Red Hat e SUSE abandonam a Rússia

Claylson Martins
3 minutos de leitura

A guerra está trazendo prejuízos à Rússia também em relação ao Linux. Duas gigantes do mundo corporativo, Red Hat e SUSE abandonam a Rússia depois das várias sanções de empresas ocidentais àquele país. O impacto é maior por se tratarem de duas empresas com foco no software livre e código aberto, mesmo que ofereçam produtos e serviços pagos.

A SUSE foi a primeira a pular fora. A CEO da SUSE, Melissa Di Donato, assistiu com profundo desespero a invasão injustificada da Ucrânia pela Rússia. Em 7 de março, Di Donato decidiu que a SUSE apoiaria os esforços humanitários para ajudar refugiados e vítimas de guerra. Este é um momento especialmente desafiador para a SUSE, pois muitos funcionários da SUSE têm familiares ucranianos. 

Agora, a SUSE está “avaliando todas as nossas relações comerciais na Rússia e suspendeu todas as vendas diretas na Rússia“. A SUSE também está “observando todas as sanções econômicas” e pronta para cumprir quaisquer sanções adicionais.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, Paul Cormier, presidente e CEO da Red Hat, foi mais longe. Para a Red Hat, com funcionários na Ucrânia e na Rússia, isso não foi fácil. 

Em um e-mail da equipe, Cormier declarou:

“Com efeito imediato, a Red Hat está descontinuando vendas e serviços na Rússia e Bielorrússia (para ambas as organizações localizadas ou sediadas na Rússia ou Bielorrússia) com sede na Rússia ou na Bielorrússia.” 

Red Hat e SUSE abandonam a Rússia

Red Hat e SUSE abandonam a Rússia
Red Hat e SUSE abandonam a Rússia

Além disso, a Red Hat está ajudando seus funcionários ucranianos e suas famílias a se mudarem com segurança para países próximos, como a Polônia. A empresa também está fazendo o que pode para “ajudar os que permanecem no país de todas as formas possíveis”. A Red Hat também apoiará seus associados na Rússia.

A Docker também se mudou da Rússia. O CEO do Docker, Scott Johnson, disse: “O Docker está ao lado dos membros de nossa comunidade ucraniana e da nação soberana da Ucrânia. Não faremos negócios com empresas russas durante este período. Como tal, removemos a capacidade de comprar assinaturas do Docker da Rússia e da Bielorrússia.”

A Microsoft, que acredita ou não ser uma empresa Linux, foi ainda mais longe. O presidente da Microsoft, Brad Smith, anunciou que a empresa ajudaria a Ucrânia contra ataques cibernéticos russos. Smith escreveu que, embora “somos uma empresa e não um governo ou um país”, a Microsoft ajudaria a proteger a Ucrânia de ataques cibernéticos. Outras empresas, como a SpaceX Starlink, também estão ajudando ativamente a Ucrânia.

Muitas outras empresas dos EUA, Reino Unido e UE cortaram seus laços com a Rússia em um grau ou outro. Estes incluem Apple, Oracle, Netflix, TikTok, MasterCard, Visa e DXC. 

Via ZDNet

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.