Categorias

o-android-13-tem-codinome-interno-vazado-a-aposta-agora-e-a-sobremesa-tiramisu

Android

Games

Notícias

Tutoriais Linux

Vídeos

Notícias

01/02/2021 às 15:00

11 min leitura

Avatar Autor
Por Claylson Martins

Chromium deveria deixar de ser um código aberto exclusivo do Google?

Chromium deveria deixar de ser um código aberto exclusivo do Google?

Conforme já mostramos em nosso site, em 15 de março de 2021, o Google limitará o acesso a muitas interfaces de programação de aplicativos (API) do Chrome dentro do navegador de código aberto Chromium. O Google está fazendo isso porque “navegadores de terceiros baseados em Chromium que integram recursos baseados em nuvem do Google, como sincronização do Chrome e Click to Call, que se destinavam apenas a usuários do Google Chrome”. Chromium deveria deixar de ser um código aberto exclusivo do Google?

Em outras palavras, “isso significava que uma pequena fração de usuários poderia entrar em sua Conta do Google e armazenar seus dados pessoais de sincronização do Chrome, como favoritos, não apenas com o Google Chrome, mas também com alguns navegadores de terceiros baseados no Chromium”. 

O Google tem todo o direito de fazer isso. É o navegador da web. Sim, o Chromium é de código aberto, mas se você estiver usando suas APIs para acessar seus serviços, o Google pode comandar. Mas, deve o Google sozinho decidir? 

Chromium deveria deixar de ser um código aberto exclusivo do Google?

A mudança do Google deixou muitos desenvolvedores e mantenedores do Chromium de distribuição Linux chateados. Como a comunidade da Red Hat Linux distro Fedora, o mantenedor do Chromium, Tom Callaway reclamou, com o Google “cortando o acesso à sincronização e ‘outras APIs exclusivas’ de todas as compilações, exceto Google Chrome. Isso tornará a compilação do Fedora Chromium significativamente menos funcional (junto com todas as outras distribuições do Chromium)”. 

O Fedora, no entanto, continuará distribuindo o Chromium. Outros distribuidores Linux estão fartos, no entanto. Eric Hameleers, que mantém o Chromium para o Slackware Linux, está descartando o Chromium. “Não vou empacotar e distribuir um Chromium para Slackware se esse pacote for prejudicado pela ausência de login no Chrome Sync”, disse ele. 

Então, qual é o problema, uma vez que, vamos ser honestos, há provavelmente menos de um milhão de usuários do Linux Chromium em comparação com os  quase 3 bilhões de usuários do Chrome PC ou mesmo os aproximadamente 220 milhões de usuários do Firefox? O grande problema é que restringir como o Chromium pode ser usado é um problema muito maior que afeta mais do que apenas os programadores e usuários do Linux.

Só Firefox e Safari escapam

VivaldiOperaBrave e Microsoft Edge têm em comum? Cada um é baseado no código-fonte do Chromium. Exceto para o Firefox, não existem navegadores da web importantes que não sejam do Chromium. É verdade que o Safari em iPhones e iPads não é membro da família Chromium, mas mesmo em Macs, onde o Safari também está integrado, o Chrome é usado por um terço dos proprietários de Mac.

Em termos de participação de mercado, o Digital Analytics Program (DAP) do governo federal dos EUA , que mantém uma contagem contínua dos últimos 90 dias de visitas ao site do governo dos EUA e é o melhor guia para a popularidade do navegador da web, indicou que a partir do final de janeiro, 90% de todos os navegadores de PC e Mac usavam o Chrome ou um navegador baseado em Chromium.

A última vez que tivemos um navegador que dominou totalmente a participação de mercado foi em 2002, quando o Internet Explorer (IE) dominou o mundo da Internet com 96% do mercado. Caso você ainda não não saiba ou tenha esquecido, anos antes, em 1998, o Departamento de Justiça (DoJ) processou a Microsoft por agrupar o IE com o Windows 95 em seu esforço bem-sucedido de matar o outro navegador importante da época, Netscape. Em teoria, o DoJ venceu. Na prática, quando foi a última vez que você usou o Netscape? 

Google, heroi ou vilão?

Agora, o Google não está usando o Chromium e o Chrome para forçar as pessoas a comprar Chromebooks como a Microsoft fazia com o IE e PCs com Windows em seus dias de Império do Mal. Contudo, como os desenvolvedores Linux acabaram de descobrir, o Google pode fazer o que bem entender com o Chromium, sem se importar com o que os outros desejam.

Não é assim que o código aberto deve funcionar. Acho que é hora de todos os desenvolvedores do Chromium por aí terem uma conversa séria com o Google. A grande maioria dos projetos de código aberto não tem uma única empresa dando todas as cartas. Por que isso deveria ocorrer com o Chromium?

Isso é especialmente verdadeiro quando você considera o quão dominante o Chromium é no mundo dos navegadores da web. Você pode até argumentar que o Chromium é o programa de código aberto mais importante para o usuário final do mundo. Pense nisso. Com 90% de controle do mercado de navegadores, não se trata apenas de pessoas “usando” a web. Não, são 90% das pessoas comprando produtos da Amazon; trabalhando em seus empregos usando o Microsoft 365; executando seus programas de linha de negócios, como Salesforce, e assim por diante. 

Se o Google não aceitar, Fork nele

É hora de pensar em tirar o Chromium do controle do Google e entregá-lo a uma fundação terceirizada neutra. Se o Google não quer concordar com essa ideia, ótimo. Fork Chromium. Não será a primeira nem a última vez que um dos melhores programas de código aberto foi bifurcado. 

Sim, o problema aqui não é com o código em si. É com as regras que o Google aplica às suas APIs. Acabamos de ver como essas APIs de serviço trancaram os desenvolvedores em um mundo onde o Google dá todas as cartas.

Não é fácil substituir essas funcionalidades do serviço API. Basta perguntar aos desenvolvedores por trás do sistema operacional Android sem Google. No entanto, isso pode ser feito, e muito mais fácil por uma fundação comunitária com ou sem a ajuda do Google.

ZDNet

Jornalista com pós graduações em Economia, Jornalismo Digital e Radiodifusão. Nas horas não muito vagas, professor, fotógrafo, apaixonado por rádio e natureza.

Últimos artigos

Newsletter

Receba nossas atualizações!

Newsletter

Receba nossas atualizações!
  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.