in

Queda na economia faz crescer uso de código aberto

Wall Street pode continuar sua ascensão insana, mas a Tidelift está descobrindo que os negócios mais sensatos e financeiramente limitados na Main Street estão se tornando cada vez mais open source.

Queda na economia faz crescer uso de código aberto

A queda na economia em todo mundo por causa da pandemia teve pelo menos um efeito colateral positivo e faz crescer o uso do código aberto. E a conta é bem simples de ser feita. O código aberto funciona e é barato. Enquanto a economia desce ladeira abaixo, as empresas inteligentes recorrem ao código aberto. A Tidelift, uma importante empresa de suporte comercial e manutenção de código aberto da comunidade, encontrou a prova para essa ideia em sua terceira Pesquisa de Código Aberto Gerenciado anual.

Como explicou o CEO da Tidelift, Donald Fisher, “Esta descoberta continua uma tendência que começou após a recessão do início dos anos 2000 e continuou após a crise financeira de 2008. As organizações recorrem ao código aberto em tempos econômicos difíceis porque isso as ajuda a reduzir custos e melhorar sua capacidade inovar.”

Queda na economia faz crescer uso de código aberto. Fazer mais com menos durante a recessão do coronavírus

Queda na economia faz crescer uso de código aberto

  • Quarenta e dois por cento das organizações relatam que seus orçamentos de desenvolvimento de aplicativos foram cortados e 44% das organizações afirmam que provavelmente usarão mais código aberto.
  • Mais de dois terços dizem que economizar tempo e dinheiro é o principal motivo para usar mais código aberto para desenvolvimento de aplicativos durante a recessão (68%), enquanto o aumento da eficiência do desenvolvimento e manutenção de aplicativos foi citado por quase metade dos entrevistados (48%).

Curiosamente, quanto maior a empresa – organizações com mais de 1.000 funcionários – maior a probabilidade de eles citarem a eficiência (61% contra 41% para organizações com menos de 1.000 funcionários) como motivo para incentivar o código aberto.

E, como sempre, evitar a dependência de fornecedores proprietários é outra razão pela qual as empresas continuam recorrendo ao código aberto. Quarenta por cento das organizações estão se voltando para o código aberto como uma forma de substituir softwares proprietários caros e obter mais controle sobre os gastos futuros. Assim, novamente, este foi um motivo mais importante para empresas maiores. 50% para organizações com mais de 1.000 funcionários, do que para as menores, 37% para organizações com menos de 1.000 funcionários.

Mudar para o código aberto de programas e métodos proprietários, entretanto, não é um passeio simples.

A pesquisa da Tidelift descobriu:

  • As grandes empresas reclamam de sobrecarregas por processos de aprovação de código aberto complicados. Ao mesmo tempo, o novo trabalho das equipes de TI domésticas está lutando para tomar boas decisões sobre quais componentes usar e como identificar e resolver vulnerabilidades de segurança.
  • A confiança nas práticas de código aberto de uma organização diminui à medida que o tamanho da empresa aumenta. Apenas uma pequena fração (18%) das organizações estão extremamente confiantes de que seus componentes de código aberto são seguros, com boa manutenção.
  • Dito isso, quase metade, 49%, dos líderes das maiores empresas estão incentivando a mudança para métodos e software de código aberto.
  • Os processos formais em torno do gerenciamento de código aberto estão aumentando, mas ainda é gratuito para todos. Apenas 17% das organizações têm um processo formal de gerenciamento de código aberto.

Quanto a contribuir para o código aberto, e não simplesmente usar programas de código aberto:

  • 83% dos entrevistados disseram que sua organização contribui com o código aberto.
  • Destes, quase metade, 49%, tem políticas que regem as contribuições dos funcionários para o código aberto. A forma mais popular de as organizações contribuírem com o código aberto é alocando o tempo do funcionário para codificar, escrever ou apoiar projetos de código aberto.

Especificamente, a Tidelift descobriu que as três principais linguagens de programação nas quais as organizações mais confiam são JavaScript, Python e Java. JavaScript tem 78% de participaão, enquanto Python é por pouco mais da metade 52%. Java tem uso em aplicativos com muito mais frequência em organizações maiores, 66% contra apenas 32% para outros grupos.