CEO do Google fala sobre o mecanismo de busca censurado na China
SAN FRANCISCO, CA - OCTOBER 15: Sundar Pichai speaks onstage at WIRED25 Summit: WIRED Celebrates 25th Anniversary With Tech Icons Of The Past & Future on October 15, 2018 in San Francisco, California. (Photo by Matt Winkelmeyer/Getty Images for WIRED25 )

Pela primeira vez, o CEO do Google fala sobre o mecanismo de busca censurado na China. Sundar Pichai, afirmou à revista Wired, em São Francisco, que a empresa está adotando uma “visão de longo prazo” sobre o país. Portanto, confira neste post que o CEO do Google fala sobre censura na China.

O Project Dragonfly, é desenvolvido em meio a muita polêmica. Um relatório divulgado em agosto pelo Intercept , gerou uma reação significativa, com vários funcionários se demitindo em protesto.

Censura x Informação

CEO do Google fala sobre o mecanismo de busca censurado na China

O Google não confirmava a existência do projeto Dragonfly até que seu chefe de privacidade, Keith Enright, falou em uma audiência no Senado norte-americano no mês passado. Mesmo assim, Enright não forneceu muitas informações sobre o projeto. Então, os comentários de Pichai no WIRED 25 são os mais detalhados feitos oficialmente pela liderança do Google até agora. E ele parece otimista:

“Seremos capazes de atender a mais de 99% das consultas […] e há muitas, muitas áreas nas quais forneceríamos informações melhores do que as disponíveis atualmente. Nossa missão nos obriga a fornecer informações para todos, [e China] é 20% da população mundial.”

Segundo Sundar Pichai, a ideia é oferecer a maior quantidade de informações ao maior número de pessoas. 

Incertezas

O Google deixou a China em 2010 por se recusar a censurar alguns termos e sites. Além disso, os chineses limitam a liberdade de expressão na web, bloqueando sites como Googe Docs, Blogger, Facebook, Twitter e YouTube”, como informa o TechCrunch . Voltar para a China com um projeto como o Dragonfly é, para alguns críticos do Google , uma “decisão antiética e irresponsável por parte dos líderes da empresa”.

Mesmo antes do Projeto Dragonfly ter sido revelado pelo The Intercept, o Google já estava trabalhando silenciosamente em uma estratégia para voltar à China. Assim, houve o lançamento (ou relançamento) de aplicativos através de lojas Android de terceiros. O Google Play não está disponível na China.

Porém, Pichai disse que o Google ainda não decidiu se lançará o Projeto Libélula na China. No entanto, se o fizer, vai aumentar a competição com o Baidu.

 

Claylson
Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão.

KDE recebeu doação de US $ 300.000 para impulsionar desenvolvimento

Previous article

Elementary OS 5 Juno acaba de ser lançado

Next article

You may also like

More in Notícias