Por que temos buscado tantas informações óbvias no Google?

Jardeson Márcio
4 minutos de leitura

O mecanismo de buscas do Google é utilizado por nós o tempo inteiro. Qualquer dúvida que surja, estamos lá, perguntando ao Google. Mas, por que estamos tão ligados a este mecanismo de buscas? Será que o Google acabou impedindo que guardemos as informações mais óbvias no nosso cérebro?

Armazenamento de informações

Antigamente, as pessoas tinham que se lembrar de muita informação sem a possibilidade de sua fixação material. Os portadores do conhecimento científico disponível eram considerados sábios. Eles estavam em homenagem porque eram eles que tinham a erudição de manter dados válidos e eram os responsáveis por passá-los de boca em boca.

As pinturas rupestres foram uma das primeiras e mais primitivas formas de armazenamento de informações. Em seguida, a escrita aparece e torna-se mais acessível para as pessoas transmitirem grandes quantidades de dados. A necessidade aguda de lembrar de cada detalhe desaparece da noite para o dia, pois todos os detalhes podem ser anotados e salvos.

Com o aprimoramento dos meios de armazenamento de informações, entre os quais papiro, papel, fita perfurada, fitas magnéticas, disquetes, discos rígidos e flashcards, seu método de armazenamento também evoluiu. Hoje já estamos falando de transferência digital de dados, que simplifica muitas vezes nossas vidas, tornando-as mais rápidas.

por-que-temos-buscado-tantas-informacoes-obvias-no-google

Buscas de informações no Google

A qualquer momento podemos colocar uma questão que nos interesse a um motor de busca, que nos responderá de várias formas, interpretações, mostrar, contar e sugerir consultas semelhantes. Parece que temos oportunidades ilimitadas para aprender muitas coisas, para autodesenvolvimento, autoeducação, aprimoramento pessoal e nas áreas de nosso interesse. Mas uma das graves consequências dessa acessibilidade é o chamado efeito Google, aponta o MarketResearch.

Em 2011, foi realizado um estudo na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, para determinar o impacto da tecnologia do computador em nossa memória. Armazenar informações fora da memória de um indivíduo específico nunca foi novidade. Existe um conceito da chamada memória transativa.

Se uma pessoa está empenhada em promover um site, por exemplo, pode ser necessário alterar sua aparência. Nesse caso, ele recorrerá a um especialista em construção de sites. Ou seja, ele não precisará memorizar o algoritmo para alterar a aparência do site, pois a qualquer momento se dirigirá a esse especialista. Chama-se memória transativa, uma memória de fora.

E agora imagine que essas pessoas são computadores, que transmitem informações uns aos outros. E nós, como consumidores desta informação, não recorremos uns aos outros, mas sim ao motor de busca, que nos dá a resposta de imediato. E como a pesquisa mostra, quando fazemos uma pergunta, imediatamente começamos a pensar não em seu conteúdo, mas em quais fontes dessa informação podem nos ajudar.

A verdade é que, a maneira como armazenamos nossas memórias hoje está mudando e nossas memórias se adaptam a isso. E torna-se fundamentalmente importante entender claramente a diferença entre o que você sabe onde a informação está armazenada e o que significa saber.

Desenvolva suas habilidades cognitivas para enriquecer sua bagagem de conhecimento. Claro, temos suporte robusto para desenvolvimento na forma de mecanismos de busca, mas os usamos apenas para fins auxiliares, ainda assim, o trabalho principal fica por sua conta.

Via: MarketResearchTeleCast

Share This Article
Follow:
Jardeson é Mestre em Tecnologia Agroalimentar e Licenciado em Ciências Agrária pela Universidade Federal da Paraíba. Entusiasta no mundo tecnológico, gosta de arquitetura e design gráfico. Economia, tecnologia e atualidade são focos de suas leituras diárias. Acredita que seu dia pode ser salvo por um vídeo engraçado.