Uma transação Bitcoin consome tanta água quanto uma piscina de quintal

Ambientalmente o impacto das transações do Bitcoin é gigante quando o assunto é energia e água!

Emanuel Negromonte
5 minutos de leitura

O Bitcoin, que foi criado com o objetivo de revolucionar as finanças e libertar-nos do controle centralizado da nossa atividade bancária, pode acabar tendo um impacto devastador no nosso planeta, de acordo com um novo estudo realizado por Alex de Vries, pesquisador da Vrije Universiteit Amsterdam.

No estudo, publicado na revista Cell Reports Sustainability, de Vries estimou que em 2021 a mineração de Bitcoin consumiu mais de 1.600 gigalitros de água em todo o mundo. Cada transação no blockchain usou 16.000 litros de água, o que é 6,2 milhões de vezes mais do que é usado cada vez que deslizamos um cartão de crédito para pagar algo.

Uso da água em transações do Bitcoin

A água é usada nessas transações para resfriar os equipamentos de informática usados para extrair Bitcoin, bem como para resfriar as usinas que fornecem eletricidade para esses computadores. “Para gerar eletricidade, também é necessária muita água para resfriar as usinas movidas a combustíveis fósseis”, explica de Vries.

Apenas entre 10% e 20% do uso de água envolvido em cada transação de Bitcoin é direto, ou seja, usado para resfriar o equipamento que realmente extrai o Bitcoin. O restante é a pegada indireta da transação, onde a água é utilizada em outras partes da cadeia de abastecimento.

“A pegada hídrica é um custo ambiental muito importante, mas muitas vezes esquecido, dos sistemas de computação, incluindo IA e Bitcoin”, diz Shaolei Ren, professor associado de engenharia elétrica e de computação na Universidade da Califórnia, em Riverside, que tenta rastrear o impacto da água de diversas tecnologias. Ren não esteve envolvido no estudo de sustentabilidade da Cell Reports.

Ren saúda o artigo que apresenta uma estimativa concreta da pegada hídrica geral do Bitcoin. “A pegada hídrica operacional para resfriamento de servidores e usinas de energia já é enorme”, diz ele. “Se considerarmos ainda mais a pegada hídrica incorporada para a fabricação de servidores Bitcoin, a pegada hídrica total poderia ser facilmente duplicada. Mas, neste momento, há muito poucos dados disponíveis, ou nenhum, sobre a pegada hídrica incorporada.”

Ren, no entanto, sugere que os cálculos de de Vries podem estar subestimando o uso de água. O estudo compara a pegada hídrica do Bitcoin nos Estados Unidos com o uso de água de 300.000 domicílios nos EUA, o que é bastante impressionante. No entanto, Ren acredita que o uso doméstico de água foi confundido com a retirada de água doméstica. As residências consomem apenas cerca de 10% da água que retiram, o que significa que o número equivalente de residências deveria ser 10 vezes maior, ou seja, três milhões de residências.

Independentemente dos números, de Vries acredita que a indústria de criptomoedas pode e deve fazer melhor, tanto coletivamente quanto individualmente. “Os próprios mineradores podem reduzir seu próprio consumo de água recorrendo a métodos de resfriamento que não utilizam tanta água”, diz ele, apontando para o resfriamento por imersão, onde o equipamento de computação é resfriado com um fluido especial, não água. A forma como você obtém sua energia também é importante, acrescenta de Vries: as fontes eólica, solar e outras fontes renováveis são preferíveis às usinas de combustíveis fósseis, que geralmente são resfriadas por água.

Mas a melhor maneira, sugere ele, é reescrever como os Bitcoins são extraídos. Ele aponta para o Ethereum, que recentemente mudou a forma como produz criptomoedas, de uma mineração de prova de trabalho que consome muita energia para um método de prova de participação. “Ao fazer essa mudança, eles eliminaram completamente a necessidade de poder computacional”, diz ele. “No caso deles, eles reduziram a demanda de energia em 99,85% apenas com a mudança do software. Você também pode fazer isso acontecer no Bitcoin – se você realmente quiser.”

TAGGED:
Share This Article
Follow:
Fundador do SempreUPdate. Acredita no poder do trabalho colaborativo, no GNU/Linux, Software livre e código aberto. É possível tornar tudo mais simples quando trabalhamos juntos, e tudo mais difícil quando nos separamos.