Usuários reclamam do fim do suporte ao Itanium no Linux

Assim que o suporte Intel IA64 fo removido do kernel Linux, começam as reclamações sobre ele… mas as discussões são fascinantes.

Claylson Martins
4 minutos de leitura

Bastou falar que iria sumir do suporte oficial. Isso foi o suficiente para que usuários reclamassem do fim do suporte ao Itanium no Linux. Embora a proposta para remover o suporte à infame arquitetura Itanium da Intel – também conhecida como Itanic – do Linux tenha sido rejeitada em fevereiro, apenas algumas semanas atrás, em outubro, a mudança foi aprovada para o kernel 6.7.

Tal como seria de esperar, isto deixou algumas pessoas muito irritadas e foi considerado por pouco como uma má jogada. LWN tem uma excelente análise sobre isso sob o título Push to save Itanium.

Linus Torvalds, entretanto, respondeu, dizendo:

Eu estaria disposto a ressuscitar o suporte ao Itanium, embora eu pessoalmente despreze a arquitetura por ser fundamentalmente baseada em premissas de design defeituosas e em uma implementação baseada na política, em vez de em um bom design técnico.

Ele oferece uma proposta talvez atipicamente modesta e razoável, bem resumida por @mewse em Lobsters:

Vocês que ainda querem a arquitetura, mantenham um conjunto de patches fora do ramo para a arquitetura por um ano e consideraremos torná-la principal novamente.

Usuários reclamam do fim do suporte ao Itanium no Linux

Tradução: se as pessoas que estão reclamando da necessidade de mais tempo para essa mudança, de repente encontrarem tempo para modernizar o código que não desejam remover, ele poderá ser adicionado novamente. Isso não vai acontecer e imagino que todos saibam que não vai acontecer.

Nós mesmos não poderíamos dizer melhor. Admiramos especialmente este resumo de como e por que o Itanic zarpou. É altamente recomendável, mas caso alguma terminologia não seja familiar, também tentaremos descompactá-la.

Para resumir o resumo, quando a Intel iniciou seu projeto EPIC – não, na verdade, significa Explicitly Parallel Instruction Computing [PDF] – a ideia de execução fora de ordem (OoOE) em microprocessadores era nova, e para x86, não comprovada. Em resumo, o conceito de OoOE é que os processadores podem quebrar instruções x86 complexas em pedaços menores, semelhantes a RISC, resequenciá-las rapidamente para executá-las o mais rápido possível e, em seguida, remontar os resultados na ordem que o software originalmente esperava.

Usuários reclamam do fim do suporte ao Itanium no Linux

Em 1994, não havia certeza de que os futuros processadores x86 seriam capazes de explorar efetivamente o paralelismo de nível de instrução, ou ILP, como a HP o chamava [PDF], em código de máquina. Então, em vez de apostar em grandes melhorias no design de CPUs para executar o código existente, parecia uma aposta mais segura fazer com que o compilador fizesse isso antecipadamente e projetar um conjunto de instruções totalmente novo com palavras de instrução muito longas para tornar isso possível.

meta-análise sobre isso também é uma leitura interessante.

O Itanic não é a única arquitetura de CPU Intel que desapareceu nas ondas, é claro. Recentemente falamos sobre o iAPX432, a tentativa de mainframe em um chip da empresa no final dos anos 1970. O design muito complexo do iAPX432 foi substituído por um RISC mais simples para criar os chips RISC i960, que estavam desaparecendo no final da década de 1990.

O i960 também foi o primeiro processador OoOE da Intel, e seu principal arquiteto, o especialista superescalar da Intel, Fred Pollack, também trabalhou no Pentium Pro, um design tão bom que afundou o Itanic. O i960 foi posteriormente sucedido por outro chip Intel RISC, o i860, chip no qual o Windows NT foi desenvolvido. O i860 também não levou a lugar nenhum.

Share This Article
Follow:
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.