in

Ataques hacktivistas caíram 95% desde 2015

A cena hacktivista entra em colapso quando o coletivo hacker anônimo morre lentamente.

Ataques hacktivistas caíram 95% desde 2015

Os analistas de inteligência de ameaças há tempos dizem que o hacktivismo estava morto. Porém, novos dados publicados pela IBM X-Force confirmam o completo colapso do cenário do hacktivismo. Eles mostram os níveis de atividade caindo em 95% desde 2015. Assim, os ataques hacktivistas caíram 95% desde 2015.

De acordo com a IBM, os incidentes de segurança causados por grupos de hackers operando em causas de hacktivismo estão em declínio desde 2015, quando a empresa registrou um pico, com 35 incidentes relatados publicamente.

Desde então, os incidentes diminuíram a um ritmo constante. Foram apenas 5 casos registrados em 2017, dois em 2018 e zero nos primeiros meses do ano.

Ataques de grupos hacktivistas continuaram a acontecer. No entanto o número de incidentes reais (violações bem-sucedidas) diminuiu a um ritmo constante.

Pesquisadores culpam dois fatores por esse declínio: a morte do coletivo de hackers Anonymous e uma repressão por agentes policiais que diminuíram as fileiras hacktivistas.

A Morte do Anonymous

Provavelmente, o maior responsável pelo colapso da atividade hacktivista foi a desintegração do coletivo de hackers Anonymous. Segundo a IBM, esse grupo foi responsável por quase 45% de todas as violações de segurança atribuídas por hacktivistas.

Hackers anônimos já violaram empresas e redes governamentais por várias causas humanitárias ou sociais. Contudo, segundo a IBM, o nome do grupo já foi afetado por seu envolvimento com campanhas com temas políticos, que começaram por volta de 2016.

O grupo se envolveu em campanhas como:

#OpKKK (expondo membros do KKK);

#OpParis (expondo membros do ISIS);

#OpISIS (expondo membros/sites do ISIS);

#OpWhale (violando sites de autoridades japonesas e islandesas envolvidas em caça não autorizada);

#OpIcarus (atacando bancos e instituições financeiras).

O grupo tem sido visto nos últimos anos, despejando dados roubados de organizações políticas, que em alguns casos foi provado ter sido adulterado.

Segurança faz ataques hacktivistas caírem 95% desde 2015

Ataques hacktivistas caíram 95% desde 2015

Isso levou ao surgimento do termo “Anons falsos” para descrever os membros do Anonymous ou não associados ao grupo, ou agindo em agendas pessoais. Todos visando promover várias propagandas sociais ou políticas, ou lucrar financeiramente com a comunidade Anônima.

Fake Anons dividiram o grupo maior, uma vez que agiram sobre crenças comuns, em pequenas células dissidentes operando em seus próprios credos, às vezes em completa oposição com outras facções anônimas, causando confusão entre o público em geral e outros membros também. Com uma falta de liderança e com uma agenda confusa, os membros se afastaram lentamente, desmentindo o nome do Anonymous.

Qualquer tentativa de diminuir o número de Anons falsos pode ter levado a uma diminuição no número de verdadeiros atores Anônimos em geral, disse o analista de ameaças da IBM, Camille Singleton.

Além disso, o envolvimento de grupos de estado-nação também mancharam o nome do Anonymous. Esses grupos de estado-nação, geralmente operados por agências de inteligência de elite, se disfarçaram de anônimos para promover propaganda política ou campanhas de influência pública.

Suas ações fizeram com que muitos membros do Anonymous desconfiassem do grupo e concentrassem seus esforços em algo diferente do hacktivismo.

Porém, nada levou à morte do grupo mais rápido do que a ineficiência da maioria de seus ataques. Desfigurar sites e lançar ataques DDoS raramente faz qualquer coisa.

Também não rouba dados de sites que não estão relacionados a um tópico específico. Em muitos casos, os hackers anônimos acabaram despejando informações pessoais do usuário no domínio público e ferindo pessoas inocentes por causas ridículas, atraindo tanto o desprezo quanto o ridículo.

Isso, por sua vez, levou a uma maior atenção de setores de segurança. Estes reprimiram os membros dos grupos Anonymous e LulzSec, mas também os menores.

PRISÕES, PRISÕES, PRISÕES

O monitoramento interno da X-Force IRIS de prisões relacionadas revelou que as agências de segurança nos EUA, Reino Unido e Turquia prenderam pelo menos 62 hacktivistas desde 2011, disse Singleton. Suspeitamos que o número real seja maior que o anunciado publicamente.

Algumas das prisões mais notáveis incluem Martin Gottesfeld, o hacker Anonymous, do Hospital Infantil DDoSed Boston; James Robinson, que protestou contra o abuso policial em Ohio; e Deric Lostutter, um membro anônimo que expôs um caso de estupro em Kentucky.

Mas muitas outras prisões também ocorreram [ 1 , 2 , 3 ]. Apesar disso, Singleton não vê o hacktivismo desaparecendo para sempre.

Questões agudas de justiça social, maior capacidade organizacional entre os grupos hacktivistas e uma mudança mais forte para áreas que estão além do alcance da lei têm o potencial de mudar drasticamente a face do hacktivismo em um período relativamente curto de tempo. Mais provável que não. Estamos experimentando uma calmaria na atividade hacktivista, em vez de uma conclusão, disse o pesquisador da IBM.

No entanto, alguns discordariam da conclusão de Singleton. Para muitos, o hacktivismo está morto.

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.