SempreUPdate
Notícias sobre Ubuntu, Debian, Fedora, Linux, Android, Tecnologia, LibreOffice e muito mais!

Agora é oficial, Munique voltará a usar o Windows e em breve Office Microsoft

Já tem algum tempo que anunciamos aqui que Munique estava desistindo do Linux e do LibreOffice, no entanto, faltava a avaliação do conselho e de fato foi aprovado, agora é oficial. Não é a primeira vez que essa mudança acontece, os custos são altos o que torna inviável fazer os ajustes pela cidade de Munique.

Nestes 14 anos usando o GNU/Linux e o LibreOffice a soma dos computadores usando o GNU/Linux chegou a 29.000 e o LibreOffice 6.000, no entanto, essa mesma quantidade de computadores agora retorna inicialmente ao Microsoft Windows e depois se aprovado, para o Microsoft Office

Munique agora vai gastar cerca de 50 milhões de euros para concluir ao menos a compra do Windows 10, o que é um valor alto. Esses computadores já entram na lista negativa de menos computadores executando o GNU/Linux, se continuarmos assim, aquele artigo que postamos sobre a opinião do Artem, um dos críticos em torno do GNU/Linux, sobre as razões que o GNU/Linux nunca vai ter sucesso em grande escala, já acontece.

O prefeito de Munique Dieter Reiter em uma nota informou que mais de 6.000 funcionários pediram a volta para os produtos Microsoft, ou seja aproximadamente 23.000 mil pessoas não optaram para o retorno ao M$.

O Dr. Florian Roth, líder do Partido Verde em Munique, questionou se o retorno à Microsoft foi realmente a melhor maneira de melhorar a TI por lá:

“Estamos de acordo em que as melhorias em nossas TI são absolutamente necessárias. Mas se o modelo caro de uma reversão completa para a Microsoft, com os custos financeiros associados, é a resposta então estão abertos a perguntas”, disse ele.

“Muitos milhões, recursos, pessoas realmente precisam ser amarrados em um projeto tão desnecessário?”

Roth também argumentou que ser tão dependente da Microsoft, ou qualquer outro fornecedor único, levantou possíveis problemas de segurança. “O escritório federal alemão em relação a segurança da informação, Bundesamt für Sicherheit in der Informationstechnik, repetiu recentemente que uma monocultura em software é perigosa”, disse ele.

Embora a equipe tenha relatado problemas intermitentes com a TI no conselho, pesquisas passadas encontraram apenas uma minoria de funcionários que queriam retornar ao Windows e ao Microsoft Office . No entanto, tem havido críticas severas a área de TI, o departamento de recursos humanos ficava dizendo que a produtividade “diminuiu notavelmente” devido a falhas e erros de impressão desde a mudança para software de código aberto.

No ano passado, um estudo de TI levou o conselho a entender que iria demorar muito tempo para atualizar o software e corrigir erros , resultando em aplicações “obsoletas, parcialmente inseguros, extremamente pesados, levando a muita perda de tempo e produtividade”, mas culpou a falta de coordenação entre os mais de 20 departamentos de TI que atendem a cidade, e não o uso de software aberto.

Um membro do conselho com conhecimento no GNU/Linux LiMux descreveu a decisão como “tremendamente decepcionante”, enquanto outra disse que era “um desastre em termos de custos” e problemas desnecessários com o LiMux e o software de fonte aberta que foram amplamente eliminados.

Matthias Kirschner, presidente da Free Software Foundation Europe, questionou por que o conselho está investindo tanto em mudar para um novo sistema operacional de desktop, se ao mesmo tempo se concentra em desenvolver aplicativos que serão executados em qualquer plataforma.

Thomas Ranft, do grupo FDP/HUT, perguntou por que o conselho deveria gastar tanto dinheiro para desistir da “independência do fornecedor que o Linux nos forneceu”, especialmente se o Windows não fosse uma solução a longo prazo.

Agora do LibreOffice para Microsoft Office

O conselho também aprovou um teste de 6.000 lugares do Microsoft Office 2016, que será executado em máquinas virtuais.

As descobertas deste teste piloto serão discutidas pelo conselho no final de 2018, quando Munique deverá votar se deve substituir ou não o LibreOffice pelo Microsoft Office. Se o movimento para o Microsoft Office for aprovado, espera-se que ele comece em 2021 e seja concluído até o final de 2023.

O custo estimado da migração para o Microsoft Office, quando combinado com a migração do Windows 10, pode ultrapassar 100 milhões de euros de acordo com um relatório, devido principalmente à enorme despesa de converter mais de 12.000 modelos e macros do LibreOffice, além de desenvolver um novo modelo sistema.

Aqueles que apoiam a mudança para o Microsoft Office dizem que o pessoal que usa o LibreOffice tem dificuldade em trocar documentos com organizações externas, devido a incompatibilidades com o Microsoft Office, embora um membro do conselho tenha dito que essas questões afetem não mais de 60 funcionários, comparado aos milhares de usuários de computadores que executam o LibreOffice de forma satisfatória.

Agora é só esperar, mas pela forma como toda essa história esta sendo conduzida, certamente deve ter apenas uma única pessoa interessada na migração, até agora as estatísticas não apontam um grande movimento para a migração, mas um grupo isolado de pessoas que já negociavam anteriormente com a Microsoft.

A migração começa em 2020!

Comentários