in

Brave gera impressões digitais aleatórias do navegador para preservar privacidade do usuário

“A nova abordagem do Brave visa fazer com que cada navegador pareça completamente único, tanto entre sites quanto entre sessões de navegação

Brave gera impressões digitais aleatórias do navegador para preservar privacidade do usuário

O navegador Brave continua com grandes esforços em torno de melhorar a privacidade dos usuários. Agora, o navegador está trabalhando em um recurso que irá randomizar sua “impressão digital” toda vez que um usuário visitar um site. Esta é mais uma importante tentativa de preservar a privacidade do usuário. Portanto, o Brave gera impressões digitais aleatórias do navegador para preservar privacidade do usuário.

A decisão da Brave ocorre quando anunciantes e empresas de análise online estão deixando de rastrear usuários por meio de cookies e usando impressões digitais. Essa mudança começou no ano passado, em maio de 2019, depois que o Google anunciou planos para bloquear cookies de rastreamento de terceiros.

Ao longo de 2019, anunciantes e fornecedores de análises começaram a se adaptar a essa mudança iminente, lançada com o Chrome 80, em fevereiro de 2020.

Atualmente, a maioria das empresas de publicidade e análise utiliza as “impressões digitais dos usuários”. Assim, este é o principal método de rastreamento de usuários na web.

Brave gera impressões digitais aleatórias do navegador para preservar privacidade do usuário. Porém, o que são essas impressões digitais do usuário?

Para usuários não familiarizados com o termo, as impressões digitais são uma coleção de detalhes técnicos sobre um usuário e seu navegador. Então, eles incluem um amplo espectro de dados, como detalhes da plataforma e medições da API da Web.

Os detalhes da plataforma incluem vários dados, como:

  • detalhes do sistema operacional;
  • tipo e versão do navegador;
  • especificações de hardware;
  • uma lista de fontes instaladas;
  • detalhes sobre o tamanho e a resolução;
  • e muito mais.

As medições da API da Web incluem os resultados de scripts que os anunciantes ou empresas de análise executam secretamente no navegador do usuário. Por exemplo, eles podem medir como um navegador renderiza vários elementos via desenho em tela, via WebGL, a rapidez com que um navegador gera som por meio da API de áudio e muito mais.

Todas essas operações da API, embora iguais, são renderizadas um pouco diferentes para cada usuário, com base nos recursos de seu navegador e plataforma de hardware.

Uma “impressão digital” do usuário é o resultado da combinação dos detalhes da plataforma do usuário e das medições da API da Web. Quanto mais pontos de dados um anunciante possui, mais precisa é a impressão digital e melhor ele pode rastrear o usuário enquanto se move pela Web.

A RANDOMIZAÇÃO DOS VALORES DAS IMPRESSÕES DIGITAIS É A MELHOR ABORDAGEM

Nos últimos anos, os fabricantes de navegadores perceberam que haverá uma mudança no rastreamento do usuário em relação às impressões digitais.

O Firefox foi o primeiro grande navegador a resolver esse problema crescente, adicionando ao seu navegador uma configuração anti-impressão digital que permite que os usuários bloqueiem tentativas de impressão digital no navegador. A Apple seguiu o exemplo alguns meses depois, quando implementou uma abordagem diferente, fazendo o Safari retornar valores idênticos para alguns pontos de dados de impressões digitais, como fontes.

A verdade infeliz sobre todas essas abordagens é que, apesar de bem-intencionadas, nenhuma delas é muito eficaz na prevenção de impressões digitais, disse a equipe do Brave em um post na semana passada.

A enorme diversidade de superfícies de impressões digitais nos navegadores modernos faz com que essas abordagens de ‘bloqueio’, ‘negação’ ou ‘permissão’ estejam entre insuficiente e inútil, infelizmente, acrescentaram.

A nova abordagem do Brave visa fazer com que cada navegador pareça completamente único. Tanto entre sites quanto entre sessões de navegação, disseram os desenvolvedores do Brave.

Ao fazer com que seu navegador pareça constantemente diferente durante a navegação, os sites não conseguem vincular seu comportamento de navegação. Portanto, não conseguem rastrear você na Web.

ATUALMENTE EM TESTE

Brave gera impressões digitais aleatórias do navegador para preservar privacidade do usuário

Atualmente, o recurso está ativo nas versões Brave Nightly e está programado para um lançamento mais amplo ainda este ano.

Detalhes técnicos sobre como o recurso de randomização de impressão digital funcionará estão disponíveis aqui. Um site de demonstração para testar como o recurso funciona no Brave Nightly e em outros navegadores está disponível aqui.

Este é o segundo recurso importante de preservação da privacidade que a Brave anunciou desde o mês passado. Assim, a equipe do Brave também anunciou planos de implantar um sistema que oculta elementos de páginas que prejudicam a privacidade de sites renderizados dentro do Brave. Os engenheiros disseram que esse sistema ajudará o navegador a bloquear anúncios de terceiros que não podem ser bloqueados na camada de rede.

Brave gera impressões digitais aleatórias do navegador para preservar privacidade do usuário

Embora lançado há algum tempo, o navegador Brave encontrou atualmente uma identidade, posicionando-se como um dos navegadores mais privados do mercado. Um estudo publicado no mês passado confirmou os esforços da equipe ao definir o Brave como o Navegador com o menor número de conexões para sua infraestrutura de back-end.

ZDNet

Escrito por Claylson Martins

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

lista-dos-servidores-dns-para-2019

Lista dos servidores DNS gratuitos para 2020

Firefox 74 é oficialmente lançado com DNS sobre HTTPS

Firefox 74 é oficialmente lançado com DNS sobre HTTPS