar aplicativos do Chrome OS e do Android. O Fuchsia também suporta a linguagem Swift da Apple .

NUMEROSOS PROBLEMAS DE SEGURANÇA

O trabalho de Smalley e Carter é investigar sistemas operacionais e software para uso potencial em trabalhos de segurança nacional. Em suma, para ver se é fácil quebrar. A NSA não quer que o governo use sistemas frágeis.

Carter também ajudou a criar o SELinux , a versão mais segura para executar o Linux. No check-out Zircon e Fuchsia, eles compartilharam suas descobertas sobre o sistema operacional.

Primeiro, eles descobriram que o Zircon é a única parte do Fuchsia que funciona no modo de supervisor. Tudo o resto – drivers, sistemas de arquivos, rede etc – é executado no modo de usuário. Isso significa que programas no Fuchsia terão uma abordagem muito diferente da maioria dos sistemas operacionais.

Ao olhar mais profundamente, eles também encontraram vários problemas de segurança. Por exemplo, Carter disse: “Você pode criar um identificador para qualquer coisa (…) um vazamento de trabalho de raiz é fatal para a segurança”.

MUITO TRABALHO PRECISA SER FEITO

Por outro lado, os problemas do Fuchsia são grandes o suficiente para atrasar seu lançamento. Como Carter explicou, o Fuchsia é um sistema de “em progresso” e “muito trabalho precisa ser feito” antes que o Fuchsia esteja seguro.

Então, comparado ao Linux, o ainda imaturo Fuchsia está longe de ser seguro.

No entanto, maduro ou não, o Fuchsia pode estar em breve no Google Home Hub .

O FUCHSIA ESTÁ DENTRO DO GOOGLE HOME HUB?

Home Hub é um novo dispositivo Internet-of-Things (IoT). É essencialmente um Google Home com uma tela de toque de 7 polegadas. Ele inclui um alto-falante de tela cheia envolto em tecido, um sensor de luz e dois microfones de campo distante. Porém, não inclui uma câmera de vídeo. No entanto, ele terá uma CPU Amlogic S905D2 em vez de um SoC da Qualcomm SD624.

Igualmente, a equipe do site 9to5Google, que têm falado bastante sobre o Fuchsia, começou a investigar o código-fonte do Google Home Hub. Eles encontraram traços de Fuchsia no dispositivo.

Fonte

Claylson
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

LibreOffice traz melhorias na integração do Qt5 e suporte LXQt

Previous article

Sistema de bate-papo IRC faz 30 anos

Next article

You may also like

More in Notícias